sexta-feira, setembro 29, 2006

Contacto

A partir de agora quem quiser criticar, elogiar, vilipendiar, ou mesmo fazer propostas indecentes aos solteiros desde blogue, poderá fazê-lo por mail para o endereço que já ali está na coluna na direita.

31 da Armada

É o nome do novo blogue do Rodrigo Moita de Deus, cujo link ainda está indisponível. Quando e onde é que vai ser a festa de inauguração?

Proto-fascista

"Trata-se, porém, de uma pura e grosseira tentativa de mistificação. Os trabalhadores do regime geral descontam 11% só para a segurança social, enquanto os funcionários públicos gozam dos mesmos benefícios (até mais favoráveis), descontando somente 10% para a CGD. Portanto, quem é privilegiado são os funcionários. Além disso, é certo, eles descontam a taxa para a ADSE --, mas para beneficarem de regalias especiais nos cuidados de saúde, de que os demais trabalhadores não gozam e que custam ao orçamento muito mais do que o valor do desconto. Duplo privilégio, portanto! Quando é que certos sindicatos resolvem ser sérios e responsáveis?"
Perguntam vocês: quem foi o perigoso direitista, diria até proto-fascista (não sei o que é mas outro dia numa discussão blogosférica com um comuna qualquer fui acusado de ser proto-fascista e gostei da expressão), que escreveu esta barbaridade?
Sugiro que vão à fonte surpreender-se com o autor de tais escritos.

Blog-addicted

Numa qualquer repartição pública:
Funcionária do guichet - "Nome?"
Eu - "Rui Castro, dos incontinentes verbais"

World Press Photo

A partir de hoje no Centro Cultural de Belém.

Porque será?

"Toma lá que já almoçaste"

A causa das coisas

De acordo com o mais recente barómetro do dn, o Primeiro-Ministro continua em alta, não sofrendo o seu Governo o desgaste que seria normal ao fim de mais um ano de governação. A minha pergunta é só uma: será possível não manter ou mesmo não reforçar a popularidade de um Governo quando a oposição pura e simplesmente não existe?

Massa corporal

Em menos de 2 semanas o meu indice de massa corporal baixou de 32 para 31, mercê de uma diminuição de peso de quase 2,5 Kg. A este ritmo, mais uns meses e ainda me proíbem de desfilar em Espanha.

Assim fico muito mais descansado

Com um slogan de campanha tão forte não tenho dúvidas de que Chávez se posiciona à frente na grelha de partida para sair vitorioso nas próximas eleições.
Depois da retirada dos cartazes em que aparecia ao lado do nosso Eng.º Sócrates, o que constituíu um rude golpe nas aspirações do ainda presidente venezuelano, Chávez dá agora um passo importante para a reeleição.
Sócrates em campanha também prometeu não aumentar os impostos. Esperemos que Chávez seja mais fiel às promessas que faz.

Casca grossa

O autor desta frase é ministro e chama-se Laurentino Dias. O que a mim me choca é que se trata da mesma pessoa que há 2 ou 3 semanas lambeu o cú dos Senhores Valentim Loureiro e Gilberto Madaíl no Prós & Contras da rtp. Este senhor, que presta vassalagem a quem anda a destruir o futebol em Portugal, inclusivamente a quem ainda é arguido em processos-crime por suspeita de corrupção, atreve-se a falar grosso com quem se limitou a interpelá-lo acerca de uma questão política.
A propósito, não tenho ouvido ninguém a defendê-lo, mas será que não existem responsabilidades políticas na maior crise de sempre do futebol português?

quinta-feira, setembro 28, 2006

À escuta no bar da faculdade...

"A diferença entre um liberal e um anarquista é que o primeiro usa a camisa dentro das calças."
Deixo os comentários à vossa consideração.

É que às vezes é insuportável...

Tenho para mim que uma medida eficaz para incentivar o uso do transporte público seria a venda de perfumes nas paragens dos autocarros.

"Factor QI"

Filipe Rodrigues da Silva acha que o Papa, com a sua intervenção em Ratisbona, legitimou a guerra santa dos fundamentalistas. O seu editorial no dd não passa de um acto de censura lamentável, em que demonstra, ele sim, a falta do "Factor QI" que refere (aqui, porém, com sentido diverso daquele que o autor apresenta no seu texto).

Importa-se de repetir?

Resolução do Conselho de Ministros n.º 122/2006:

Aprova orientações para a apresentação de iniciativas legislativas com impacte sobre o sistema judicial, a propor à Assembleia da República.

(in I Série do Diário da República, de 25 de Setembro de 2006 - n.º 185)

apre

que a nandinha está hoje muito activa. algumas notas:
- quanto a este post, folgo em saber que a senhora dona fernanda câncio, afinal, até a comentários anónimos de outros blogues responde (custa-me a aceitar o desprezo que tem dedicado a este blogue depois dos esforços que o signatário deste post tem feito para ser notado)
- já quanto a este, surpreende-me a capacidade da senhora dona fernanda câncio ao não ter dúvidas acerca do que o Papa pretendeu com a sua intervenção em ratisbona.
já agora, fique v. exa. sabendo que o Papa, para além dessa qualidade, assume igualmente a condição de chefe de estado do vaticano, pelo que a posição do presidente da comissão europeia faz todo o sentido.
acresce que, ao contrário do que a subscritora do post diz, a europa tem uma questão religiosa com o islão, bem grave, aliás. ou ignora v. exa. que a lei da liberdade religiosa francesa se destinava também aos muçulmanos, que o terrorismo islâmico foi responsável por 2 ataques terroristas (londres e madrid) como não há memória na europa? que num desses países até conseguiu virar as projecções eleitorais, permitindo a vitória de um partido que se preparava para perder as eleições? que a turquia (pertence à europa, sabia?) tem um sério problema com os fundamentalistas? que, bem recentemente, na alemanha chegou a suspender-se uma ópera com medo de ferir as susceptibilidades dos muçulmanos? e os cartoons? bolas, se isto não são questões religiosas que a europa tem a resolver com o islão então não sei!
para concluir, um desabafo: para uma jornalista que humildemente se auto-proclama "jornalista de causas", não deixa de ser curioso a parcialidade que assume perante realidades como a igreja católica ou o conservadorismo em parte considerável da sociedade portuguesa. com efeito, por vezes, mais que jornalista de causas, a senhora dona fernanda câncio mais parece encarnar a própria causa, esquecendo a independência e imparcialidade que deveria presidir ao desempenho da sua profissão. desculpe lá o desabafo, mas tinha isto entalado há já algum tempo para lhe dizer. cumprimentos.

O Mundo em que vivemos

Descontando o facto de alguns números poderem estar já desactualizados e a demagogia presente na associação de determinadas imagens a alguns dos números, sugiro que consultem este site e corram a apresentação. São números e factos que não devemos ignorar.

Sócrates faz campanha por Chávez

As ruas de Caracas estão repletas de cartazes iguais a este, em que o proto-ditador Chávez aparece sentado ao lado de Sócrates. A ideia é promover a presidência do presidente venezuelano, aparentando alguma credibilidade. No cartaz pode ler-se "Rompendo o bloqueio, Venezuela é respeitada". É pena que o nosso PM se deixe usar desta forma, para mais por alguém como Chávez, que não tem qualquer tipo de pudor em aparecer ao lado dos ditadores por esse Mundo fora. Espero que Sócrates aprenda a lição e que para a próxima saiba escolher melhor os seus "amigos". É que na política, mais que em qualquer outra actividade, faz sentido aquela expressão "Diz-me com quem andas...".

É a pronúncia do Norte

Agora que a OPA da PT vai avançar é que vamos ver se o Norte se vai impôr de vez ou se os Senhores de Lisboa ainda vão preparar alguma gracinha...
Será que o BES e companhia já têm a minoria de bloqueio?
Pelo menos há alguma animação para não continuarmos especados a olhar para o espectáculo económico dos nuestros hermanos.

Então?

Espero ansioso pelos posts prometidos nos comentários ao post infra.

Sorriso de mãe

Ao que parece, o sorriso de Mona Lisa corresponde ao de uma mulher que acabou de dar à luz. Pelo menos é o que dizem os peritos da investigação e restauro.

Compromisso

Ainda aqui não tinha falado do assunto e já venho com bastante atraso. Apesar disso, não quero deixar de deixar a minha opinião sobre o Compromisso Portugal.
Antes de mais, importa referir que a maioria daqueles gestores, empresários e profissionais liberais não tem quaisquer aspirações políticas. A quase totalidade das pessoas que participaram na iniciativa não precisa de mais protagonismo do que aquele que já tem.
Posto isto, e não tendo a capacidade para saber o que vai na cabeça daquelas pessoas, parece-me que a iniciativa é de louvar e entendo que as muitas críticas que sofreu se deve, na sua maioria, a invejas ou incompreensões.
Como o Vito já aqui disse, em vez de perderem tempo em reuniões, conferências e "manifestos", aquela gente poderia ter optado por ter ficado nas suas empresas, nos seus jantares e eventos ou simplesmente a "fazer farinha". Não foi isso que fizeram, e sem qualquer tipo de obrigação decidiram propor uma série de medidas que entendem úteis para o país. Admito que algumas possam não reunir o consenso, mas muitas podem e devem ser discutidas.
Acontece, porém, que o nosso provincianismo nos impede muitas vezes de reconhecer o mérito nos outros, o que torna difícil a mudança ou sequer a sua perspectiva. É pena que assim seja.

Culto da personalidade

Nada comum nos liberais.

quarta-feira, setembro 27, 2006

"São rosas Senhor"

A convicção será a mesma com que prometeu em campanha que os impostos não aumentariam?

Até teria piada

"Interesse nacional"

Se bem que tenho alguma dificuldade em entender a razão pela qual não merecem outros investimentos as mesmas facilidades burocráticas e benefícios fiscais que agora vão ser concedidas à Ikea, espero que, desta feita, o Estado saiba acautelar o interesse nacional para o futuro. Nomeadamente, ficando bem claro que os benefícios extraordinários que vão agora receber para abrir a fábrica deverão ser devolvidos com juros no dia em que, seja por que motivo for, decidirem fechar a fábrica.

Pensamento do dia

"Aprende a dizer que não."

Quem sabe o autor desta frase?

Porco voador

Havia um árbitro que dizia com piada que tinha passado a acreditar em tudo desde o momento em que viu um porco a andar de bicicleta. Pois bem, meus amigos, depois disto também eu passo a ser infinitamente crédulo.

Não podia estar mais de acordo

"Sinais"

Fernando Alves, na sua habitual rubrica das 8:50 na tsf, falava hoje do jogo do Glorioso de ontem. A dada altura falou dos lenços brancos que no final do jogo um número considerável de adeptos mostrou ao Eng.º Santos. Perguntava ele se os benfiquistas, de forma premeditada, os teriam trazido já na expectativa de os mostrar em caso de derrota. Com ou sem razão (no caso do jogo de ontem até acho que sem razão nenhuma, uma vez que fizemos o melhor jogo da época), a verdade é que Fernando Santos tem poucas condições para continuar à frente do plantel. Quem quiser ler ou ouvir os "Sinais" de hoje é ir aqui.

Iceberg - 300 milhões de toneladas

Recebido por mail

E fica muito bem entregue

Ninguém pára o Benfica...

Lamento, mas recuso-me a escrever qualquer post acerca do resultado de ontem do Glorioso. E escusam de insistir, pois também não vai ser hoje que vou pedir a cabeça do Eng.º Fernando Santos. Talvez o faça no próximo domingo (se ele não se antecipar...).

Excesso de produtividade?

A Johnson Controls comunicou hoje a decisão de fechar 2 das 3 fábricas que detém em Portugal. No comunicado pode ler-se que um dos motivos reside no excesso de produção. Pelos vistos a pouca produtividade já deixou de ser problema.
A propósito, afinal quais os objectivos que um Ministro da Economia deve ter no exercício das suas funções? Quais as metas traçadas pelo Governo nesta matéria? Apesar de ter ouvido muitas promessas de investimentos avultados em Portugal, até agora ainda só me apercebi dos desinvestimentos. Terá o Senhor Ministro alguma coisa a dizer na matéria, ou irá continuar como se nada fosse? É que, assim, começam a faltar motivos para o excesso de velocidade na Auto-Estrada!
Tenho para mim que já vai sendo altura do Eng.º Sócrates dar uma varridela na casa. Só espero que não tenha a tentação de atirar o lixo todo para debaixo do tapete!

terça-feira, setembro 26, 2006

Atlântico

Sai já dia 28.
Entretanto, deus (o outro) voltou ao activo. É passar por lá.

Importa-se de repetir?

"perenemente estruturante" (no blasfemias)

"Diablo II"

Desespero

É o que justifica este apelo sentido do João Pedro Henriques.

É segredo, não digam a ninguém

A Sara, aqui da casa, vai participar num debate na Sic notícias acerca do tema do aborto, no opinião pública, hoje às 11:00. Ao que parece, do outro lado vai estar um digno representante da associação não te prives. A Sara pediu-me segredo, mas como ela própria disse eu sou péssimo a guardá-los. Acresce que, aquela gente da não te prives come criancinhas ao pequeno almoço (pelo menos querem matá-las ainda antes de nascerem), pelo que todo o apoio será pouco. É favor ligarem as televisões.

Espero que a namorada tenha daqueles cartões que acumulam crédito pelas chamadas recebidas

O respeitinho é muito bonito

Ouvi na tsf que a directora de um teatro na Alemanha tinha decidido suspender uma ópera de Mozart, uma vez em que numa das cenas Maomé aparecia decapitado. A notícia referia que não tinha existido qualquer ameaça mas que se pretendeu evitar reacções de descontentamento da comunidade muçulmana, Isto, apesar do encenador não concordar com tal medida. Ficamos, pois, a saber que Mozart é um porco sionista e imperialista ao serviço dos americanos. Mais importante que isso, ficamos a saber que o receio dos muçulmanos já vai provocando censura por essa Europa fora. O mais curioso é ver e ouvir aqueles que até há bem pouco tempo clamavam por um Estado laico sucumbir perante uma ameaça religiosa vinda de uma confissão religiosa sem grande tradição ou raízes na Europa. A guerra pode ainda não estar perdida mas vamos perdendo as batalhas, umas atrás das outras.

"Xupistas"

Fiquei maldisposto logo pela manhã quando um pateta qualquer do sindicato que representa os trabalhadores do metro dizia com um ar de satisfação que quase 100% dos trabalhadores tinha aderido à greve. O que o sujeito já se deve ter esquecido é que a greve é um meio para atingir um fim que, neste caso, passará por aumentos ou por uma melhoria das suas condições de trrabalho. Se decidiram fazer greve é porque estão descontentes. E se estão descontentes é dispensável a satisfação com que anunciam os resultados da greve. Quanto mais não seja por respeito pelas milhares de pessoas que hoje tiveram que andar a pé, que ficaram paradas nas filas de trânsito ou que se atrasaram a chegar aos seus trabalhos.

segunda-feira, setembro 25, 2006

Do "Contras"

Constato agora que ainda não vi socialistas no Prós & Contras de hoje. A Fátima está mesmo a pedi-las! Ou será que foram todos a Espanha na comitiva de Cavaco?

União ibérica

As respostas de José Maria Aznar às idiotices da entrevistadora têm sido brilhantes. A diferença relativamente a Zapatero é abissal. Se Mário Soares ali estivesse já estaria aos gritos, de braços no ar a apelidá-lo de "porco imperialista". Tenho uma sugestão: já que quase um terço dos portugueses gostariam de estar sob o jugo espanhol, por que não convidar o entrevistado do Prós & Contras desta noite a assumir as rédeas de um dos partidos de direita aqui do burgo? Bigode já ele tem.

"La mala educacion"

Utilizo este título de um filme do Pedro Almodovar para comentar a atitude de Fátima Campos Ferreira relativamente a José Maria Aznar. Segundo sei o convidado foi convidado para falar das relações ibéricas e a apresentadora insiste nas perguntas, diga-se idiotas, acerca da invasão do Iraque e do apoio espanhol de então. Para quando uma remodelação da senhora? O Eládio Clímaco já agradecia uma companhia feminina nas suas alocuções acerca das expedições ao polo norte!

"Zimbório"

"Isto da blogocoisa, sabe bem quem por aqui anda, é mais viciante do que a adrenalina para os médicos nas Urgências. Uma pessoa até dá por si a participar em concursos para escrever em blogue alheio, mesmo quando já escreve noutros três.
Acreditem ou não, já tenho severos sintomas de tendinite mas só na mão direits por iszo vou escrever fom a esquerda (Pelos vistos não foi boa ideia, mas que se lixe. Homem que é homem aguenta a dor e depois vai a uma casa de massagens tratar do assunto).
No fundo, o título deste blogue devia ser meu. Eu é que sou um incontinente verbal. Ninguém verbaliza mais do que eu e, às vezes, também adjectivo e substantivo (Embora tenha descoberto recentemente que não sei o que é um zimbório. Tanta suposta audiência no Corta-Fitas e ainda ninguém me esclareceu. Talvez aqui tenha mais sorte).
Gosto do Incontinentes…O Rui diz que é gordinho. Nós, os magros e os mais gordinhos, aproximamo-nos pela oposta polaridade dos estigmatizados. Mas não é só isso. Serão as afinidades electivas de que falava Goethe? Não me parece. Estou a imitar o gajo dos Gato Fedorento? Acho que um bocado. Está na altura de agradecer o convite e ir para casa. Um abraço ao Rui e aos outros. E aos leitores do Incontinentes, é evidente."
nota 1: não, infelizmente o João não foi contratado a título definitivo para esta casa. Trata-se de um empréstimo pontual (concurso feito por aqui na semana passada, com a devida inspecção dos senhores do Governo Civil), pois os cofres dos incontinentes não suportam tão avultada contratação. O post, como é seu timbre, está brilhante.
nota 2: já agora, "zimbório": 1. Cobertura hemisférica que, exteriormente, remata a cúpula de um edifício. 2 Chapéu de senhora. 3 Cabeça (Dicionário da Academia das Ciências de Lisboa)

Esclarecedor

Ainda a propósito da discussão que já se vai fazendo por causa do aborto, sugiro que dêem uma vista de olhos neste post e nos comentários que por lá se vão fazendo. É esclarecedor quanto ao que aí vem nos próximos meses.

Debate de ideias?

O Henrique Raposo diz que o aborto é uma questão moral. O CAA decidiu baixar o nível da discussão a este ponto. E ainda não começámos a discutir à esquerda. Para evitar repetições remeto-vos para a resposta do André Azevedo Alves no insurgente que aproveito para subscrever. Quero, porém, acrescentar que, nos últimos tempos, desde que se aventou a possibilidade de novo referendo, os pró-abortistas têm vindo a fazer uma campanha que visa descredibilizar todos aqueles que se atrevem a pensar de forma diferente. Para o efeito, repetem uma série de mentiras que, de tanto terem sido repetidas, já constituem verdades para muitos. Aqui ficam alguns exemplos:
1. O não ao aborto é uma causa religiosa.
2. O aborto é uma questão puramente moral.
3. Os que defendem o não ao aborto são fundamentalistas e obscurantistas.
Sem querer perder muito tempo, para já, com estas falsas questões, não posso deixar de esclarecer a minha posição.
1. O não ao aborto não é uma questão religiosa. Como veremos no debate que se seguirá dentro de semanas, o aborto é uma questão eminentemente jurídica, económica, médica e social.
2. O aborto não é uma questão moral. Ou melhor, é tão moral como o homicídio, o roubo ou a coacção. Reduzi-la a uma questão moral é pretender reduzi-la a uma questão feminina, ao já famoso "aqui mando eu". Aceitar esta adjectivação é dar de barato que o feto não existe como realidade ontologicamente autónoma e com plena dignidade humana.
3. Os que defendem o não ao aborto são tão ou menos fundamentalistas que os pró-abortistas. Com efeito, e ao contrário destes, não apelidam ninguém de maçons, comunas ou perigosos esquerdistas unicamente por aceitarem o aborto.
A discussão ainda vai no início, mas já deu para perceber o desespero que os pró-abortistas pretendem impor ao debate. Já deu para ver que tudo farão para evitar novo chumbo nas urnas.

Devagar se vai ao... fundo



Analisadas as propostas, não encontrei nada que não me parecesse óbvio. O problema é que se faz um grande alarido por um conjunto de medidas óbvias.
Mais uma vez, a vontade governativa de reformar nivela-se pelo menor denominador comum. A lista de propostas é manifestamente pouco ambiciosa e - pior - os sindicalistas Picanços e Co. já vieram a terreiro dizer que já estão a preparar a negociação! Ou seja, mais uma vez o resultado final será deixar tudo na mesma como a lesma!
Uma maioria absoluta, sem eleições nos próximos tempos, num assunto como estes (reconhecidamente um dos nossos maiores cancros), e que não deverá levantar grande oposição do PSD exigia medidas mais reformistas e radicais.
É preciso revolucionar o nosso sistema. Deixar as palmadinhas e passar às palmadas. Para ver se acordamos desde marasmo.

Espero que tenha vírus

Onde anda o Alberto João?

À atenção dos monárquicos


Resumindo o que aconteceu na Tailândia:
O Rei não gostava do Governo, ao que parece eleito de forma mais ou menos democrática, vai daí promoveu um golpe de Estado. Mostrou, desta forma, o respeito que tem pela democracia e pelas escolhas feitas pelo seu povo.
Deixo esta pequena história à consideração dos monárquicos deste e doutros blogues que, ocasionalmente, nos visitam.

Recordar a Mensagem

A mensagem de Cristo, sendo radicalmente revolucionária, pode sintetizar-se numa ideia exigente e aparentemente muito simples: Amar Deus com toda a nossa Vida e amar o próximo como projecção natural desse amor divino. Ou seja, colocar no alvo da nossa imensa capacidade de amar, simultaneamente "Deus" e o "outro".
Durante boa parte do século XIX e quase todo o século XX, o marxismo (ou pelo menos alguns marxistas) tentou implementar um sistema fundado no amor ao outro (aqui entendido redutoramente como sinónimo daquele que sofre, daquele que é vítima do opressor) e desligado do amor a Deus. Os resultados são sabidos. Arrancar Deus do Homem permitiu que se abrisse a porta a uma das mais despudoradas histórias de violência contra os homens.
Agora, o fanatismo religioso tenta alicerçar a sua acção no amor a Deus, desprezando o amor ao próximo. A vida do outro (e até a própria - dos operacionais ... não dos mandantes, entenda-se) é perfeitamente irrelevante, é uma variável que não entra na equação proposta. Arrancar o Homem de Deus, como se vê, permite que se cometam as mais repugantes violências contra os homens. E tudo em nome de Deus!
Só centrando o nosso espírito na mensagem binómica de Cristo (Deus + Homem) podemos fazer com que chegue a Paz ao Mundo e a nossas casas.

Também gostava de ter amigos assim

Acrescente-se que Pinto da Costa ainda teve o despautério de fazer um pedido de indemnização ao Estado de 50.000,00 euros, imagino que por entender que a antecedência com que o avisaram não terá sido suficiente. Gostava de saber o que os "tripeiros do costume" têm a dizer sobre o assunto. É que o temor reverencial que pessoas inteligentes como José Guilherme Aguiar, Miguel Sousa Tavares e mesmo o Carlos Alberto Amorim (CAA) têm relativamente a Pinto da Costa começa a ser incomodativo. Já agora, se por acaso se derem ao trabalho de falarem sobre esta questão, não se fiquem pela valoração da atitude do responsável da PJ e tenham a coragem de assumir o que pensam sobre todo o processo na perspectiva de Pinto da Costa.

Vanessa Fernandes soma e segue

Vanessa Fernandes venceu ontem mais uma etapa da Taça do Mundo de triatlo, em Pequim (China), somando o 12.º triunfo consecutivo nesta competição. A atleta do Benfica realizou um excelente teste no percurso onde decorrerá a prova nos Jogos Olímpicos de 2008 e onde sonha conquistar uma medalha. "Foi importante vencer mais esta etapa da Taça do Mundo. Tanto mais que foi realizada no percurso do Jogos Olímpicos, mas isto nada significa. O importante são as vitórias em mundiais e Jogos Olímpicos", referiu a atleta, procurando não valorizar demasiado este resultado.
Pelo menos temos uma atleta com objectivos!

domingo, setembro 24, 2006

"Diablo"

sábado, setembro 23, 2006

Medo... muito medo

Um tal de Gil Garcia, ao que parece militante e activista de uma tendência qualquer esquisita do BE, disse o seguinte ao "Sol": "O que levou os trabalhadores a cumprimentar Louçã à saída das fábricas é o mesmo espírito que permitiu ao Hamas chegar ao poder na Palestina". Fiquei na dúvida, quis com isto o referido sujeito dizer que o BE é uma organização terrorista à semelhança do Hamas? Ou terá pretendido sugerir que o BE se prepara para ganhar as próximas legislativas? Seja como for, fiquei com medo... muito medo.

D. Juan de turbante

Hoje de amanhã apanhei um susto daqueles. Depois de, como é hábito, ter sido acordado pelas minhas filhas às 8:00, estava eu a ver o noticiário das 9 na Sic notícias quando, já a fechar o jornal da manhã, dão a notícia de que Bin Laden havia morrido com sifilis. Caíu o Carmo e a Trindade cá em casa. Acordámos num ponto, que a notícia representaria a morte do Islão. Desde logo, os candidatos a bombistas perceberiam que alguns (ricos e poderosos) começavam a viver o paraíso ainda na terra, ao passo que eles tinham que se "estralhaçar" para aceder às prometidas virgens. Pior que isso, no entanto, seria a queda do mito da virgindade, pois se Bin Laden tivesse efectivamente padecido de sifilis, seria evidente que as 70, de virgem, teriam muito pouco!

EPUL contra o desemprego


O Expresso noticia que a EPUL tem 15 directores vitalícios que custam ao Estado cerca de 1.200.000 euros/ano. Ao que parece, os detentores do referidos cargos só poderão sair por vontade própria ou então despedidos com justa causa. Presumo que os sindicatos e os partidos de esquerda estejam satisfeitos, pois os visados dificilmente ingressarão na extensa lista de desempregados.

Envelope 9 (II)


Para além do absurdo que significa acusar unicamente os jornalistas por divulgarem o conteúdo de elementos de prova que constam de um processo judicial, alegadamente em segredo de justiça (a que, supostamente, só os funcionários judiciais e magistrado do MP têm acesso), fica também por esclarecer a razão pela qual os números de telefone de algumas personalidades públicas (entre as quais figura o ex-Presidente Sampaio) constavam do processo Casa Pia.

"A luta continua"

Parecem cogumelos. Nascem e morrem com uma velocidade estonteante. Estou a falar, como é óbvio, dos blogues dos "chiques" de esquerda. Desta feita, juntaram-se 5 no 5dias.net. A ver vamos se é desta que vão dar alguma luta ou, como é hábito, vão acabar a falar para eles próprios.

sexta-feira, setembro 22, 2006

"Fim-de-semana com o morto"

Gary Varvel

Envelope 9

E magistrados do ministério público ou funcionários judiciais, quantos é que foram acusados? Ou será que os jornalistas tiveram acesso aos referidos documentos por simples magia!? Se o rídiculo matasse...

Sinais dos tempos

Disseram-me que o dn, na sua habitual coluna de citações blogosféricas, citou um texto aqui dos incontinentes. Que eu saiba é a 2.ª vez que tal acontece. Não deixa de ser curioso, porém, que as citações em "jornais de papel" não tenham qualquer relevo nas visitas online. É mais um sinal de que os leitores do papel não se confundem com aqueles que preferem o acesso online aos jornais. Talvez por isso temos vindo a assistir a um cada vez maior investimento nas publicações online e na interactividade com os potenciais leitores. Exemplo disso é o semanário Sol que optou por lançar o jornal online dias antes do mesmo sair para as bancas. Sinais dos tempos.

Serviço público III


Resposta: Adam Smith


Na sequência do que já havíamos feito aqui há tempos, lançamos mais um desafio/passatempo. A ideia é apostar no nome do autor do texto que se segue. Quem acertar fica habilitado a escrever uma "posta" aqui no incontinentes. O desafio mantém-se até às 17:00 de hoje.
"It is the highest impertinence and presumption, therefore, in kings and ministers to pretend to watch over the economy of private people, and to restrain their expense, either by sumptuary laws, or by prohibiting the importation of foreign luxuries. They are themselves always, and without any exception, the greatest spendthrifts in the society. Let them look well after their own expense, and they may safely trust private people with theirs. If their own extravagance does not ruin the state, that of the subject never will."
Nota: a "xica-espertice" de pesquisar no google com parte do texto será punida com a desclassificação imediata, encontrando-se vedada a possibilidade de recurso aos tribunais comuns.
TENDO EM CONTA A AVALANCHE DE RESPOSTAS, DECIDIMOS PROLONGAR O CONCURSO POR MAIS ALGUM TEMPO...

Em destaque

Já o dissemos por diversas vezes, o corta-fitas é o blogue revelação do ano e veio animar a blogosfera. Ao que parece já anda acima das 1000 visitas diárias, mais do que merecidas. Na entrega dos prémios anuais para os melhores blogues já sabem que podem contar com o nosso voto.

Quem mais se compromete?

Ontem consegui ir assistir à 2ª Convenção do Compromisso Portugal. E gostei. Gostei muito.

Gostei porque vi muitos Srs. Administradores que gastaram o seu tempo a pensar em Portugal. Não me parece que estejam ali em busca do Poder (qualquer um deles já o tem). Parece-me que sentem que têm algo a dar ao seu País. E parece-me que o País precisa que cada um de nós dê um pouco de si.

Hoje em dia cada um de nós trabalha para si próprio e para a sua família. Não com uma perspectiva de Nação a construir. Não pelo Portugal de hoje e de amanhã. Apenas para poder viver bem e assegurar um futuro para a sua Família.

As pessoas que ali estavam ontem e que organizaram o evento já têm o suficiente para si e para as suas gerações futuras. Podiam ter ficado em casa a contar notas e a escolher a casa, o carro ou o barco seguinte. Podiam ter ficado com os filhos ou as mulheres a gozar a vida. Podiam ter ficado no trabalho a facturar.

Mas parece que sentiram un chamamento nacionalista (sem conotação política) e que se desinstalaram. Estudaram os problemas, identificaram as suas causas e propõem soluções.
Boas ou más, é indiferente. É para isso que serve agora o debate e a democracia.

O que importa é a atitude de sair de si próprio em prol da nação.

Hoje já li textos de alguns que acham que são um conjunto de empresários a brincar aos Governos. Sinceramente penso que seja bem mais do que isso. E acho lamentável que, do alto do seu pedestal, se queira deitar abaixo o trabalho que alguns se dão ao trabalho de ter por cada um de nós.

Agradeço aos Promotores e aos organizadores e espero que seja uma lição para todos nós.

Para pormos em prática no dia a dia e desinstalarmo-nos por Portugal.

Genialidade

Na passada Quarta-Feira, tive o privilégio de receber mais uma grande lição de um grande Homem.

Deixo-vos com as palavras finais que nos foram dirigidas:

"Somos chamados a dar tudo. Somos chamados a dar o máximo. Menos do que o máximo não pode ser. Porque só a caridade não passará."

Cabe-nos pois digerir bem estas palavras e pô-las em prática.

Credibilidade

Glenn McCoy

Perversões democráticas

Não contem comigo

"Luís Filipe Vieira anuncia recandidatura à presidência do Benfica"

Nos tempos que correm não será politicamente correcta a afirmação, mas não posso deixar de dizer que não gosto do Presidente do meu clube. Não gosto do passado duvidoso, não gosto do estilo e gosto menos ainda que o glorioso tenha a dirigir os seus destinos alguém que mal sabe falar. Chamem-me snob, pedante, o que quiserem, mas lá porque estamos a tratar de futebol não significa que eu tenha que aturar tudo e todos. Bem sei que a história recente do clube não tem sido famosa e que por lá passou o maior dos escroques, leia-se Vale e Azevedo. Ainda assim, nada justifica que tenhamos baixado tanto a fasquia que se encare com naturalidade que o Sr. Luís Filipe Vieira é o melhor candidato. Ou será que o buraco é tão grande que ninguém minimamente decente tem coragem para avançar!? É que se for esse o caso mais vale fecharem as portas.

quinta-feira, setembro 21, 2006

Consumo interno

Ao fim de alguns meses de mandato presidencial, penso que poucas vozes dissonantes apontarão o dedo à forma como Cavaco tem gerido a sua "magistratura" dentro de portas. Com efeito, tem conseguido manter a solidariedade institucional de que tanto falou na campanha, tendo já conseguido forçar um acordo entre os 2 maiores partidos na área da justiça, coisa que Sampaio nunca logrou alcançar em 10 anos na presidência. Como consequência do referido acordo conseguiu igualmente uma unanimidade (já aqui criticada) que poucos se atreveriam a sugerir na escolha do novo procurador.
Entendo, no entanto, que um bom Presidente não se pode cingir ao que se passa em território nacional, devendo também ter uma opinião firme, apesar de consonante com o Governo, no que respeita à política externa. E se bem que Cavaco começou bem o mandato com a visita às tropas nacionais no Kosovo, a verdade é que nunca mais lhe ouvi uma palavra acerca do que se passa "lá fora", seja a questão do combate ao terrorismo, a questão timorense, o alinhamento europeu de Portugal ou, mais recentemente, a polémica com as declarações de Bento XVI na Alemanha. Numa altura em que Portugal se vê envolvido de forma militarmente activa em palcos tão diversos como os balcãs, o Líbano, o Afeganistão e mesmo Timor, penso que o Presidente tem de assumir uma postura mais interventiva que secunde as tropas no terreno, dando maior visibilidade e credibilidade ao esforço que Portugal tem feito nesta matéria.
É isso que espero de Cavaco, em quem votei (e em quem votaria novamente!), e será isso, certamente, que o Presidente fará. Aguardemos.

O bobo da corte

A frase é de Hugo Chávez, presidente venezuelano, e foi proferida ontem na ONU. Bem sei que todos os circos têm de ter um palhaço, mas ainda assim parece-me que as patetices de Chávez têm sido desvalorizadas. Não nos podemos esquecer que a Venezuela é uma das potências em franco desenvolvimento no continente americano, com uma importância estratégica cada vez maior na região, muito por causa das reservas e produção petrolíferas de que dispõe. Chávez, desde o momento em que foi eleito já mostrou por diversas ocasiões qual a cartilha de que comunga, aparecendo abraçado ora a Fidel ora ao Presidente iraniano. Pelo meio, tem divertido meio mundo com os dislates que profere acerca do presidente americano, o qual insiste em ignorar as palermices que Chávez diz a seu respeito. No seu país, o aspirante a ditador tem vindo a fazer passar reformas políticas que lhe permitam manter-se no poder sem a chatice das eleições. O Mundo assiste incrédulo e, ainda assim, calado. Se e quando a coisa der para o torto quero ver quem vão chamar para resolver o assunto.

A ler

O excelente Luciano Amaral, no dn:

Blasfémia

Quem fornece a droga?

Irresponsabilidade

Correia de Campos afirma que vai fazer campanha a favor da despenalização do aborto como cidadão e não como Ministro. Mas ao que parece a campanha já começou e o Ministro não se coíbe de, nessa qualidade, defender a despenlização. Acresce que, a culpabilização dos médicos e dos enfermeiros por fazerem poucos abortos é irresponsável e, em certa medida, moralizante (no mau sentido), na medida em que julga os referidos profissionais de saúde por não concordarem com os "costumes" politicamente correctos defendidos pelo Ministro. Acresce que, o Ministro terá afirmado que em Portugal há mulheres presas por terem praticado abortos (terei lido mal a notícia?), o que contraria todas as notícias e números vindos a público acerca desse assunto. A serem verdadeiras, as declarações de Correia de Campos são demagógicas e revelam uma má fé incompatível com o cargo que o mesmo exerce. Deixo-vos uma parte:

Pergunta(s) do dia

Alguém me sabe informar quais as razões que levaram os trabalhadores do metro a fazer greve e a afectar seriamente a vida de centenas de milhares de pessoas? Porventura acusar-me-ão de fascista por achar que tem de haver alguma proporcionalidade entre as pretensões dos trabalhadores e os efeitos que as suas "lutas" causam à população que é suposto servirem?

Pergunta da noite

Na 2: está a dar um programa com o nome "Clube dos jornalistas". Reparo que o Daniel Oliveira faz parte do painel. Alguém me sabe dizer em que qualidade? (pensei que fosse só para jornalistas)

quarta-feira, setembro 20, 2006

Souto Moura


Gostava de expressar aqui o meu profundo reconhecimento ao Procurador Souto Moura.

Teve a coragem de trazer a público diversos temas que todos sabiam que existiam mas que, durante o reinado do Dr. Cunha Rodrigues, nunca foram analisados nem inquiridos.

Pedofilia, corrupção no desporto, privilégios bancários, paneleirices, entre outros temas que ninguém tinha coragem de abordar.

Infelizmente, o Sr. não foi feito para este cargo e esteve bastante mal no seu relacionamento com a comunicação social, não soube gerir a sua imagem e deixou-se, na sua ingenuidade, ser abafado pelos poderes ocultos.

Se calhar pensou que tinha os poderes que um PGR deve ter... Devia pensar que estava num Estado de Direito.

Vem agora outro maçon (na sequência do Dr. Cunha Rodrigues) e já toda a classe política bate palmas...

É por isso que, ao contrário do que deveria acontecer num país normal, perante esta unanimidade, o meu estado de espírito é de medo... Muito medo...

PGR

Soube agora que o novo procurador Dr. Pinto Monteiro já esteve num órgão de jurisdição da Federação Portuguesa de Futebol. Apesar de achar que será difícil fazer pior que o ainda procurador (para não ser injusto, incluo no lote o Dr. Cunha Rodrigues), não posso deixar de registar que a frequência do Dr. Pinto Monteiro, ainda que por breves momentos, num qualquer órgão de justiça desportiva ligada ao futebol o torna num sério candidato a destronar o Dr. Souto Moura.

"O terrorismo do alvoroço hipócrita"

A propósito da polémica com a intervenção de Bento XVI em Ratisbona, aconselha-se a leitura do artigo de opinião de Vasco Graça Moura, hoje no dn.

Consensos a mais

Quanto ao novo Procurador, limito-me a fazer 2 apontamentos.
O primeiro, para o facto da escolha de Pinto Monteiro ter reunido um consenso em todos os quadrantes, inclusivamente nos blogues, o que me surpreende e deixa muito pouco descansado. Confesso que preferia um nome polémico, como o de Maria José Morgado, que abalasse as "estruturas" e ameaçasse a paz podre com a qual convivemos.
O segundo, para ficar a minha interrogação relativamente à maçonaria. É essencial que o Procurador esclareça esta questão, para evitar futuros comentários e ou suspeições.
Aguardemos.

Para dissipar dúvidas

Graças ao serviço público prestado pelo tugir, estou em condições de confirmar as contas efectuadas no outro dia pelo médico que consultei a propósito da ligeira saliência que tenho na zona da barriga. Para os mais curiosos basta espreitar por aqui.

terça-feira, setembro 19, 2006

Novo PGR

O Juiz-Conselheiro Fernando José Pinto Monteiro é o novo Procurador-Geral da República. Pode ler-se no site oficial da Presidência da República o seguinte:
"O Presidente da República vai nomear o Juiz Conselheiro Fernando José Matos Pinto Monteiro como Procurador-Geral da República, estando a tomada de posse marcada para o próximo dia 9 de Outubro.
Divulga-se, seguidamente, uma nota informativa relativa à decisão do Presidente Aníbal Cavaco Silva.
Nota Informativa:"Completando-se em 7 de Outubro próximo os 6 anos do mandato do actual Procurador-Geral da República, o Governo propôs a nomeação, para seu substituto, nos termos do art.º 133, alínea m) da Constituição, do Senhor Juiz-Conselheiro Dr. Fernando José Matos Pinto Monteiro. A proposta mereceu o acordo do Presidente da República, tendo a posse sido fixada para 9 de Outubro."
Ao que parece o novo Procurador é membro da maçonaria (sem malícia...).

"We're ready"

Espero que estejamos efectivamente preparados para o receber. O facto do Instituto de Meteorologia ter considerado que, aquando da passagem pelos Açores, o furacão já se teria transformado em tempestade tropical, só emendando a mão hoje de manhã com a passagem a alerta vermelho, não é nada promissor.

Se eu acreditasse em teorias de conspiração...

... ainda suspeitava que os fundamentalistas islâmicos têm alguma coisa a ver com este golpe de estado na Tailândia.

Quando julgas que não podes bater mais fundo...

O problema é gravíssimo. Ainda assim, parece-me que a medida de proibir o desfile das escanzeladas é fundamentalista e contra-producente. Com efeito, já não bastava serem anoréticas que ainda vão ficar desempregadas.

Carreira alternativa

Leio nesta notícia que vários modelos foram proibidos de participar na "Pasarela Cibeles", em Espanha, por serem excessivamente magros. Constituirá esta uma possibilidade de carreira alternativa para o subscritor deste post? Tenho plena convicção de que estou acima do índice mínimo de massa corporal exigido!

Islão

A moda pegou

As providências cautelares estão na moda. Ouvi de manhã na tsf que um recluso intentou uma providência cautelar para suspender a aplicação da lei que prevê a troca de seringas nas prisões, com o fundamento de que está em causa a saúde pública. Ao que parece, o recluso, condenado a 10 anos por crimes económicos, alega que o tráfico e consumo de droga são ilegais e que a introdução de seringas vai potenciar o aumento do consumo, a que acrescem razões de segurança relativas à utilização das seringas como armas, não só entre os presos, mas igualmente perante os guarda prisionais (neste ponto, o próprio sindicato referiu apoiar a providência proposta). A notícia referia que centenas de outros reclusos poderiam aderir à providência, uma vez que, alegadamente, uma parte substancial dos detidos em cadeias nacionais não está de acordo com a medida governativa.
Já aqui tínhamos referido o absurdo da medida. Parece-me óbvio que, com a oposição dos próprios reclusos e dos guardas, a decisão do Governo deveria ser repensada.

Não havia necessidade?

Na sequência da polémica gerada em torno do discurso do Papa Bento XVI, proferido a 12 de Setembro, na Universidade de Ratisbona e da indignação do mundo muçulmano em face do mesmo, fui confrontada com inúmeras notícias na comunicação social sobre este assunto. O meu primeiro pensamento foi: "Bolas, o Papa Bento XVI meteu o pé na poça" (perdoem-me a expressão). O que é certo é que não tinha ainda lido o discurso que despoletou a referida polémica, o que vim a fazer depois através do link do Vito, que escreveu o post intitulado "Não havia necessidade".
Diz ele:
"Ao contrário do meu amigo Rui Castro, acho que não havia necessidade do Papa fazer uma referência expressa ao Corão e à passagem que deu lugar a toda esta polémica."
A menção expressa ao Corão foi da sura 2, 256 que diz: "There is no compulsion in religion". Sura é o nome dado a cada capítulo do Alcorão (também designado por Corão). O livro sagrado da religião islâmica possui 114 suras, por sua vez subdivididas em versículos (ayat). As suras não se encontram ordenadas por uma ordem cronológica de revelação. O Santo Padre referiu que a tal sura 2, 256, de acordo com os especialistas, é uma das suras primitivas, do tempo em que Maomé ainda não tinha poder e era perseguido. É, no entanto, sabido que houve mais tarde instruções introduzidas no Corão referentes à guerra santa que terão sido da responsabilidade de Maomé. O Santo Padre referia-se, certamente, à "jihad menor" que é descrita como uma guerra santa que os muçulmanos são obrigados a travar contra aqueles que são inimigos do Islão ou seja, daqueles que não se submetem a Deus e à paz (irónico não?).
Relembro a passagem que deu lugar a toda esta polémica:
"Show me just what Mohammed brought that was new, and there you will find things only evil and inhuman, such as his command to spread by the sword the faith he preached".
Ora, esta frase espelha a opinião de um imperador bizantino em conversa com um persa sobre a guerra santa, com a qual o Santo Padre já disse não partilhar.
"Não havia necessidade de abrir espaços para mais uma polémica neste campo."
Concordo, mas decerto não era essa a intenção do Santo Padre.
"Não havia necessidade de se fazer referência a uma passagem da Idade Média para dizer uma coisa tão óbvia para a nossa sociedade."
Da necessidade de fazer referência ao episódio do imperador e do persa que falavam sobre a guerra santa não me pronuncio, pois desconheço quais as premissas que estiveram na base do raciocínio desenvolvido por Bento XVI. No entanto, parece-me abusivo pretender fazer do Islão uma "vaca sagrada", pretendendo calar todos aqueles que denunciam o facto de muitos muçulmanos defenderem a guerra santa, desculpabilizando o terrorismo e a violência perpetrados em seu nome.
"Não havia necessidade de interpretar literalmente uma passagem do Corão, quando o que sempre defendemos foi uma interpretação não literal da Bíblia (pelo menos no Antigo Testamento)."
O Santo Padre não fez qualquer interpretação literal de uma passagem do Corão. São os próprios muçulmanos (os adeptos da intolerância e da violência, leia-se) que o fazem.
"Não havia necessidade de dar argumentos a quem os procura para permitir novos confrontos, sobretudo inter-religiosos."
A intenção do Santo Padre não seria, com toda a certeza, dar argumentos a quem os procura, até porque os muçulmanos que fazem e defendem a guerra santa não necessitam de argumentos (veja-se o caso dos cartoons). O que é triste é ver que a falsa interpretação que foi feita do discurso tenha como consequência que, mais uma vez, os muçulmanos sejam vistos como intolerantes, violentos, terroristas e assassinos. Isto porque haverá muitos que não partilham deste fundamentalismo (a este propósito leiam-se as mais recentes declarações do Imã de Lisboa).
Pior que isso, são as consequências desse mesmo fundamentalismo. Para quem não sabe, uma freira italiana foi assassinada em Mogadíscio, dezenas de igrejas têm sido destruídas pelo Mundo fora, etc...
"Espero (embora infelizmente tenha algumas dúvidas) que este episódio tenha sido por mero descuido e não mais uma "coincidência", agravada desta vez tendo em conta a sua origem."
Também não me parece que este episódio tenha sido um descuido ou uma "coincidência". Mas como Pulido Valente disse e já foi referido mais a baixo: "O mais preliminar assistente de Literatura, História, Filosofia ou Teologia percebe logo três coisas. Primeira, que o Papa não dá o imperador Paleólogo como um intérprete autorizado da religião muçulmana, mas como um como um opositor inteligente à perseguição religiosa. Segunda, que o Papa não esqueceu as perseguições da sua própria Igreja e que usou o imperador por conveniência ilustrativa da desordem moderna. E, terceiro, como o título e o resto da conferência comprovam, que Ratzinger não estava interessado em "atacar" ninguém, estava interessado na dualidade da fé e da razão. Infelizmente, a "rua" islâmica não é o público letrado da Universidade de Ratisbona e começou rapidamente a usual campanha de ódio contra o Bento XVI, que de toda a evidência o deixou estupefacto. O papa já lamentou o equívoco, mas não pediu desculpa. Não podia pedir. Nem pelo incidente, fabricado pelo fanatismo e a ignorância, nem pelo teor geral da conferência de Ratisbona. Ratzinger insistiu que a fé não é separável da razão e que agir irracionalmente "contraria" a natureza de Deus. Não vale a pena entrar nas complexidades do assunto."
Apesar de tudo, o que mais me choca nisto tudo é ver que católicos informados, sem antes lerem aquilo que o Papa verdadeiramente disse, tenham embarcado em críticas despropositadas, levados por interpretações dúbias e tendenciosas efectuadas pela comunicação social (não me estou a referir, como é óbvio, ao Vito!). Mas se calhar é este o preço da nossa liberdade.
Quem estiver interessado em ler o discurso do Papa na íntegra, sugiro que o faça aqui.

segunda-feira, setembro 18, 2006

Não havia necessidade

Ao contrário do meu amigo Rui Castro, acho que não havia necessidade do Papa fazer uma referência expressa ao Corão e à passagem que deu lugar a toda esta polémica.
Não havia necessidade de abrir espaços para mais uma polémica neste campo.
Não havia necessidade de se fazer referência a uma passagem da Idade Média para dizer uma coisa tão óbvia para a nossa sociedade.
Não havia necessidade de interpretar literalmente uma passagem do Corão, quando o que sempre defendemos foi uma interpretação não literal da Bíblia (pelo menos no Antigo Testamento).
Não havia necessidade de dar argumentos a quem os procura para permitir novos confrontos, sobretudo inter-religiosos.
É verdade que o Vaticano e o próprio Papa já disseram que não tiveram intenção de ofender ninguém.
Espero (embora infelizmente tenha algumas dúvidas) que este episódio tenha sido por mero descuido e não mais uma "coincidência", agravada desta vez tendo em conta a sua origem.

Pergunta do dia

O glória fácil acabou?

"Cotão na entretela"


O texto que se transcreve mais abaixo foi escrito por uma tal de Anabela Fino, que se diz jornalista, e que, segundo rezam as más línguas, pertence à direcção do Sindicato dos Jornalistas. Relembro que o Avante é o jornal oficial de um partido - PCP - que se diz democrático e que, inclusivamente, tem a 3.ª maior representação popular na AR. Como disse há tempos, são este tipo de posições que nos lembram a História e que colocam os comunistas no seu devido lugar, ou seja nos antípodas da democracia. Fica a pérola:
"A alegada presença de membros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) na Festa do Avante! deu azo a semana passada a uma série de intervenções assaz curiosas. De blogues mais ou menos obscuros a jornais mais ou menos de referência, passando pela Assembleia da República, representantes da direita mais reaccionária e pseudo democratas de trazer por casa puseram-se em bicos de pés e deitaram as unhas de fora para clamarem a sua indignação pela suposta vinda de «terroristas» a Portugal, zurzirem no PCP que teria tido o atrevimento de os convidar e, aproveitando a embalagem, exigirem a punição exemplar do prevaricador. A coisa seria ridícula se não fosse trágica o que esta encenação denota de hipocrisia e espírito revanchista por parte de quantos, reivindicando na própria verborreia a designação de democratas, têm raízes fundas no passado fascista em que militaram de corpo e alma ou de que são descendentes disfarçados de modernidade serôdia e muito cotão na entretela. Escudando-se numa decisão tomada pela União Europeia – uma instituição que muito prezam –, a qual seguindo subserviente os ditames de Washington adoptou uma lista de «terroristas», os arautos da nova ordem internacional debitam sentenças que envergonham o povo português, que em 50 anos de fascismo e colonialismo aprendeu a respeitar a luta dos «terroristas» de Angola, Moçambique, Guiné, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe pelo seu direito à autodeterminação e independência. Acusando o PCP de apoiar «terroristas», os próceres da direita não procuram apenas passar uma esponja sobre a luta heróica de sucessivas gerações que combateram o fascismo em Portugal e nas ex-colónias, quantas vezes à custa da liberdade e da própria vida, mas sobretudo negar o direito dos povos a decidir dos seus próprios destinos, se necessário pela via armada. Na Colômbia, como na Palestina, Líbano, Iraque, ou como no passado recente no Vietname, em Cuba, Nicarágua, El Salvador, África do Sul, só para citar alguns exemplos, «terroristas» são todos os que não se vergam ao despotismo, ao colonialismo, à escravidão, seja qual for o nome ostentado pelo regime que o pratica. A verdade porém é que na Colômbia, onde as FARC lutam há mais de quatro décadas contra regimes corruptos e despóticos, serventuários do imperialismo norte-americano, os autênticos terroristas usam fato e gravata e incumbem o exército ou organizações paramilitares de lhes fazer o trabalho sujo, enquanto debitam nas Nações Unidas, na Casa Branca ou em Bruxelas discursos de paz e justiça social. O mesmo se passa em muitos outros pontos do planeta, onde neste 11 de Setembro de 2006 se choraram lágrimas de crocodilo e cumpriram minutos de silêncio pelas vítimas dos atentados de Nova Iorque, se fizeram profissões de fé na «guerra ao terrorismo», mas onde nunca se perdeu um segundo a lembrar o 11 de Setembro de 1973 no Chile ou o Setembro Negro de 1970 na Jordânia, onde as vítimas foram bastante mais numerosas e no entanto jamais se vislumbrou um «terrorista» que ficasse para a história oficial. Vale a pena lembrar, no entanto, que Nelson Mandela foi «terrorista» antes de ser presidente da África do Sul sem apartheid e Prémio Nobel da Paz, e que Augusto Pinochet, apesar de impune, continuará sendo sempre um ditador embora nunca tenha sido acusado de terrorista."

Ainda sobre Bento XVI

"O Papa e o islão
Não deve haver académico que, lá no fundo, não tenha um especial fraquinho pelo Papa Bento XVI. Afinal, ele faz parte da corporação e, mais, foi durante muito tempo um motivo de orgulho para a corporação. Fala o dialecto da seita, escreve no dialecto da seita e, se não pensa como a seita, pensa segundo as regras da seita. Só que é Papa e que, sendo Papa, de quando em quando, esquece o mundo cá de fora e reverte ao seu velho papel de universitário. O "escândalo" de Ratisbona não passa disto. Bento XVI, querendo explicar a irracionalidade da conversão pela violência, citou o imperador Manuel II Paleólogo. Num diálogo com um persa, Paleólogo dissera: "Mostra-me então o que Maomé trouxe de novo. Não encontrarás senão coisas demoníacas e desumanas, tal como o mandamento de defender pela espada a fé que ele pregava". O mais preliminar assistente de Literatura, História, Filosofia ou Teologia percebe logo três coisas. Primeira, que o Papa não dá o imperador Paleólogo como um intérprete autorizado da religião muçulmana, mas como um como um opositor inteligente à perseguição religiosa. Segunda, que o Papa não esqueceu as perseguições da sua própria Igreja e que usou o imperador por conveniência ilustrativa da desordem moderna. E, terceiro, como o título e o resto da conferência comprovam, que Ratzinger não estava interessado em "atacar" ninguém, estava interessado na dualidade da fé e da razão. Infelizmente, a "rua" islâmica não é o público letrado da Universidade de Ratisbona e começou rapidamente a usual campanha de ódio contra o Bento XVI, que de toda a evidência o deixou estupefacto. O papa já lamentou o equívoco, mas não pediu desculpa. Não podia pedir. Nem pelo incidente, fabricado pelo fanatismo e a ignorância, nem pelo teor geral da conferência de Ratisbona. Ratzinger insistiu que a fé não é separável da razão e que agir irracionalmente "contraria" a natureza de Deus. Não vale a pena entrar nas complexidades do assunto. Basta lembrar que desde o princípio (desde Orígenes, por exemplo) se construiu sobre a fé cristão um dos mais sublimes monumentos à razão humana e que o Ocidente, apesar da "Europa", não existiria sem ele. A fé muçulmana não produziu nada de remotamente comparável e, durante quinze séculos, sustentou uma civilização frustre e parada. A conferência de Ratisbona reafirmou a essência do cristianismo. Se o islão se ofendeu, pior para ele."
Vasco Pulido Valente (via bomba inteligente)

Professor Charamba


Rui Santos está a fazer a sua análise semanal na Sic Notícias. A gravata de hoje - lilás - é das menos más dos últimos tempos.
A propósito do golo marcado com a mão por um tal de Ronny, refira-se que o comentador, de forma indirecta, acaba por compará-lo à validação de um golo marcado por um apanha bolas no Brasil. Assim de repente, e para fazer um paralelismo neste tipo de equiparações, é como se comparássemos o Rui Santos ao Kléber do "Fiel ou infiel". Um verdadeiro absurdo.

domingo, setembro 17, 2006

Islão = Paz?

"Cuba libre" (a única)

A propósito, não deixem de ver The Lost City.

É chato?

Coça.
Há 20 anos, no Mundial de futebol, Maradona marcou um golo com a mão à Inglaterra. O jogo não foi repetido ou o golo anulado. Maradona também não deixou de ser o melhor jogador de todos os tempos por causa disso.
Anos depois, Vata, ao serviço do Glorioso, marcou um golo ao Marselha na meia-final da Taça dos Campeões Europeus que carimbou o passaporte para a final que o Benfica acabaria por perder. O jogo não foi repetido ou o golo anulado. Vata também não deixou de ser um dos piores jogadores de todos os tempos por causa disso.
Hoje (ontem), o Paços de Ferreira ganhou ao Sporting com um golo marcado com a mão. Ao que parece, o Sporting quer impugnar o jogo e fazer queixinhas do árbitro, enviando, para o efeito, uma participação à Liga. Sugiro que enviem também a cassete da semana passada com o lance do golo que deu a vitória ao Sporting sobre o Nacional.

Global day for Darfur

Não custa nada. Mais informações aqui.

Importa-se de repetir?

Daniel Oliveira acaba de dizer no eixo do mal que não é de extrema-esquerda. Diz ele que é um social-democrata de esquerda. Ninguém reagiu.

Eu também não

sábado, setembro 16, 2006

A ver

sexta-feira, setembro 15, 2006

Muito à frente!!!


O efervescente presidente do grupo parlamentar do CDS/PP, ainda que com razão nos justíssimos reparos a Sua Excelência o PR, acusou-o de considerar a AR uma sociedade comercial onde, segundo afirmou, existem “direitos preferenciais de voto”. Ele é jurista. Eu também… e nunca ouvi falar de semelhante coisa. O mais parecido que me lembro de ter estudado foram as “acções preferenciais … sem voto”. Sou eu que sou ignorante … ou é ele que está muito à frente?

Teorias da conspiração

Ontem à noite a 2: passou pela terceira vez o documentário "Loose Change", que aventa uma teoria da conspiração acerca dos atentados de 11 de Setembro. Proponho que o ponham no ar todos os dias na RTP memória. É que uma mentira, quando repetida com frequência, passa facilmente a ser considerada uma verdade absoluta.

"O linchamento"

Como não poderia deixar de ser, o Daniel Oliveira saíu em defesa dos muçulmanos, com quem tem tantos laços em comum, criticando o que o Papa Bento XVI disse há dias na Alemanha. Cheguei a escrever ontem um post que acabei por não publicar em que apostava nos nomes daqueles, que não sendo muçulmanos, seriam os primeiros a atacar o Papa. O Daniel era a minha primeira aposta. Adiante. Ora, chegámos a um ponto em que o islão se tornou numa "vaca sagrada" e ai de quem se atrever a criticá-lo. Pessoas há, como Mário Soares, que não se coibirão de, irresponsavelmente, afirmar que este tipo de críticas (como a do Papa) contribuem para a propagação do terrorismo e outras tretas que tais. Não pretendo, porém, abordar a problemática do terrorismo e das suas causas prováveis, mas sim desmascarar esta gente que se assume como intelectualmente honesta, quando, na realidade, são os maiores dos hipócritas. Como a minha memória não é assim tão curta, deixo-vos parte de um post que o Daniel Oliveira escreveu em Agosto a propósito de todos aqueles que se atreveram a condenar Gunther Grass pelo seu passado de apoio ao regime nazi:
"Grass já há muito fez o mea-culpa. E esta nova revelação, feita por vontade própria, é a continuação da difícil relação que mantém com a sua própria história. José Manuel Fernandes terá culpas bem menores do que ele e ninguém lhe exige que se ande a penitenciar. Não tem de o fazer. E não é por ter apoiado as mais abjectas ditaduras que perde direito à opinião. Eu, pela minha parte, que apoiei a União Soviética no inicio da minha adolescência sinto-me livre de atacar o passado do comunismo. Mas não ando a atirar pedras a quem se enganou e reconheceu o seu erro. Por isso, esperaria o mínimo de decoro de Fernandes. Até porque nunca lhe ouvi dizer sequer «sou um ex-estalinista». Fernandes ataca o passado da extrema-esquerda de que fez parte como se nunca fosse nada com ele. Não comparo o apoio à Albânia, num país ocidental, ao passado de um simpatizante nazi na Alemanha., Mas, demasiadas vezes, José Manuel Fernandes aproxima-se dessa comparação. E, no entanto, é como se ele próprio não tivesse passado. Por isso pergunto agora eu: Como pode alguém que não sabe conviver com o seu passado impor a outro o dever de memória? Que antes de ser o primeiro a gritar "mata" aprenda qualquer coisa com a coragem de Gunter Grass."

Foi bom enquanto durou

Andou a pôr a mão onde não devia...

Mais uma excelente notícia para Marques Mendes

5 minutos

Foi o que bastou para que um médico, munido de uma calculadora e depois de me pesar, me acusar de obesidade. Ao que parece terei passado por uma outra fase designada por pré-obesidade, da qual nunca cheguei a dar conta. À pergunta "se eu faço desporto habitualmente" ainda tentei explicar que faço uma média de 10 posts por dia no meu blogue, mas suspeito não ter sido levado muito a sério.

quinta-feira, setembro 14, 2006

podem-me explicar como se tivesse 6 anos

como sou muito distraído ainda não percebi se os adjectivos "parvalhão" e "gorila" de que a f. câncio fala aqui e aqui se destinam ao meu co-blogger e amigo rui castro.

Virar o bico ao prego

É o que faz o franco atirador neste post. Isto sim é de lamentar.

está desculpada

Ecumenismo (aka um católico a citar um baptista)

A polémica que por aí vai entre os criacionistas e os evolucionistas está ao rubro. O João Miranda escreve aqui sobre o assunto. Mas o que eu quero que vocês leiam com atenção, do princípio ao fim, é um post de ir às lágrimas do Tiago Cavaco que passo a transcrever na totalidade para os preguiçosos que não gostam de links (o Tiago que me perdoe mas este tenho mesmo de plagiar):
Medonho. Falo do Intelligent Design e tenho um batalhão de Testemunhas de Oxalá à porta para ajustar contas com as minhas imprecisões científicas. Os Vaticanos também se abatem mas as Inquisições persistem. Eu, que entre os meus sou semi-herético pelo meu criacionismo estetizante, gramo agora o ultraje de todos os que concluíram a Biologia do antigo nono ano. Apenas um conselho: leiam mais, não se percam com os ferrinhos dos grupos folclóricos e orem ao Deus Desconhecido por sabedoria (com Salomão o truque resultou). O que o criacionista Tiago Cavaco quer não é a aniquilação dos darwinistas. Tão somente o direito à dissidência, ao relativismo e a um Moscavide sem os tipos da Emel a chatear. O choque de mundividências é a nova luta de classes. No meu Cosmos manda Deus (vejam lá se isto é possível). Lamento se vos parte as lombadas do Carl Sagan ou vos interrompe o fluxo carpideiro após verem "Uma Verdade Inconveniente" na sessão das dez da noite do Nimas (onde é que isto vai parar com o Nimas a passar o Al Gore? O Nimas dos "Lisboetas" durante três meses? Sim. O Nimas do "Leopardo" do Burt Lancaster durante vinte semanas? Sim. Agora xuxem o Al Gore - que por acaso até é da minha religião e tudo, seus ignorantes. Sim, é Baptista, baptizado por imersão em idade adulta e essas coisas todas. Até os perigosos evangélicos do Dr. Soares podem acender os rastilhos do niilismo-dos-tubos-de-ensaio).Suavizemos os Jerónimos da nossa erudição. Ando nisto desde pequenino e não me tenho dado assim tão mal."

Duas cegueiras

Mário Soares, por exemplo. Apesar de fazer a sua condenação do terrorismo, sem lhe dar o ênfase necessário, de imediato se lança numa diatribe anti-americana. ”A família de Bin Laden saiu dos Estados Unidos, logo a seguir ao 11 de Setembro, quando o espaço aéreo estava fechado”, disse Soares, implicando que existia uma ”zona sombria” na situação.(...) Além disso, diz que é o petróleo que explica o ”interesse americano” no Médio Oriente, como se tudo se explicasse pela ”ganância”. Infelizmente para todos, nada é assim tão simples, e manifestamente não chega para explicar o drama da região. para o doutor Soares, tudo é culpa da América, da globalização, e do ”sistema” (sim, foi essa a palavra usada). Incapaz de ver, ou admitir, que existe uma vanguarda islâmica violenta e aterradora, totalitarista e apocalíptica, com desejo profundo de destruição ocidental, o doutor Soares prossegue na sua cegueira, odiando sempre mais os americanos do que os seus, e nossos, inimigos.
A cegueira de Pacheco Pereira não foi menor.(...) Pacheco Pereira não é capaz de reconhecer que a política norte-americana do ”Eixo do Mal” foi um desastre de proporções históricas, e que a administração Bush perdeu toda e qualquer credibilidade aos olhos do mundo. Infelizmente, direita e esquerda actuais são parecidas, ambas filhas de Rousseau. Não querem saber dos factos. Têm muitas crenças mas não têm lucidez.

In Domingos Amaral no DE

post à câncio

Diz-me quem citas...

O Prof. Vital Moreira, que há muito se tornou desconsiderado por estas bandas, faz uma citação do blogue random precision a propósito de uma sentença judicial (que para o caso não interessa). Acontece que o random precision não é um blogue qualquer, o mesmo acontecendo ao seu autor Luís Grave Rodrigues. Dando de barato o facto do Dr. Grave Rodrigues ter sido o advogado mediático no caso das 2 lésbicas que se queriam casar (gostos não se discutem), verdadeiramente extraordinário é o ódio que o mesmo destila relativamente à Igreja Católica, não só no random precision mas também no Diário Ateísta, onde colabora com os demais fundamentalistas ateus residentes. Aos poucos vamos percebendo as posições que o Prof. Vital Moreira tem vindo a assumir relativamente à Igreja, e ficamos também a conhecer quais os seus "catequistas". Como dizia alguém um dia destes "diz-me quem citas e dir-te-ei quem és".

Pacheco Pereira

2 textos essenciais no Abrupto que subscrevo na íntegra:

Regresso à normalidade

Assim sim, já nos entendemos. Já agora arquivem também o processo Casa Pia para voltarmos ao sossego do antigamente. Estes mega-processos e suspeições acerca de pessoas impolutas cansam-me. Há que seguir o exemplo do Ballet Rose e não nos deixarmos levar por acusações manifestamente infundadas.

Santos da casa não fazem milagres

Factos:
- Fernando Santos é benfiquista
- Fernando Santos não percebe muito de futebol
- Fernando Santos é daquelas pessoas com quem simpatizo
Ora, a minha mãe:
- é benfiquista
- não percebe muito de futebol
- é daquelas pessoas com quem simpatizo, bastante mais, por sinal, do que com Fernando Santos.
Dúvida: se a minha mãe não foi contratada para treinar o Glorioso, por que raio o foi o Fernando Santos?

Primeira página

Na semana passada foram as FARC e na que corre a prestação de Soares no Prós e Contras. Alguém já sabe com o que é que nos vamos entreter para a semana?
Nota: dia 15 é já na sexta. Aguardemos serenamente.

quarta-feira, setembro 13, 2006

Pactos furados

Não conhecendo os termos do acordo celebrado entre PSD e PS quanto à reforma da justiça, e que eu aqui já elogiei, penso que há que ter alguma calma quanto a novos pactos de regime. Qeu eu me lembre, os partidos concorreram separados nas últimas eleições legislativas, e se bem que eu não tenha votado em nenhum dos 2, suspeito que os respectivos eleitores não vejam com bons olhos uma governação a 2 mãos. Desde logo, os socialistas, que ganharam as eleições, questionando a necessidade de acordos (que implicam sempre cedências), quando têm a maioria necessária para fazer as suas reformas. Por outro lado, sem bem que compreendo a dificuldade do Dr. Marques Mendes em fazer oposição, a verdade é que os seus eleitores querem efectivamente que se faça oposição e que se evite em andar de mão dada com os socialistas. Acresce que, nos próximos anos vamos ter algumas "reformas" por iniciativa governamental, essas sim que vão facilitar a vida ao PSD enquanto oposição, como sejam o desenvolvimento de projectos como o TGV e a OTA ou mesmo o virar à esquerda no Governo com as alterações à lei do aborto e a discussão dos direitos dos homossexuais. Aos 2 maiores partidos aconselho prudência. A Cavaco fica o meu pedido para evitar o regresso ao "bloco central".

Um partido não se quer sexy

Aquilo que o Dr. Pires de Lima e demais membros da "banda" andam a fazer no CDS é bem mais destrutivo que a atitude tomada pelo Dr. Manuel Monteiro quando abandonou o partido. Deixando de lado as posições absurdas defendidas publicamente pelo Dr. Pires de Lima quanto ao aborto ou mesmo a patetice do "partido sexy", é inadmissível o que andam a fazer. Assumir uma posição de claro confronto relativamente à direcção, nomeadamente quanto ao líder Dr. Ribeiro e Castro, ainda que dele discordando quanto ao rumo a seguir, é uma atitude suicida e fatal para o CDS. Como se sabe, o partido já viveu melhores dias e o seu eleitorado, além de reduzido, é bastante instável. Independentemente de considerar que é até saudável a manifestação de opiniões contrárias dentro de um partido que se diz democrático, a verdade é que não é possível fazer-se guerrilha em nome dessas mesmas discordâncias. Que me lembre, durante a liderança do Dr. Ribeiro e Castro, o CDS já fez 2 congressos, ambos ganhos pelo actual presidente. Pelos vistos, o Dr. Pires de Lima e demais "compinchas" não gostam de perder e pretendem através do confronto público fazer cair a direcção. Tenho para mim que o partido é pequeno demais para tamanha confusão e que, qualquer que seja o líder, vai sofrer as respectivas consequências nos próximos actos eleitorais. O Dr. Portas mantém-se discreto e sem assumir qualquer posição explícita relativamente ao conflito, porventura a aguardar que o Dr. Ribeiro e Castro abandone o barco por iniciativa própria ou que os eleitores o penalizem nas urnas. Quanto a mim, não tenho dúvidas em tornar público o meu voto no CDS do Dr. Ribeiro e Castro (sem a "banda"), assumindo, pelo contrário, a ruptura definitiva com o partido caso o Dr. Pires de Lima leve a sua avante.

Impagável

o maradona. Como sempre.
"Compreende que não me deixou hipótese senão a de ficar extremamente ofendido? É que a audiometria é, em essência, o grande estímulo intelectual que encontro no fenómeno bloguístico: a decomposição factorial da vida intelectual de cada ser humano por de trás do respectivo blogue, utilizando apenas a protuberância relativa de cada blogue em relação à vizinhança."
Também eu sofro da mesma ignorância que o maradona, como já aqui havia referido. Pode ser que um dia a Câncio nos ilumine. Aguardemos pacientemente.

A ler

Serviço público II - prémio

Por ter ganho o passatempo que fizemos ali mais abaixo (e só por essa razão!), concedemos a imensa honra à Sara Nobre de escrever um post na nossa "chafarica". Aqui está ele (sem mais comentários!):
"Jantar: 20h30, São Marcos, 5 jovens raparigas....
Assunto: amores de Verão, casamento à vista, nada de filhos por enquanto, recordações do tempo de faculdade, dietas e cortes de cabelo, copos e saídas à noite e, o mais difícil de resolver, a vida profissional!
Foram feitas várias dissertações sobre este assunto... Com Bolonha o panorama do ensino superior fica tão alterado que só lamentamos esta introdução agora, a pós-graduação deixa de ter classificação o que nos remete para o mestrado, MBA ou doutoramento, que por sua vez são caros e nos remetem para casa.
Média do ordenado destas 5 jovens raparigas: 700€.
Falamos dos 400€ que desaparecem na prestação do carro e da casa, da vontade de mudar de emprego, daquela colega que está a trabalhar numa conceituada agência de publicidade e que não fazia nada na Universidade, enfim lamentamo-nos...
Eis então chegado o momento de cada uma opinar as soluções que encontra para este problema comum, e que partilho com os ilustres 15.000 leitores deste blog:
(apesar de ter ficado com a ideia que a audiência deste blog já ultrapassou a fase de escuridão profissional, penso que vale a pena)
1º - É imperativo fazer uma auto-análise comportamental/profissional com regularidade, i.e, de que forma surpreendemos o nosso chefe, de que forma mostramos motivação, qual o nosso nível de iniciativa, não ficar pela esfera do conforto, quando sugiro algo já ter feito pelo menos metade do que sugeri, a motivação mede-se pela forma como falamos do assunto em questão, inovar na medida certa, não ficar somente pela execução, acrescentar VALOR.
2º - Aproveitar as oportunidades para fazer MESMO
3º - Criar DINAMISMO quando procuramos um novo desafio profissional. O envio do CV não é suficiente, é preciso realizar cursos, participar em conferências, conhecer pessoas, apostar na formação, enfim, dar passos...
4º - JOGAR com as nossas competências profissionais, com a nossa experiência e CV
5º - Definir para onde queremos ir, qual a área onde queremos de facto trabalhar, e seguirmos nesse RUMO (vários caminhos podem levar a um mesmo rumo)
6º - Finalmente, e se nada disto resultar, o meu conselho final é: visite todos os dias o blog
www.incontinentesverbais.blogspot.com e pelo menos tens divertimento garantido!
Desculpem o tamanho do post, mas prémio é prémio e como só escrevo aqui uma vez, tenho que aproveitar!
Sara"
Esclarecimento: a Sara vencedora do passatempo não é a mesma que ocasionalmente por aqui passa e cujo nome consta da coluna ali do lado.
BlogBlogs.Com.Br