segunda-feira, fevereiro 27, 2006

Traduções

A tradução correcta de Brokeback Mountain será Montanha do Traseiro Partido?

Por mares nunca antes navegados

Multiculturalismo

MAIS ALTO, MAIS FORTE, MAIOR!

Atlântico

Acabei de passar os olhos pela mais recente Atlântico (link para o blog). Confirma-se que veio para ficar, fundamentalmente pela qualidade dos seus textos. Neste número gostei particularmente:
do texto do José Manuel Fernandes acerca do "caso da Teresa e da Lena"
"(...) mostrou-nos como um grupo de interesses particular se alia de forma eficiente aos valores do jornalismo dominante para impor ao país uma agenda política que ninguém sufragou (...)"
do "Vícios, mulheres e política" de Constança Cunha e Sá
"(...) um blogue é um vício (...) Dou comigo em situações deploráveis, a espreitar sitemeters, a comparar os resultados do dia, desagradavelmente competitiva (...) em vez de estar calmamente a conviver com a família (...)
e do "Elogio de Bento XVI" de Paulo Tunhas
"(...) Pode um ateu, filho de pais ateus e, muito coerentemente, não baptizado, admirar a encíclica Deus caritas est de Bento XVI? (...) Pode perfeitamente (...) Em todo o documento não, nada há que ofenda um ateu ou que ambicione uma indevida jurisdição sobre os seus actos (...)".
Não deixem de comprar. Bom trabalho ppm (espero que não leve a mal as citações que fiz da revista)!

Obscenidades

"Obscenidade
É quase obscena a generalizada (louvem-se algumas excepções) tentativa de "compreensão" e de quase desculpa do horrendo e cobarde crime cometido por 14 jovens, assassinando a pontapé, à pedrada e a golpes de sevícias sexuais um pobre, desabrigado e desamparado travesti no Porto. Até o Ministério Públivo se absteve de os acusar pelo crime de homicídio, como se os autores não tivessem ao menos conciência de que ao abandoná-lo, como o fizeram depois das selvagens agressões, lhe iam causar a morte. Há duas perguntas que ficam no ar: a leniência dos média seria a mesma, se a vítima não fosse um travesti? e também seria a mesma, se os autores não estivessem a cargo de uma instituição da igreja católica?"
Quando julgávamos que o senhor não podia descer mais baixo, eis que nos enganamos e somos presenteados com esta pérola. Será que o autor deste texto não tem vergonha na cara nem tento na escrita!? Será que o título de professor catedrático lhe permite dizer/escrever as maiores barbaridades sem qualquer noção do ridiculo!?
Antes de mais, quanto à comunicação social, penso que a insinuação é injusta e desfasada da realidade. Os media têm dado bastante atenção ao caso, tendo promovido debates e foruns. Se calhar o senhor professor pretendia que os mesmos não se tivessem limitado a noticiar o facto, antes dando (mais) voz ao grupo de energúmenos, a que pelos vistos o senhor professor pertence, que pretende fazer deste caso um facto político, fingindo uma comiseração pela vítima do bárbaro homicídio.
Quanto ao juízo acerca do trabalho do MP, e atento o estatuto do autor do escrito (professor de Direito), penso que devia ter mais juizinho, principalmente porque não está na posse de todos os elementos (ou será que está!?) - lembro que o processo está em segredo de justiça!
Já a insinuação de que a notícia seria diferente se os homicidas não estudassem numa instituição da igreja católica é doentia e demonstrativa de uma patologia grave. Fôssemos os 2 deputados na AR madeirense e, desta feita, seria eu que pediria uma análise às faculdades mentais do professor Vital Moreira.
De facto, a estupidez não tem limites.

Georgios Kyriacos Panayiotou


O Miguel já o tinha anunciado. Mas ali em cima está o seu verdadeiro nome e já agora fiquem com esta fotografia do cantor/homossexual/toxicodependente (nos dias que correm é só virtudes!).

P.S. Gi, e que tal uma musiquinha do senhor no "Peçam que toca"!?

NOJO

O "caso" do Porto está a resvalar e ameaça tornar-se em mais um caso nojento de aproveitamento político por parte do execrável Anacleto e seus muchachos. Para não haver dúvidas, repito que sinto NOJO de todos aqueles que estão a aproveitar esta situação para defender a aprovação de legislação que criminalize a homofobia.
O crime em causa foi um acto de pura maldade e barbaridade por parte de quem o praticou e é revelador da desvaloração da vida humana cada vez maior na nossa sociedade. Podia agora falar das causas que, em meu entender, contribuem para esta situação (como sejam a defesa do aborto e da eutanásia), mas para evitar fazer aproveitamentos de conveniência, deixo essa apreciação para mais tarde.
Não sei se os homicidas espancaram o homem, que veio depois a morrer, pelo facto do mesmo ser homossexual, mas parece-me indiferente as suas motivações. Aliás, se o motivo foi esse ao menos existe um motivo. Cheguei a pensar que o crime tinha sido praticado sem qualquer tipo de "justificação".
Para mim, é igualmente grave que o crime tenha sido perpetrado pelo facto de ele ser homossexual como o seria se se devesse ao facto de se tratar de um sem-abrigo ou de um toxicodependente.
Parece-me óbvio que, qualquer que seja tenha sido o móbil do crime, aquelas pessoas terão que ser severamente punidas por isso.
Tudo o resto não passa de foclore e aproveitamento por parte de quem não tem qualquer tipo de escrúpulos.

Parabéns

O Insurgente faz 1 ano de vida. É daqueles "sítios" que visito todos os dias (várias vezes ao dia). As anunciadas contratações são de peso e prometem boas "postas". PARABÉNS!

George Michael

Bom regresso

sexta-feira, fevereiro 24, 2006

Um carnaval em Veneza

Eu era só mais uma, entre os milhares de turistas em Veneza. Era época de exames. Andávamos todos feitos estudantes aplicados, a correr da "copisteria" para a faculdade, da biblioteca para casa. Mas o que é que não se interrompe para ir ao Carnaval de Veneza?? As festas duravam há vários dias mas já estávamos no último fim de semana. Lembro-me bem do frio que gelava os ossos! Veneza estava maravilhosa. Muito bem adornada. As ruelas pequenas que nunca viram um automóvel, apinhadas de bancas, máscaras, postais, chapéus, doces, tudo! Em cada esquina sentíamos aquela excitação infantil: o que é que se encontrará a seguir? Em cada pontezinha parávamos feitas chinocas de objectiva em punho para registar a foto com o gondoleiro. Paravámos numa igreja aqui e ali (desde que não se pagasse para entrar, claro está) . Descansávamos num banco de um "Campo" qualquer, a ouvir um músico tocar, um teatro, um concerto, uma exposição, qualquer coisa: tudo era actividade naquela cidade!
Chegadas finalmente à Piazza San Marco: a catedral é deslumbrante. A grande custo se faz caminho entre as pessoas mascaradas que seguiam em grupos tipo desfiladeiros, cada um com um disfarce mais elaborado, a competir pelo prémio da maior sofisticação; depois os pombos, os turistas, os carrinhos de bebés, os trezentes mil quiosques até chegar ao "servizio gondole", do outro lado da praça! Daí aprecia-se um vista magnífica do Santuário de Santa Maria della Salute, do outro lado do pequeno porto. Gostava de saber trasmitir a sensação... Não que o carnaval tenha alguma coisa de tão extraordinário assim. Antes pelo contrário: é uma festa pouco interessante. Mas Veneza vive com um empenhamento notável toda esta época. Vale a pena aprender com eles o orgulho pelo que é exclusivamente seu: a tradição.
Os olhos são a única parte do corpo revelada pelas máscaras rigorosíssimas! E esses deixam à nossa imaginação toda a espécie de sentimentos, ideias, cumplicidades, desejos e paixões. Desafiam-nos quando passam por nós e nos fitam silenciosamente, sem chegarmos a perceber se zombam de nós ou se nos suplicam alguma coisa... É simultaneamente deslumbrante e ameaçador.
Mais um desfile aqui, mais um teatro ali, mais uma viagem de tragetto, mais uma igreja acolá, mais uma loja de souvenirs, e foi assim o meu 1º Carnaval em Veneza.




Por esta altura, no ano passado



quinta-feira, fevereiro 23, 2006

Cristãos perseguidos

Já aqui tinha falado deste assunto e agora saíu um relatório que o comprova.
"A violência no mundo contra os cristãos continua a aumentar de dia para dia, constata um relatório anual, ontem apresentado em Paris, pela Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), intitulado «Perseguições anticristãs no mundo». Os dados recolhidos neste relatório referem-se a vários acontecimentos do ano 2005, nos vários continentes, com a premissa de que tudo quanto está reportado “representa apenas a ponta do iceberg”. As perseguições aos cristãos têm-se vindo a manifestar e a desenvolver em formas diversas. Desde os assassinatos a religiosos, sobretudo em países como a Colômbia, Brasil, Quénia, Republica Democrática do Congo ou Índia, até à profanação de lugares sacros que hoje se multiplicam, mesmo no coração da Europa e do Ocidente. Para além destas perseguições que provocam o derramamento de sangue, ou de efeito destrutivo imediato, o relatório da AIS sublinha também aquelas que de forma astuta agridem no quotidiano e com vontade de aniquilamento, a liberdade no professar-se e assumir-se cristão. São formas de discriminação ao nível administrativo, fiscal, jurídico ou social. No Sudão islâmico, um cristão pode confrontar-se com atitudes intimidadoras do género «renega a tua fé e terás este trabalho». Para um missionário, o acto de conseguir um visto de entrada em determinados países pode tornar-se numa árdua tarefa. Mas até mesmo naqueles Estados que, teoricamente, garantem a todos, e segundo a própria Constituição, a liberdade religiosa, os cristãos e os símbolos da fé cristã podem tornar-se em bodes expiatórios de determinados grupos sectários, de um laicismo agressivo, ou outras formas de vilipendio mediático. Exemplos de situações, que podem ir desde os crucifixos retirados na Alemanha, até aos grupos satânicos, que estão em crescimento na França e em outros países europeus, contra as igrejas e cemitérios. O fundamentalismo islâmico, comunismo, fanatismo hindu e budista na Ásia mas também as novas tendências de niilismo nas sociedades mais avançadas representam, segundo este relatório, os quatro grandes pólos de onde provêm as principais ameaças à Igreja. Em 2005 foram mortos 25 religiosos. Todos os anos a AIS responde a cerca de 7 mil pedidos de ajuda de cristãos em perigo em todo o mundo."

Racismo

Será mesmo racismo? Ou trata-se de fanatismo religioso? Estou cada vez mais convencido de que a questão muçulmana (no que respeita ao fundamentalismo) não será resolvida tão cedo. Enquanto os países em que há maioria islamita não abraçarem a democracia e não separarem a Igreja do Estado será impossível travar o terrorismo e o fanatismo de alguns. Com efeito, este fanatismo é aproveitado por quem detém o poder, com objectivos bem precisos e que em nada coincidem com os daqueles que governam.

Rui Tovar, Gabriel Alves, Rui Santos?

Site com fotografias fantásticas


Podem tirá-Lo das salas de aulas, mas daqui não sai!

Monstros

Un indirizzo a Bologna

"Via zamboni, uma tarde escaldante, com poucas alternativas. Um studio muito perto do centro parecia aliciante. É o velho clichè : viver num "studio" em erasmus faz parte do imaginário de muitos... e a sara nao torceu o nariz à ideia portanto o próximo passo foi ligar e andar em direcção a essa Via dei mille, numero 10.
Ecco noi qua! À porta: uma fila de 3 rapaigas (com acompanhante) era o obstáculo entre nós e o habitáculo desejado. Pareceu demasiado. A confiança, depois de repetidas rejeições, era pouca, e não havia uma razão que nos fizesse crer poder ganhar o nosso "lugar ao sol" num apartamento tão central e concorrido. Era impossável. Outra das coisas que (felizmente) se aprende em erasmus é a re-calssificar a palavra impossível. Demos o nosso melhor. Um prédio novo (com elevador), o preço bastante puxado para as circunstâncias, mas o desespero era apesar de tudo o que mais inflaccionava tudo em redor. A limpeza, o local, os pretendentes impunham respeito. À boa portuguesa fizemos o nosso melhor ar, enchemos o olhar de confiança e mistério e subimos, quando a nossa vez chegou. Quarto andar, quatro pisos inteiros até conhecer o dono daquela voz célere e intocável que despachava pretendentes a inquilinos como quem avia torcicolos nas urgências em Santa Maria! Com dinamismo, eficiência e pouca crença em momentos especiais.
A porta do elevador abre-se. É agora. Um sujeito desgrenhado, sujo, com um tom de voz acelerado e superior ao normal, olha-nos com um ar indiferente e repete os pormenores relativos à transacção. Todas as cláusulas, todos os detalhes de construção , parece que o estou a ouvir ainda :" No DAMS, NO BELLE ARTI, NO MATRICOLE..." Aquilo sim era uma rotina, pensámos. E que rigidez! o Studio? que casulo! Um verdadeiro espaço aberto com a kitchnet colada a duas camas que se erguiam do solo e que se atingiam atraves de duas escadas tremelicantes, artesanais, impraticáveis... Um trabalho de manufactura admirável mas em que jamais depositaria confiadamente a minha segurança.
Desilusão (outra vez).
No meio de tudo isto o sujeito insiste em falar inglês gramaticamente quase perfeito mas foneticamente imperceptível. Eu sei que o nosso italiano deixava um pouco a desejar mas se eu fosse escrever a linguagem dele, utilizaria de certeza hieroglifos. No entanto tratava-se de um dialecto trabalhoso para o interlocutor, seguramente, mas transmitido com um segurança e uma rigidez que impunham respeito. Estávamos defronte a um homem de negócios, e disso não havia dúvida. De repente (e nada o faria adivinhar) um sorriso! Com a mesma força e segurança, mas acrescido de cumplicidade. Gostava de nós! Foi o quebrar do gelo mais gratificante de que tenho memória. Fez-me perceber que tudo é domável, e mais do que isso, bastava um sinal para ter aquele cubículo anti-privacidade, pró-fumo-e-odores-culinários-no-quarto só para nós. Era uma hipótese, seria na altura, devo confessar.
Saímos geladas pela visita mas confortadas pelo acolhimento inesperado. Pensámos e repensámos, telefonámos aos nossos para sondar reacções a preços e condições contratuais. Não se mede o desespero, o desamparo, mas era bastante elevado em qualquer das duas. Sem saber, fora naquele momento, inconsciente e desprendidamente que nos tínhamos unido numa experiência longa e inquebrantável, que tínhamos encontrado o nosso caminho neste sítio agreste e implácavel que, enfim, tínhamos junto laços inexistentes de vida na mais desafiadora e incrível experiência que viríamos a ter em algum tempo. "
Texto de
Rita Rendeiro

RMD: Coisas simples que não vale a pena serem entendidas V - resposta

Talvez porque em quase todo o mundo (pelo menos no ocidental) ainda vai existindo alguma liberdade, ainda que seja só para sermos todos um bocado estúpidos. Por esta razão, não vale mesmo a pena matar a cabeça com todas essas dúvidas existenciais!
P.S. Quanto à velocidade dos carros, lembro que o limite não é igual em todos os países e que à partida ninguém sabe onde é que este ou aquele carro vai ser conduzido. Pode ser num autódromo ou em qualquer outro local onde não existam limites de velocidade.

RMD: Coisas simples que não vale a pena serem entendidas IV

Se em todo o mundo já morreram milhões de pessoas à conta de regimes comunistas e trotskistas porque raio permitem a existência de partidos como o BE ou o PC, ou mesmo blogs como este?

RMD: Coisas simples que não vale a pena serem entendidas III

Se em todo o mundo morrem milhares de pessoas com enfartes derivados de uma má alimentação porque raio permitem que a malta continue a comer alarvemente?

RMD: Coisas simples que não vale a pena serem entendidas II

Se em todo o mundo morrem milhões de pessoas devido ao alcool para que raio continuam a produzir bebidas alcoólicas?

RMD: Coisas simples que não vale a pena serem entendidas

Se em todo o Mundo morrem milhões de pessoas devido aos malefícios do tabaco para que raio o tabaco é produzido?

Cartoons - mais reacções violentas!

Liberdade de expressão

O desvalor da Vida humana

Novos Cardeais

Tudo na mesma


Se assim for, confirma-se que ninguém pretende fazer o trabalho sujo no PSD até às próximas eleições legislativas. Não estou a contar, como é óbvio, com Menezes, o qual tem uma agenda muito própria e que tem em vista unicamente os seus interesses pessoais. Quanto a Marques Mendes, começo a pensar que, com alguma preserverança e paciência, aparecerá o seu lugar ao sol.

Força

Acabei de ouvir na RTPN que o médio do Liverpool ontem atingido por Beto na cabeça poderá ter a sua carreira comprometida, uma vez que terá deslocado a retina, o que, a ser verdade, implicará uma perda de visão substancial. Esperemos que não se confirme.

quarta-feira, fevereiro 22, 2006

Se esta coisa das OPA's se pega...

...qualquer dia o Incontinentes Verbais é sujeito a uma OPA hostil por parte dos seus leitores-comentadores. É que estes andam mais incontinentes que alguns incontinentes verbais.

Marriage in Northeast India: Service Required

"The boy remains in the girl's house to prove his competence and patience for a mutually agreed period of time which generally runs from six months to one year. If he complies and is found fit in all respects his parents are asked to fix the date to solemnize marriage.
The custom is called "Jamai Utha."
If the girl's parents refuse to marry off their daughter to the boy, no compensation is paid to him for services rendered. The rationale behind the marriage practice is to assess the boy's capacity to shoulder the responsibility of caring for the girl. The couple is not allowed to mix freely before the marriage, a rule that is sometimes broken."
Até me dava algum jeito, visto que tenho muitas irmãs.

Ataque a uma mesquista xiita

Incontinentes à escuta

Segundo um estudo, se Portugal quisesse registar a sua "imagem de marca" teria que pagar cerca de 30 milhões de contos. No fundo, cada português vale 3 mil contos. Cada Dinamarquês vale, em termos de imagem, 24 mil contos, sendo o mais caro nesta bolsa de valores. A pergunta a fazer é se nestes cálculos a questão dos cartoons foi um factor tido em conta. E, claro se a posição do nosso MNE foi também contabilizada. Aposto que não!

O "fenómeno" religioso

Há muito que não se via a Religião ocupar tão descaradamente o espaço público. Seja por causa das transmissões das cerimónias em Fátima, seja pela obcecação de todos com as manifestações de fé por parte dos islamitas (ditos fundamentalistas, extremistas, terroristas, etc). Uma coisa é certa, no meio de tanta notícia: a "Velha Religião" está de novo a incomodar, o fenómeno religioso volta a dar que falar.
Numa época em que se aclama o laicismo como senhor da liberdade não se percebe que o sentimento religioso volte a desinstalar as pessoas. Mas a verdade é que a antiga depreciação social da "senhora-beata-que-leva-os-filhos-à-missa,-que-reza-o-terço-e-que-se-confessa-dia-sim-dia-não", ou do "jovem-atadinho-e-mal-visto-por-ser-católico", já não vinga! Ter um vivência religiosa coerente e inteira já não é politicamente incorrecto ou socialmente negativo como se pretendeu, em tempos.
Há várias décadas que assitimos ao nascimento de inúmeras seitas e grupos religiosos de todos os géneros e feitios. A religião tinha sido recambiada para a esfera privada das famílias, e agora regressou à praça pública. As pessoas desiludiram-se com os resultados das crises ideólogicas das políticas dos anos 60/70. E procuram algo mais. Exigem algo mais! A Igreja Católica tentou dar resposta a esta viragem da mentalidade, aproveitando o despertar das consciências para o divino. Foi prova disso, toda a acção que se seguiu ao Concílio Vaticano II, e claro, o pontificado do Papa polaco. O mundo islâmico também respondeu a este fenómeno, mas à sua maneira: declarando uma guerra-fria, sem crítérios, arrogante e sem fronteiras ao laicismo e à modernidade.
O fenómenos religioso surge, nos tempos que correm, como um holofote apontado ao mundo inteiro.

Vá lá compreender esta gente!

terça-feira, fevereiro 21, 2006

Mártires

"Bento XVI manifestou esta manhã o se profundo pesar pela onda de violência que recentemente sacudiu o norte da Nigéria, por causa dos protestos contra a publicação das caricaturas de Maomé. Os incidentes provocaram a morte de vários cristãos, incluindo o Pe. Michael Gajere, assassinado no interior da sacristia da igreja de Santa Rita por um grupo de bandidos, que saquearam ainda o local de culto cristão. O Papa lamenta “as trágicas consequências” destes protestos e assegura aos que foram atingidos pela violência “a sua proximidade na oração”. Os incidentes violentos atingiram, sobretudo, as localidades de Maiduguri, Katsina e Bauchi. Bento XVI reza ainda “por todas as pessoas envolvidas na garantia da segurança, encorajando-as no seu esforço de assegurar a paz e promover o governo da lei” (...) Os trágicos acontecimentos da Nigéria engrossam a lista de acções violentas contra cristãos nos últimos dias (...) "
O assunto "cartoons" está a perder fôlego mas os protestos tornam-se cada vez mais violentos. No entanto, a nossa comunicação social e alguns blogs, que tanto tempo dedicaram ao assunto, decidiram esquecer a questão. Logo agora que começam a matança dos cristãos. Mas também o que é isso em comparação com bandeiras queimadas!? Depois venham dizer que a laicidade (ou deverei dizer laicismo!?) do Estado está em risco por causa de uma transmissão televisiva. O que me chateia nisto tudo é que todos aqueles que bradam aos céus contra a Igreja sempre que podem, ficam agora calados em face das atrocidades cometidas contra os cristãos. Gostava de ver a reacção de todos os hipócritas que agora estão calados se a situação fosse a inversa.

GRANDE

Não ata nem desata!

Incontinentes à escuta

Num concurso de televisão:
- Mário Alberto Nobre Lopes Soares foi Presidente da República. Verdadeiro ou falso?
- Falso

Campeões da demagogia


No seguimento da constituição como arguido do Presidente da Câmara no processo do Túnel de Ceuta, apareceu imediatamente o BE a gritar "esfola". Gostava de ter visto tamanha diligência aquando da constituição como arguida da única autarca eleita do BE (cujo processo entretanto findou sem condenação).
Esta rapaziada do BE faz-me lembrar aqueles putos insuportáveis que se sentavam na 1.ª fila a dar graxa aos professores, apontando o dedo ao primeiro que se portasse menos bem. Cá fora, no entanto, desdenhavam dos professores, os quais, diziam, não percebiam nada daquilo. Usavam todos óculos, filosofavam acerca da "Guerra das Estrelas" alegando que todos os outros miúdos não tinham percebido a verdadeira mensagem do filme e odiavam desporto (a verdade é que não odiavam mas eram péssimos desportistas). Havia quem os intitulasse de tótós, mas eu que não sou de intrigas limitava-me a ignorá-los. Mal sabia que viriam a tornar-se perigosos esquerdistas e seguidores do guru Anacleto. Este, quando pequeno, andava de dedo em riste, com voz séria e grave, a explicar ao seu séquito os perigos da democracia e as vantagens de uma ditadura do Povo.

Que parece, parece!

Dias Ferreira: “Liedson não é parvo e soube negociar a renovação na altura certa.”
E tinha que começar o processo na altura do derbie Benfica vs Sporting?

Hoje até estes comemos!

A Vida a votos?

Hão-de desculpar-me a insistência mas tenho andado empenhada na questão da PMA. Sobretudo porque pouco ou nada se ouve sobre ela. Ainda me lembro da telenovela brasileira que se chamava "Barriga de aluguer"... Lembram-se? No fim ficou claro: não é uma solução praticável, os riscos são imensos e a vários níveis.
É claro que a Vida é um dom. Se não fosse, não se explicaria a infertilidade natural. Mas será que estamos dispostos a reconhecer isto? Não consigo imaginar uma civilização em que se pode ir a um "supermercado de filhos", para usar uma expressão do Bastonário da Ordem dos Advogados, bem a propósito. Ou porventura uma cultura em que se oferecem filhos, de presente de Natal àquele casal amigo que queria tanto ter um filho...
Um filho é fruto de uma entrega livre e amorosa entre um homem e uma mulher, um filho precisa desta entrega e deste amor para crescer: a natureza não está errada neste ponto! Ou então todos somos todos um"erro"! Para quê contrariá-la? Nem o direito, nem a ética nem a ciência fazem sentido se não fôr para proteger e promover a Vida, em todas as suas fases e estágios.
Só mais um palpite para ajudar a uma reflexão: a posição da Igreja pode parecer radical ao não aceitar nenhum tipo de Procriação Medicamente Assistida, mas radica numa dicotomia fundamental: uma coisa é o direito à vida (que deve ser protegido) outra coisa - diferente - é o direito a ter um filho. Ora este direito não existe. Será que os deputados na AR se vão lembrar disto? Assusta-me pensar nas consequências de uma eventual protecção desse "direito"...
Amigos: enquanto não há uma lei, cada um é responsável por si, fará o que entender e terá a sua consciência como juiz dos seus actos. Depois de aprovada a lei, vamos ser TODOS responsáveis! Não hesitem em se informar, divulgar, tomar posição, etc.

Rapazes: a ver se deixamos os ingleses com os olhos tortos!

Marie Therese Walter, Pablo Picasso

Peçam que toca!

Uma vez que a rúbrica "Peçam que toca!" é um espaço de liberdade para os nossos leitores e como gostos não se discutem aqui fica o tema Dragostea Din Tei dos O-Zone a pedido do Godfather.
O Godfather certamente conhece a letra da música (em romeno) e o seu significado. Para os demais fica a letra e a respectiva tradução. Uma pérola é o que vos digo!

DRAGOSTEA DIN TEI

Ma-ia-hii
Ma-ia-huu
Ma-ia-hoo
Ma-ia-haa
Alo, Salut, sunt eu, un haiduc,
Si te rog, iubirea mea, primeste fericirea.
Alo, alo, sunt eu Picasso,
Ti-am dat beep, si sunt voinic,
Dar sa stii nu-ti cer nimic.


Vrei sa pleci dar nu ma, nu ma iei,
Nu ma, nu ma iei, nu ma, nu ma, nu ma iei.
Chipul tau si dragostea din tei,
Mi-amintesc de ochii tai.


Vrei sa pleci dar nu ma, nu ma iei,
Nu ma, nu ma iei, nu ma, nu ma, nu ma iei.
Chipul tau si dragostea din tei,
Mi-amintesc de ochii tai.


Te sun, sa-ti spun, ce simt acum,
Alo, iubirea mea, sunt eu, fericirea.
Alo, alo, sunt iarasi eu, Picasso,
Ti-am dat beep, si sunt voinic,
Dar sa stii nu-ti cer nimic.


Vrei sa pleci dar nu ma, nu ma iei,
Nu ma, nu ma iei, nu ma, nu ma, nu ma iei.
Chipul tau si dragostea din tei,
Mi-amintesc de ochii tai.


Vrei sa pleci dar nu ma, nu ma iei,
Nu ma, nu ma iei, nu ma, nu ma, nu ma iei.
Chipul tau si dragostea din tei,
Mi-amintesc de ochii tai.

x4
Ma-ia-hii
Ma-ia-huu
Ma-ia-hoo
Ma-ia-haa


Vrei sa pleci dar nu ma, nu ma iei,
Nu ma, nu ma iei, nu ma, nu ma, nu ma iei.
Chipul tau si dragostea din tei,
Mi-amintesc de ochii tai.


Vrei sa pleci dar nu ma, nu ma iei,
Nu ma, nu ma iei, nu ma, nu ma, nu ma iei.
Chipul tau si dragostea din tei,
Mi-amintesc de ochii tai.

O AMOR SOB A ÁRVORE DAS LIMAS


Ma-ia-hii
Ma-ia-huu
Ma-ia-hoo
Ma-ia-haha
Olá, como vais?, sou eu, um fora-da-lei

Rogo-te, amor meu, que aceites a felicidade
Alô, alô, sou eu, o Picasso (nome próprio)
Dei-te um toque, e sou um duro,
Mas deves saber que de ti não peço nada

Queres partir mas não me queres levar,
não me queres levar,
não me não me queres levar
A imagem da tua face e o amor debaixo da árvore das das limas
Recordam-me os teus olhos

Liguei-te, para te dizer o que sinto agora,
Alô, amor meu, sou eu, a tua felicidade,
Alô, alô, sou eu outra vez, o Picasso,
Dei-te um toque, e sou um duro,
Mas deves saber que de ti não peço nada

Espero que não tenha nada a ver com a OPA hostil sobre a PT financiada pelo Santander!

Mas será que precisam mesmo de uma conta bancária?

Negociações

O mercado de inverno ainda não fechou e a Direcção do blog está a fazer esforços consideráveis para apresentar reforços em breve. A ideia é prevenir futuras "lesões" que possam afastar algum dos actuais "team members" ou que pelo menos obrigue a menos esforços. Em breve contamos poder dar boas notícias aos nossos adeptos.

Hoje é dia do GLORIOSO

China, blogs e liberdade (de expressão)

O mercado agita-se em Espanha

Esclarecimentos

Caro Jacinto,

Foi com grande surpresa que li o seu post em que estranhava que houvesse quem estremecesse de ansiedade com a possibilidade do regresso de Pedro Santana Lopes e Paulo Portas, fazendo um link para o Incontinentes Verbais. Depois de ler a caixa de comentários, cheguei à conclusão que esse seu post seria direccionado à minha pessoa. Se quiser ler com mais atenção o que eu escrevi sobre o assunto, facilmente chegará à conclusão de que o meu estado não era propriamente de ansiedade. Mas enfim, cada um lê o que quer!

segunda-feira, fevereiro 20, 2006

Lembram-se de cada uma...


Um tipo até pode chegar cansado ao fim do dia, com dores de cabeça e sem paciência para nada, mas o que vale é que os patetinhas do costume têm sempre uma ideia idiota que nos faz ganhar o dia e recuperar rapidamente a boa disposição. Agora querem responsabilizar os órgãos de comunicação social e não os jornalistas pela violação do segredo de justiça. Se o partido em causa não fosse de extrema esquerda eu diria que pretendiam criar condições para os jornalistas verem o seu trabalho controlado pela sua entidade patronal, o que seria uma ideia bastante "fascizante". Mas como se trata do partido que é, não me resta concluir senão pela "estupidez" do costume.
P.S. A ideia do BE, como não poderia deixar de ser, foi verbalizada pela Ana Drago. Assim de repente só me ocorre uma ideia ainda mais estúpida: responsabilizar criminalmente os partidos políticos pelos crimes praticados pelos seus militantes!

Diplomacia ou mero bluff?

De manhã a notícia de que Teerão admitia chegar a acordo quanto às centrais nucleares. Agora isto. É a diplomacia a funcionar ou trata-se de mais uma jogada dos iranianos? Inclino-me mais para a segunda hipótese!

Moralizador?

"Hello McFly, anybody home?"

A dúvida é da Ana Drago, deputada do BE. Alguém que tenha a gentileza de explicar à senhora que, apesar do Anacleto lhe ter garantido que a droga era uma coisa "porreira" cujo consumo até merecia ser legalizado, grande parte dos crimes contra o património cometidos hoje em Portugal são da autoria de toxicodependentes. Vá-se lá saber porquê!

Habemus bom senso

O Luís G. do acidental ficou incomodado com a programação televisiva de ontem:

"Habemos corpus
Transladação do corpo de Lúcia, a pastora vidente, em directo na canal 1, 3, 4 e 5! Estado laico? Vão brincar com outro…"

Parece que a azia se estendeu por outras paragens. Convinha que alguém explicasse a estes camaradas que a laicidade de um Estado não se mede pelo facto de uma televisão ter decidido fazer a cobertura da trasladação do corpo da Irmã Lúcia.
Antes de mais, importa referir que as opções dos canais privados só aos mesmos interessa e que em nada contribuem para a qualificação de um estado como laico ou confessional.
Quanto à transmissão pela rtp, convém esclarecer o seguinte:
- Portugal é efectivamente um Estado laico, em que a maioria da população se assume como católica;
- Fátima, goste-se ou não, é um dos símbolos do país, com uma dimensão que estravasa o aspecto religioso;
- O serviço público de televisão é isso mesmo - SERVIÇO PÚBLICO.
Assim sendo, parece-me evidente que a rtp não podia deixar de transmitir o "acontecimento" em causa. Para mais, quando andamos há semanas a discutir o islamismo à conta da história dos cartoons ou quando eu tenho que aturar todo o tempo de antena que dão a personagens como o Anacleto ou o Jerónimo, ambos com bastante menos projecção e "adeptos" que a Irmã Lúcia.

Peçam que toca!

Para satisfazer o nosso maior comentador (quase que exclusivo) fica aqui o tema Someone to Watch over Me de Gershwin.

Bento XVI e os cartoons

Engano

"Lenços brancos, palmas e lágrimas na despedida"

Por momentos ainda pensei que estivessem a falar do Koeman!

Últimas da bola

Má fé ou cegueira?


Já tinha escrito o meu post sobre este assunto quando li esta notícia. Eles de facto não querem perceber. A má fé é muita e insultuosa para todos os trabalhadores. Espero que percebam que, enquanto continuarem a legitimar eleitoralmente estes senhores, tudo continuará na mesma.

Greve aos sindicatos


Era bom que os sindicatos e todos aqueles que clamam contra as alterações às nossas leis laborais tentassem perceber a razão de ser destes números. Invocando a segurança no trabalho e supostos direitos adquiridos pelos trabalhadores, sempre que se tenta alterar a legislação laboral cai o Carmo e a Trindade.
Será que não percebem que é exactamente pelo facto de termos as normas que temos, impeditivas do normal funcionamento do mercado, que são celebrados tantos e tantos contratos a termo?
Será que não percebem que é também por esse facto que não se valoriza o mérito?
As empresas estão hoje "agarradas" a todos aqueles trabalhadores com contratos antigos ou que, por não cumprirem as formalidades legais, se convalidaram em contratos sem termo.
Ainda hoje ouvia na rádio que Portugal cada vez se afasta mais da média europeia de produção de riqueza. O desemprego aumenta. O recurso a mão-de-obra estrangeira ilegal aumenta.
Será que ninguém percebe que a legislação laboral tem de ser reformulada? E tem de ser reformulada de forma a permitir uma verdadeira mobilidade laboral; de forma a premiar quem trabalha muito e bem; de forma a recompensar quem de facto produz.
A nossa legislação mantém ainda muitos dos "tiques" revolucionários de Abril, completamente desajustados da realidade actual. Na última reforma a coragem para alterar o que era necessário alterar faltou e o Governo acabou por se vergar perante os sindicatos.
É preciso desmascarar estes senhores que nada procuram que não seja o seu próprio interesse. Para aqueles que pensem que estou a exagerar basta ver o que se passou recentemente com a AutoEuropa. Felizmente, o bom senso vingou entre os trabalhadores, apesar das pressões de alguns para que o impasse se mantivesse. Tenho uma sugestão: façam greve aos Sindicatos e deixem de pagar as vossas quotas!

Luz ao fundo do túnel?

Aqui ao lado

domingo, fevereiro 19, 2006

Luigi Giussani

"Inclinaste-Te sobre as nossas feridas e curaste-nos, dando-nos um remédio mais forte do que as nossas chagas, uma misericórdia maior do que a nossa culpa. Assim, em virtude do Teu invencível Amor, até o pecado serviu para nos elevar à vida divina."

Prefácio da Liturgia Ambrosiana.




A notícia não vem no Expresso. Nem no Público.
Mas nem por isso peco por falta de actualidade!
Ecoam ainda vivas na minha memória as palavras do Papa João Paulo II, pronunciadas pelo Cardeal J. Ratzinger que presidiu às exéquias :
"Agradeço ao Senhor pelo dom da sua vida, despendida sem reservas na adesão coerente à suia vocação sacerdotal, na esctua constante das necessidade do homem contemporâneo e no serviço corajoso à Igreja. A totalidade da sua acção apostólica poder-se-ia resumir no convite franco e decidido que ele sabia dirigir a todos os que se aproximavam dele, a um encontro pessoal com Cristo, resposta plena e definitiva aos anseios mais profundos do coração humano."
A Catedral de Milão é enorme. E estava cheia. Não faltou nem sequer o presidente do Conselho S. Berlusconi! Eu e um pequeno grupo de amigos vindos de Bolonha, arranjámos, a muito custo, um lugarzinho do lado esquerdo, bem lá à frente. Ainda oiço o "Jesus tibi vivo" que aquela multidão cantou.... O brilho no rosto daqueles jovens não pretendia esconder a dor da separação. Um dia foram tocados pelo testemunho de Giussani. E naquele momento, os seus rostos deixavam bem claro: "Como é bela a vida, e como Deus é Grande!"
D. Giussani foi professor. Falou a muitos jovens. Incluindo a mim.
Dele aprendi que Jesus é companhia verdadeira para a minha vida; que o cristianismo não é um simples moralismo, não é uma questão intelectual irrazoável; não é um pacote de dogmas. Trata-se, antes de mais, de um encontro, de uma relação que me define, por inteiro, como ser humano; um acontecimento que dá sentido a toda a minha realidade e por isso me salva. Giussani ensinou-nos a manter o olhar e os desejos fixos n'O Ideal; a reconhecer o amor inefável de Cristo pela minha vida, no dom de Si mesmo, na Sua misericórdia infinita. Cresci fazendo experiência disto mesmo. E por isso dou Graças a Deus.
É pobre quem canta sem um sentido, quem fala sem um "porquê".
É pequeno quem não ousa amar a sua vida e abraçar TODA a sua realidade.
É enganador pensar que existo para algo menos do que uma relação com o Infinito: toda a nossa vida pede eternidade.
Hoje às 20h na Igreja da Encarnação, no Chiado, D. Manuel Clemente, Bispo Auxiliar de Lisboa, celebra a missa do 1º aniversário da morte do fundador do Movimento Comunhão e Libertação.

sexta-feira, fevereiro 17, 2006

Klu Klux Klan?

Casa devolutas

Estava aqui a pensar que o Estado deve ser o maior proprietário de imóveis em Portugal e que muitos deles estão abandonados, ou seja devolutos. Será que o levantamento que está a ser efectuado pelas Câmaras vai ter em conta esse património? Vai também o Estado ser sujeito a esta regra estúpida? Seja qual for a resposta, vamos sempre dar ao mesmo: somos nós que vamos pagar!
Ainda quanto ao levantamento que está a ser feito, parece-me abusivo uma vez que ainda não foi aprovada legislação nesse sentido.

Um momento lúdico

Caa,

Tente lá escrever esta frase neste site: Ide em paz e que o Senhor vos apanhe!

(pela incontigência de No Fundo No Fundo)

Cisão anglo-saxónica?

Objectivos cumpridos?

Procriação Medicamente Assistida - Referendo

Um movimento cívico lançou uma campanha por um referendo sobre a Procriação Medicamente assistida. Podem ir a este site e imprimir a petição. Depois é recolher o máximo número possível de assinaturas e enviar para a morada indicada até dia 15/03/06. Já não temos muito tempo!

Mais um candidato à remodelação?

Lá vão ter que fazer mais uma revisão constitucional:
"Artigo 64º - Saúde
1. Todos têm direito à protecção da saúde e o dever de a defender e promover.2. O direito à protecção da saúde é realizado:a) Através de um serviço nacional de saúde universal e geral e, tendo em conta as condições económicas e sociais dos cidadãos, tendencialmente gratuito; (...)"
CRP

Guerra dos Mundos


Guernica, Pablo Picasso

Wanted dead or... dead!

Cheney II

Cheney I

Os ricos que paguem a crise

Antes de mais, é de louvar que o Governo penalize aqueles que consomem menos luz e água, principalmente numa altura em que as energias abundam (nota irónica!).
Realço também o facto do Governo socialista estar a tentar, de forma esforçada, alcançar o título de Governo mais conservador e proteccionista desde Abril de 74.
É inacreditável o que se pretende fazer nesta matéria. Não tenho dúvidas de que esta é uma medida que vai agradar ao BE e ao PC, na medida em que irá, em tese, prejudicar os detentores de maior património imobiliário. O que se esquecem é que muitas das casas devolutas nas grandes cidades são propriedade de gente com poucas posses que nem dinheiro têm para fazer obras.
Esta é uma medida demagógica e que tem em vista a nacionalização em massa das casas devolutas. Não nos podemos esquecer que quem não pagar o IMI será objecto de uma execução fiscal e, em última instância, os imóveis serão penhorados pelo Estado para se fazer pagar pela dívida fiscal.

quinta-feira, fevereiro 16, 2006

Ameaça de Bomba na Embaixada da Dinamarca

Acabei de saber que houve uma ameaça de bomba na Embaixada da Dinamarca. Será que devo ficar preocupada uma vez que trabalho no edifício ao lado?!?

Onde é que anda o Eng.º Sócrates?

O choque dos ocidentes

A não perder o artigo de Luciano Amaral hoje no Diário de Notícias (sem link para o artigo).
"Na realidade, nunca haveria "choque de civilizações" se não houvesse este "choque ocidental". E a batalha nem sequer tem que ser travada no remoto Médio Oriente, mas aqui mesmo, dentro de casa. Basta olhar para o nosso infeliz ministro os Negócios Estrangeiros."

Comunicado de imprensa do Opus Dei

"Durante os últimos dias, chegaram-nos muitas perguntas sobre o filme baseado no romance "O Código Da Vinci". Desejamos reiterar o que já dissemos no passado dia 12 de Janeiro: não temos nenhum desejo de entrar em polémicas, não vai haver boicotes ou acções semelhantes. Continuaremos a encarar esta situação com uma atitude de transparência, serenidade e espírito construtivo.
O "Código Da Vinci" apresenta uma imagem deformada da Igreja Católica. A publicidade em volta do livro e do filme são uma boa oportunidade para mostrar a autêntica realidade da Igreja.
Na encíclica "Deus Caritas est" Bento XVI assinalou que a caridade é um traço essencial da Igreja: "é amor o serviço que a Igreja exerce para acorrer constantemente aos sofrimentos e às necessidades, mesmo materiais, dos homens" (n. 19).
Nesse sentido, pode ser um momento adequado para dar a conhecer o trabalho de serviço que, em África, os católicos realizam há muitos séculos; e para apoiar o esforço de numerosas instituições da Igreja nesse continente, que continua a ser uma das grandes emergências no mundo.
Muitas pessoas ficaram sentidas pelo pouco respeito que "O Código Da Vinci" manifesta pelas crenças dos cristãos. Gostaríamos de convidar essas pessoas a manifestar o seu inconformismo de uma forma serena e construtiva: dando a conhecer algum dos projectos de educação ou de cooperação realizados por católicos em África; ou contribuindo para o seu sustento com uma pequena ajuda. Sabemos que uma ajuda desse tipo é apenas um gesto simbólico, mas também tem um significado concreto e positivo.
"Harambee 2006" apresenta quatro projectos promovidos por católicos em África, dois deles por membros do Opus Dei. Mas há muitas outras iniciativas que merecem o apoio de todos, e não é difícil escolher uma.
Informar sobre as actividades de solidariedade dos católicos em África é um modo de conseguir que a discussão pública provocada pelo "Código Da Vinci" não se torne uma polémica estéril. É uma forma de conseguir que o debate deixe um fruto positivo: um melhor conhecimento de um aspecto essencial da Igreja Católica, e uma ajuda concreta a pessoas necessitadas.
Ao mesmo tempo, continuamos a confiar na sensibilidade da Sony-Columbia, na sua capacidade de reacção construtiva.
É fácil perceber que não basta dar ao ofendido uma oportunidade de defesa, e ao mesmo tempo manter a ofensa. Estar à altura das circunstâncias significa evitar a ofensa, quando ainda é possível.
Ainda faltam três meses para a estreia. Portanto, mantemos a esperança de que, na versão final do filme, não haja referências que possam ferir os católicos. Essa decisão seria um gesto conciliador muito apreciado, precisamente nestes momentos em que todos lamentamos as penosas consequências da intolerância.
Sony-Columbia está a tempo de dar um contributo para a concórdia, de grande importância no contexto actual: pode demonstrar que são compatíveis a liberdade de expressão e o respeito pelas crenças; pode confirmar que o respeito é um acto livre que nasce da sensibilidade, não uma consequência da censura ou da ameaça.
Tomando uma decisão conciliadora, Sony-Columbia prestaria um importante serviço para a causa do diálogo entre as culturas, e honraria a respeitável tradição dessas empresas. "

A crise da Europa

A Actual, do sábado passado, publica um trabalho muito interessante sobre o conflito dos cartoons dinamarqueses e a relação do Ocidente com o Islão. À pergunta sobre se a Europa seria um contrapeso à hegemonia dos Estados Unidos, Bernard Lewis responde:
"Não. Próximos dos EUA, os futuros actores globais serão a China, a Índia e possivelmente uma Rússia próspera. Com segurança, ninguém sabe o que vai ser o regime dominante em Moscovo, mas certamente não vai ser o comunista. A Europa vai ser parte do Ocidente arábico. As migrações e a demografia apontam nessa direcção. Os europeus casam-se tarde e Têm poucos filhos, se é que têm algum. Mas permitem uma forte imigração: turcos na Alemanha, àrabes em França, paquistaneses no Reino Unido. Essas pessoas casam-se cedo e têm muitos filhos. De acordo com as tendência actuais, a população europeia vai conter maiorias muçumanas no final do século XXI, o mais tardar. "

World Press Photo VIII

"Colombian photographer Henry Agudelo's picture 'El Colombiano' shows a bullfighter in Medellin, Colombia."

World Press Photo VII

"Donald Miralle, Jr., from the USA took this prize winning image of Aaron Peirsol during the Santa Clara Grand Prix."

World Press Photo VI

"Yannis Kontos, a Greek photographer working for Polaris Images took this picture of a boy helping his father to dress in Sierra Leone."

World Press Photo V

"Danish Red Cross photographer, Jakob Dall, took this picture of a woman praying for her son who was killed in the Kashmir earthquake, Balakot, Pakistan."

World Press Photo IV

"American photographer Todd Heisler's image shows the honouring of fallen US Marines as 2nd Lt. James Cathey's body arrives at Reno Airport."

World Press Photo III

"Getty photographer Uriel Sinai's winning entry shows the evacuation of Jewish settlements in the Gaza strip."

World Press Photo II

"British photographer Edmund Terakopian captured a survivor on the day of the 7 July London bomb attacks. "

World Press Photo I

"Canadian photographer Finbarr O'Reilly is the winner of the World Press Photo of the Year Award. His picture of a child's hand pressed against his mother's at an emergency feeding centre in Niger was described as having "beauty, horror and despair"."

quarta-feira, fevereiro 15, 2006

Já que continuamos numa de cartoons II

Dick Cheney
Daqui

Já que continuamos numa de cartoons I

Isto é que é política externa?! III

O embaixador do Irão prestou as seguintes declarações à Antena 1 : "Para incinerar seis milhões de pessoas seriam precisos 15 anos, por isso há muito que explicar e contar". Esta afirmação vem na linha daquilo que o seu Presidente, Mahmoud Ahmadinejad, disse bem recentemente. O MNE já o convocou para manifestar o protesto do governo Português a estas afirmações, pois ofendem a comunidade judaica em Portugal e no mundo.
O que me espanta é que a diplomacia portuguesa diga que quer continuar a manter com Teerão uma relação de "mútua confiança e colaboração". Como se pode ter confiança num país que diz não reconhecer a existência de Israel, nega o Holocausto e põe como hipótese a possibilidade de abandonar o Tratado de Não-Proliferação?

Central Park



Bom blog

Aconselha-se mais um bom blog, que abriu portas há bem pouco tempo - o amigo do povo. Já é uma leitura diária deste vosso amigo.

Os amigos do nosso MNE


"Sajjad, left, and Abdullah are two of the arrested Pakistanis who reportedly told Afghan interrogators that they had been recruited in Pakistan for a Taliban-directed campaign of suicide bombings in Afghanistan."

Espero que seja só o começo

E o procurador, juiz ou funcionário judicial que lhes terão fornecido os elementos, não são objecto da mesma medida? É óbvio, em meu entender, que não faz sentido isentar os jornalistas de responsabilidades nestes casos em que está em causa o segredo de justiça ou a revelação de factos sujeitos a sigilo; ainda assim, parece-me pouco razoável "matar" o mensageiro e deixar o principal culpado de fora!

Blog recomendado

Seguidos com atenção desde o início (tal como nós recém-chegados à blogosfera), os corta-fitas são já uma certeza neste meio; não só pelas inaugurações constantes mas também pela qualidade das suas obras. Bem-vindos!

A ler (da minha parte com algumas reservas nos dois últimos textos!)

Isto é que é política externa?! II

Hoje a SIC faz notícia de que o embaixador do Irão em Lisboa pensa que os jornais portugueses tiveram uma atitude positiva em relação à polémica dos Cartoons, uma vez que se limitaram a relatar os acontecimentos. Mas numa carta ao Expresso da Secção da Imprensa da Embaixada da República Islâmica do Irão parece que entra em contradição. Vejamos:
"... encontramos um artigo sobre os acontecimentos nos países islâmicos, e para a nossa surpresa o seu jornal não teve nenhum cuidado e publicou as caricaturas insultuosas sobre o nosso Profeta. Apesar de toda a sensibilidade dos povos muçulmanos sobre este assunto, a publicação destas caricaturas pelo seu jornal não só é a demonstração da sua vontade de provocar os muçulmanos residentes em Portugal e os milhões de muçulmanos no mundo, mas também a criação de um grande choque cultural entre o Islão e o Ocidente. (...) Não podemos, em nome da liberdade, insultar a religião e a fé dos outros.
(..) a vitória de Hama nas eleições parlamentares na Palestinaprovocou tal surpresa que o Sionismo Internacional faz tudo para provocar um confronto radical entre o Islão e o cristianismo." De salientar que Cristianismo está com letra minúscula.
"Nós, como representes de um país islâmico, esperamos que a sensibilidade dos muçulmanos do mundo seja respeitada e que o seu jornal peça desculpas formais a todos os seus muçulmanos."

Isto é que é política externa?!

Mil diabos!

Aquela equipa médica do glorioso é um desastre, agora é a vez do Koeman.

Este caso está a ficar cada vez mais estranho

Eu não sou muito dado a teorias da conspiração, mas este caso está a ficar cada vez mais intrigante!

Não sei o que diga

PARABÉNS LEONOR

terça-feira, fevereiro 14, 2006

S. Valentim













New York— Four planes make a "flying heart" over the city, 1970.

Coisas que interessam

Ahh e tal, espera mais um ano para acabar o curso!

Por cada ano de estudo, o português médio recebe mais 6% de rendimento.

Sweetest Thing

Porque hoje é o dia de S. Valentim fiquem com o tema Sweetest Thing dos U2 ao vivo.

My love she throws me like a rubber ball
Oh oh oh, the sweetest thing
She won't catch me or break my fall
Oh oh oh, the sweetest thing
Baby's got blue skies up ahead
But in this I'm a rain cloud
You know she wants dry kind of love
Oh oh oh, the sweetest thing

I'm losing you
I'm losing you
Ain't love the sweetest thing

I wanted to run but she made me crawl
Oh oh oh, the sweetest thing
Eternal fire, she turned me to straw
Oh oh, the sweetest thing
I know I got black eyes
But they burn so brightly for her
I guess its a blind kind of love
Oh oh oh, the sweetest thing

I'm losing you
Whoa oh oh, I'm losing you yeah
Ain't love the sweetest thing
Aint love the sweetest thing

Blue-eyed boy meets a brown-eyed girl
Oh oh oh, the sweetest thing
You can sew it up but you still see the tear
Oh oh oh, the sweetest thing
Baby's got blue skies up ahead
But in this I'm a rain cloud
Ours is a stormy kind of love
Do do do do ....etc
the sweetest thingOh, the sweetest thing

Kit mãos livres

"Limites da liberdade de expressão"

Esta senhora há muito que passou do prazo de validade. Entre outras pérolas, diz o seguinte:
"Trata-se, sim, de demarcar a Europa de mensagens de incitamento conflitual que tomem todos os membros individuais de um grupo - seja ele étnico, religioso, nacional, etc - por gente perigosa, pelo simples facto de pertencerem a esse grupo. Goze-se com Jesus, Moisés, Maomé, se se quiser e faltar o bom senso. A liberdade de expressão permite-o. Mas quando programas na televisão sobre Jesus ou o Papa insinuarem que todos os católicos são pedófilos; mal um texto sobre Moisés for aproveitado para negar o holocausto; mal um cartoon sobre Maomé servir para apresentar o Islão como árabe e todos os árabes e muçulmanos como terroristas - chegámos aos limites da liberdade de expressão. Cabe então às forças políticas progressistas (não conto muito com a Direita para estas coisas irrelevantes da 'diversidade'), e às instituições da União, antes de mais, distanciar-se." (o sublinhado é meu).
É curioso que venha agora defender os católicos quando nunca, mesmo perante situações bem mais insultuosas que esta dos cartoons, a ouvi dizer ou escrever uma palavra sobre o assunto. Também é de assinalar o facto de não contar com a direita para as coisas irrelevantes da diversidade. Em primeiro lugar, porque duvido que alguém da direita gostasse de ser "contado" pela Dra. Ana Gomes fosse para o que fosse; depois, porque duvido que alguém de direita (democrática) esteja interessado em associar-se às "forças políticas progressistas" (não sei o que seja, mas suspeito que a Dra. Ana Gomes entenda como progressista todo aquele que defenda o aborto, o casamento entre homossexuais, a adopção por homossexuais, a eutanásia, legalização das drogas, etc. e tal) no sentido de proclamar os "limites da liberdade de expressão". Era só o que mais faltava. Ela que se preocupe em arranjar na esquerda quem a acompanhe, pois desconfio que mesmo aí vai ter muitas dificuldades em arranjar parceiros!

Está resolvido o problema do deficit

Já por outro lado...

Um bom começo

Eu sei

"Se eu beber dessa luz que apaga a noite em mim,
Se um dia eu disser que já não quero estar aqui...
Só Deus sabe o que será
Só Deus sabe o que virá
Não há outro que conhece tudo o que acontece em mim."

Ofensa grave


Considero este cartoon e estas manifestações como uma ofensa grave e intolerável contra os valores ocidentais e contra as nossas crenças mais profundas. Exijo, por essa razão, uma posição firme do nosso ministro dos negócios estrangeiros em face da mesma, com o consequente corte de relações comerciais contra a India e todos os países que a apoiem. Exijo igualmente que o deputado Vitalino Canas faça uma declaração da AR em que condene veementemente este ataque suez da India.

segunda-feira, fevereiro 13, 2006

Amo, amas, amare

Amanhã é dia dos namorados...
O meu contributo aos que o comemoram:
O Amor é a única coisa que move verdadeiramente o Homem.
O Amor não é cego: faz-nos ver como no "mais puro dos espelhos"; Amar é a única coisa que nos resta quando já não temos forças, quando nos falta a coragem para recomeçar, quando fracassamos, quando nos desiludimos. No Amor - qual esquecimento constante de nós mesmos - encontramos a nossa verdadeira satisfação, e descobrimos: fomos feitos para o Amor! Ou não tivéssemos sido criados à "imagem e semelhança" d'Aquele que é Amor...
Amando, alcançamos a nossa perfeição. Que inclui a capacidade e responsabilidade correspondentes. Não que saibamos amar "na perfeição". Mas no Amor aproximamo-nos gradual e inevitavelmente da essência intíma de que somos feitos, da nossa original e fundamental vocação.
No amor não há binómios de certo ou errado. Há entregas. E pronto. E é na fidelidade a estas que se fazem (e cumprem) as promessas.
Não se encontra maior felicidade do que aquela que brota do Amor. Mais precisamente, da resposta de cada um ao Amor. O Amor alimenta-se de sacrifícios; não impõe mas implica um desprendimento, uma dádiva de si mesmo, uma partilha de riscos e temores; o Amor carrega sobre os ombros o Perdão. Este é o seu trunfo, a sua maior arma. E é só por causa disso que permite a Comunhão.

O regresso anunciado

Paulo Portas iniciou hoje o regresso à política, com a visita do grupo parlamentar do CDS-PP aos estaleiros de Viana de Castelo. Prevejo tempos difíceis para Ribeiro e Castro.

Choque de ignorâncias

Hoje ouvi o Professor Dias Farinha, na Reitoria, falar sobre o Mundo Árabe e o Mundo Islâmico. Algumas considerações deram não só muito que falar mas também que pensar, dada a importância e actualidade da matéria. A so-called "doutrina muçulmana" passa - todos sabemos - pela política: acredita-se que o poder político-legislativo pertence só a Deus e está definitiva e completamente codificado no Corão; que o poder judicial pertence a quem estuda o Corão, só esses têm legitimidade para aplicar a "lei"; e que o poder executivo deve ser exercido por um chefe carismático. Isto pode chocar a nossa amiga separação entre a Religião e o Estado, mas para além disso não traria grandes ameaças globais, se não fosse a violência, originada com a organização da Suna (90% dos muçulmanos!)
Afinal não é só uma questão de ideologias.
Se alguma coisa me tocou naquele festim em Évora este fim de semana foi a expressão "choque de ignorâncias", usada para definir a situação que vivemos. Se é certo que os povos tendem para a definição de uma identidade própria, marcando diferenças, com vista à construção de nacionalismos, certo é, também, que só no conhecimento mútuo se encontram os denominadores comuns que permitem a coexistência pacifica de culturas, religiões, ideologias, etc. É neste sentido que a expressão me toca: de facto o que foi o drama dos cartoons se não uma ignorância do significado daquele acto para a população islâmica? O que foi a polémica das cruzes e demais símbolos religiosos (não só em Portugal, também em França, por exemplo) senão mais uma prova desse mesmo choque global?
No fundamentalismo islâmico também há essa ignorância: ignoram, desde logo as vantagens da democracia, por exemplo. São estas ignorâncias que chocam, e deste choque não tem saído bom resultado!
Quanto a mim, vou tentando não ceder a esta febre de "ignorância".

Silvio Berlusconi em grande!

"Eu sou o Jesus Cristo da política, uma vítima, paciente, eu dou a minha cara por tudo sacifico-me por toda a gente."

Insinuoso

O Dr. Medeiros Ferreira, no uso da sua liberdade de expressão, decidiu escrever isto:
Para além de insinuoso (e falso!?) - "Entrará na livre circulação de capitais entre Fátima e Roma?" - demonstra uma preocupação cada vez maior de não católicos por assuntos da Igreja. Era bom que se ficassem pela política!

Demagogia pura

O Nuno Ramos de Almeida fez este post no Aspirina e lá veio a esquerdalha radical e demagógica (que têm andado semi-escondida à conta da polémica das caricaturas) clamar "bravo" e "bem visto".
Antes de mais, importa dizer sem complexos que o que aconteceu com aquela meia dúzia de soldados britânicos no Iraque, a ser efectivamente verdade, é vergonhoso. Os responsáveis de tais actos devem ser punidos, sem qualquer tipo de contemplações.
No entanto, quase mais vergonhoso que a prática de tais actos é fazer o que o autor do post faz tentando pôr em causa todo o ocidente e as manifestações em favor da liberdade de expressão que têm ocorrido.
Desde logo, porque se trata de meia dúzia de soldados ingleses, os quais não representam o ocidente. E não se diga que os muçulmanos que têm protestado violentamente também não representam o islamismo. Com efeito, gostava de saber quais os chefes de estado muçulmanos que se declararam contra os protestos e quais as medidas que tomaram para pôr fim aos mesmos. Acresce que, os protestos têm ocorrido em diversos países islâmicos, beneficiando da complacência dos respectivos governantes, ao passo que no caso das agressões aos jovens iraquianos está representado um único país que, como é óbvio, não representa o ocidente.
A grande diferença entre os 2 casos está em que a ocidente os autores das agressões serão julgados e condenados, enquanto que a oriente os protestantes serão louvados por aquilo que fizeram.
Esta é a diferença que o Nuno Ramos de Almeida e todos os que pensam como ele não entendem e nunca vão entender, pois fazem parte daquele grupo de gente com tal superioridade mental, que até são capazes de dizer coisas como estas:
Jerónimo Sousa no Publico de hoje
Adenda: Inglaterra está representada por aqueles soldados unicamente pelo factos dos mesmos serem ingleses. Faço notar que a reacção dos respectivos governantes foi clara e inequívoca na condenação de tais actos.
BlogBlogs.Com.Br