sexta-feira, junho 30, 2006

Lamentos

Ainda me faz alguma confusão ver alguém lamentar, ainda que de forma indirecta, a saída de Freitas do Amaral (antigo líder centrista) do Governo, argumentando que quem o vai subsituir - um socialista! - sustenta "política mais de direita dentro do PS"!

Daniel, para variar

Ao escrever isto, não posso deixar de concluir que o Daniel Oliveira, que deve morar ali para os lados do bairro da Boavista, conheça a fundo os problemas dos imigrantes e quais os problemas sociais que podem surgir da integração dos mesmos. O Daniel Oliveira não passa de irresponsável e demagogo. Não sabe ou finge desconhecer situações como esta. O Daniel sabe que para passar a sua mensagem basta pegar estrategicamente em frases e expressões descontextualizadas, como aliás fez de forma habilidosa há dias com a reportagem australiana acerca de Alkatiri e que o AAA desmontou com facilidade. O Daniel pertence a uma corja de populistas, muito mais perigosos que os idiotas dos Le Pen que por aí andam. Cuidado com ele.

Adenda ao último post

Alguns comentadores e bloggers já vieram a terreiro comentar a saída de Freitas, falando do cansaço e fazendo o balanço, no caso negativo, do seu trabalho. Ao que parece Freitas sai por motivos de saúde e não por motivos políticos. Se bem que, quando soube, ainda desconfiei dos motivos invocados, parece-me que se as razões fossem outras Sócrates teria remodelado mais 2 ou 3 ministros (ex: Manuel Pinho). Com efeito, estamos em período favorável, em vésperas de férias, com o país distraído a ver a bola ou a teorizar acerca de Timor, para uma remodelação necessária, quase essencial. Não foi isso aconteceu. Das duas uma, Freitas está mesmo doente e a sua saída é inevitável, ou então tudo isto não passa de uma desculpa esfarrapada para que ele saia sem grandes críticas e/ou discussão, caso em que o adjectivo para qualificar a atitude governativa seria só um: nojento. Inclino-me para a primeira solução. Por isso aqui fica o desejo sincero das melhoras de Freitas do Amaral.

Remodelação

Hoje joga a Argentina

Contradição insanável

Ser pela Vida e ao mesmo proclamar a abstenção é algo de (profundamente) contraditório. Quanto ao facto de ser um assunto das mulheres, permita-me discordar. Os filhos que muitas grávidas carregam foram gerados (necessariamente) por um homem e por uma mulher. Desresponsabilizar os homens, pretendendo imputar a escolha unicamente às mulheres é manifestamente injusto e inaceitável. Mas deixemos a artilharia pesada para daqui a pouco. Para já, disfrutemos o Mundial.

Autoridades preocupadas com adeptos ingleses

Mundial

Não concordo com a opinião do Pedro Lomba nesta matéria. Com efeito, e no que respeita a Portugal, com excepção do Porto que ganhou entretanto 1 liga dos campeões , a verdade é que tivemos algum peso no futebol e nas suas estruturas até meados/finais da década de 80. Até então, o Benfica ganhou 2 taças dos campeões europeus, o Sporting 1 taça das taças e o Porto 1 taça dos campeões. Em termos de selecção, nunca tivemos grandes resultados, tendo disputado 4 mundias (se não me engano). Não falo do México e da Coreia por razões óbvias, pelo que, até hoje, o nosso melhor resultado ainda é o obtido em 1966.
Quanto aos "outros", verificamos pela história do Mundial que o país com mais títulos é o Brasil. Já relativamente aos americanos, verifica-se um fenómeno interessante; com efeito, o soccer é o desporto mais popular entre os mais novos, com mais praticantes, ainda que se constate a indiferença da comunicação social e dos patrocinadores.
Para terminar, resta-me dizer que a mundialização do futebol acompanha a globalização económica, pelo que, se deixarem o mercado funcionar, a médio prazo assistiremos a uma perda da influência e poderio europeus e ao crescimento do fenómeno futebolístico nos mercados asiáticos e americano.

Facilitismos (ler texto completo)

quinta-feira, junho 29, 2006

Última hora

Ao contrário do jornalista que vê na decisão do Supremo Tribunal norte-americano uma pesada derrota para Bush, quer parecer-me que esta decisão poderá ainda trazer alguns dividendos políticos ao presidente. Desde logo, Bush já antevia a decisão quando há umas semanas admitiu o encerramento de Guantanamo. Acresce que, Bush poderá agora pedir um maior envolvimento de todos aqueles que exigiam o fecho da prisão, nomeadamente a ONU, os quais dificilmente poderão recusar tal ajuda.
Esta decisão constitui também, por estranho que pareça, um duro revés para todos os críticos de Bush, nomeadamente aqueles que, como escrevia Luciano Amaral no DN, habitualmente se manifestam de lenço palestiniano na cabeça ou com a famosa t-shirt com a cara desse grande democrata Che Guevara, acusando Bush de ser ditador e pouco democrático. Com efeito, a verdade é que os EUA, esse grande papão, tem instituições que funcionam. E funcionam de tal forma que a decisão do presidente pode ser posta em causa por um poder imparcial e independente como é o do Supremo Tribunal.

Para repetir sábado

"As relações anglo-portuguesas...

... caíram a pique para níveis nunca vistos desde as rivalidades coloniais do século passado"

Do que eles se foram lembrar! Agora é que está tudo estragado.

2 em 1

Na mesma semana em que a esquerda parlamentar decidiu impedir a discussão acerca da proposta para um referendo por iniciativa popular, que reuniu cerca de 80.000 assinaturas (nunca antes visto!), ficamos a saber que o referendo que visa aprovar a descriminalização do aborto, seja em que condições for, até... não se sabe muito bem quantas semanas, irá ser realizado em Janeiro de 2007. Não deixa de ser curioso que numa altura em que se fala da quase ausência de participação cívica e política por parte dos portugueses, os políticos deitem por terra uma importante iniciativa política de alguns (muitos) cidadãos. A(lguma) esquerda apelida-os de fundamentalistas, velhos do Restelo... por pretenderem perceber melhor quais os contornos da nova lei acerca da PMA. Embora ninguém me dê grande crédito, sendo muito poucos (mas bons) os que leiem este blogue, tenho para mim que poderiam aproveitar a data do referendo ao aborto para referendarem as questões relativas à PMA.

Propaganda

É isto. No caso, populista e perigosa. Tento ver as diferenças entre o Daniel Oliveira e o Ministro da Informação iraquiano que, horas antes da entrada das forças da coligação em Bagdad, continuava a insistir que o Iraque estava a ganhar a guerra. O Daniel é mais refinado e tem mais alguns dedos de testa. Na substância, porém, não há diferenças.

Revista Atlântico

A Atlântico já saíu. Para grande surpresa minha, entre os artigos de alguns "galácticos"(*) da blogosfera aparece uma citação deste vosso amigo. Imerecida, como é óbvio, atenta a qualidade de tantos e tantos bloggers que por aí andam. Quanto à "subida ligeira" - 33%! - do preço de capa de 3 para 4 euros, tenho a certeza que nada tem a ver com a participação indirecta e involuntária (ainda que honrada) deste incontinente. Temos a certeza que o PPM fará deste projecto uma grande certeza. A direita agradece e alguma esquerda rói-se de inveja.
(*) ADOLFO MESQUITA NUNES, ALAÍDE COSTA, ALEXANDRE BORGES, ALEXANDRE SOARES SILVA, ANDRÉ AZEVEDO ALVES, ANTÓNIO PIRES DE LIMA, BERNARDO PIRES DE LIMA, BRUNO ALVES, BRUNO CARDOSO REIS, CARLA HILÁRIO QUEVEDO, CONSTANÇA CUNHA E SÁ, CONSTANTINO XAVIER, DAVID LOURENÇO MESTRE, FÁTIMA VIEIRA, FERNANDO SOBRAL, FRANCISCO MENDES DA SILVA, FRANCISCO TRIGO DE ABREU, HENRIQUE BURNAY, HENRIQUE RAPOSO, INÊS TEOTÓNIO PEREIRA, JOÃO MARQUES DE ALMEIDA, JOÃO MIRANDA, JOÃO PEREIRA COUTINHO, JOAQUIM LUIZ GOMES, JORGE MADEIRA (AKA maradona), JOSÉ AVILLEZ, LUCIANO AMARAL, MANUEL FALCÃO, M. FÁTIMA BONIFÁCIO, MARGARIDA BON DE SOUSA, MARIA FILOMENA MÓNICA, NUNO AMARAL JERÓNIMO, NUNO COSTA SANTOS, NUNO GAROUPA, NUNO SENA, PAULO TUNHAS, PEDRO LOMBA, PEDRO MARQUES LOPES, PEDRO PICOITO, RENATO LESSA, RITA BARATA SILVÉRIO, RICARDO GROSS, RODRIGO MOITA DE DEUS, RUI RAMOS, SÉRGIO COIMBRA, SUSANA NUNES, TIAGO CAVACO, TIAGO GERALDO, VASCO RATO E VÍTOR CUNHA.

Em bom português nos entendemos

O Ministro Manuel Pinho falava ontem "das muitas reuniões que houveram" com responsáveis da General Motors para evitar o fecho da fábrica da Azambuja. O Ministro disse também, muito acertadamente, que a função do Governo não é fabricar carros e que fez o que podia. Não posso deixar de concluir que a função do Governo pode não ser a de fabricar carros, mas pelo português utilizado pelo Senhor Ministro até parecia o contrário.

O Imperador

quarta-feira, junho 28, 2006

Eyes wide shut

Boa publicidade. Não sei se já repararam, mas andam por aí uns cartazes a fazer publicidade aos atletas deficientes de alta competição, nomeadamente invisuais, com os seguintes dizeres (ou coisa parecida):
Até lhes ganhamos com os olhos fechados

Alvo a abater

Diz-se à boca cheia que Portugal (no Mundial) é um alvo a abater. Com efeito, as receitas geradas pelas transmissões televisivas, publicidade e pelos próprios adeptos são substancialmente inferiores no que respeita a Portugal e aos portugueses. Já aquando do Portugal / Holanda houve quem tivesse dito que responsáveis holandeses tinham reunido com o árbitro antes do jogo. Não sei se é verdade, mas a atentar pelo discurso do árbitro no que respeita à nossa história de "jogo sujo" é muito suspeito. Recorde-se que Portugal não tinha tido cartões vermelhos desde o Mundial 2002 (informação não confirmada). Até Parreira já veio dizer que somos "brigões", talvez a antecipar uma meia final Brasil / Portugal.
Seja como for, Portugal é claramente um outsider, não pela qualidade do jogo e da equipa, mas sim pelo (pouco) dinheiro que (indirectamente) movimenta.
É evidente que hoje em dia já não é possível mudar o local do jogo a poucos dias da sua data (à semelhança do que fizeram os ingleses no Mundial de 66 quando, a poucos dias da meia-final, mudaram o local do jogo de Liverpool para Wembley), mas susbsistem ainda outras formas de alterar a verdade desportiva.
Apesar de todo o meu pessimismo, tenho ainda a esperança de que os jogadores portugueses consigam vencer de forma inequívoca os ingleses. Que o Tiago se transcenda, atenuando a ausência do Deco, e que os demais mantenham a garra dos outros jogos é o que eu desejo.

Desordem pública

Tenho para mim, que a questão timorense, mais do que tudo, se trata de um problema de (des)ordem pública. Com efeito, apesar de todas as teorias, umas mais conspirativas que outras, Timor tem um sistema policial e judicial que não funciona. Se Timor quiser efectivamente existir enquanto Estado (independente), terá de aprender a resolver as dissonâncias políticas no Parlamento, não caindo na tentação de levar o combate político para as ruas.
Quanto aos confrontos de rua, que esta noite voltaram a existir (mesmo após o anúncio da demissão de Alkatiri!), têm de ser resolvidos com mão de ferro pelas autoridades, à semelhança dos desacatos das útlimas semanas, devendo os autores de tais actos ser levados à justiça. Caso contrário, o precedente que se abriu rapidamente tornar-se-á numa realidade frequente, bem sabendo os opositores do poder instituído que bastará matar meia dúzia de pessoas e incendiar algumas dezenas de casas para que haja alternância no poder.
O que me impressiona é que pessoas como a Dra. Ana Gomes, alegadamente especialista em "assuntos timorenses" (seja lá o que isso for!), venha em público papaguear a demissão de Alkatiri como se fosse a coisa mais normal deste mundo. Convém lembrar esta e outras personagens que este problema é muito mais que um caso prático de uma qualquer cadeira de Relações Internacionais. Haja decoro.

Sendo assim, fico muito mais descansado

segunda-feira, junho 26, 2006

Diferenças

"Democracy extends the sphere of individual freedom, socialism restricts it.
Democracy attaches all possible value to each man; socialism makes each man a mere agent, a mere number.
Democracy and socialism have nothing in common but one word: equality.
But notice the difference: while domocracy seeks equality in liberty, socialism seeks equality in restraint and servitude."

Alexis de Tocqueville

A tradição ainda é o que era

Figo, ontem em directo após o jogo com a Holanda, em resposta a uma pergunta de um jornalista acerca do futuro da selecção no Mundial: "A partir de agora podemos perder ou ganhar". Nota: deixem os rapazes jogar à bola e não lhes façam perguntas dificeis.

Post machista: Há homens que mais parecem mulheres a falar de futebol

Porque raio gostam tanto algumas aves raras de falar de futebol, quando visivelmente não percebem nada de bola, tentando importar para o desporto-rei conceitos que lhe não podem ser aplicáveis?
Por outro lado, temos outros que até parecem ter algumas noções futebolísticas (estilo: a bola é redonda, cada equipa joga com 11 jogadores, etc.), mas cuja febre clubística os impede de ver o óbvio, caindo em disparates inqualificáveis como estes:
- "Costinha a fazer faltas típicas de quem não tem qualquer ritmo de jogo"
- "Miguel submergido no seu papel de ponta-direita e a esquecer-se de que é suposto ser defesa"
O CAA não deve ter visto o mesmo jogo que eu. Ainda assim, a forma como acaba o post traz ainda algumas esperanças quanto à sua cura:
"Scolari tem tanto de estupidamente obstinado como de técnico bafejado por uma sorte indizível. O que também é uma virtude no futebol e na vida...". Haja esperança.

Imperdível (como é hábito)

"Depois da vírgula seguida de cueca do Rooney contra o Equador, da Costa do Marfim, só os 90 minutos de Miguel de ontem para me produzirem lágrimas nos olhos. E assim se empilha a história." (Maradona)

O jogo

Ontem vi o jogo de Portugal, coisa que não pude fazer no ultimo sabado porque estive num casamento (pois é Rui... o teu castigo teve precedentes!)
Fico sempre emocionada de ver os portugueses a jogar e claro, fiquei contente pela vitória. Mas algo me faz ter pena... reparei que quando ganhamos tudo corre bem e quando perdemos somos um desastre.
A selecção até pode estar de parabens, mas ontem alguns jogadores tiveram atitudes estúpidas, que me pareceram arriscadas e não se justificam. Podiam facilmente ter estragado tudo.
A 2.ª parte do jogo foi um desafio ao meu sistema nervoso! Podíamos ter marcado outro golo, não era preciso abdicar do ataque. Aliás tínhamos equipa para eles, mesmo com um jogador a menos. Foi o massacre que se viu. Os holandeses têm uma pinta arrogante e por vezes violenta. Mas isso não chegou para desculpar algumas coisas dos nossos: aposto que se tivéssemos perdido acabava tudo à molhada com o árbitro. Tive alguma vergonha.
Cá p'ra mim foi Nossa Senhora de Fátima que desviou a bola dos holandeses...
Venham os ingleses. E para o Rui, bom casório!
Permaneça a sorte. E, pelo sim pelo não, também a mão de Nossa Senhora(mesmo que Scolari não ensine os jogadores a "dar a outra face"...)

Elogio da concorrência

"A Autoridade da Concorrência iniciou uma Investigação Aprofundada sobre a concentração Sonae/PT. A decisão era esperada dada a complexidade da operação que envolve 40 mercados relevantes. Decorrem negociações entre a Sonae e a AdC, com acompanhamento do Governo, que vão determinar o resultado final da operação."
Comissão Europeia e Autoridade da Concorrência convencem-nos a chegar a uma conclusão: "a regulação (mesmo com desculpa de ”proteger” os consumidores) é geralmente menos eficaz do que o funcionamento concorrencial do mercado. "
"A concorrência dá mais liberdade ao indivíduo, aliás conta com essa liberdade ”egoística” para aumentar a eficiência económica. Um dos problemas competitivos da economia nacional tem sido o défice de concorrência em alguns sectores (v.g., energia, água, educação, saúde) onde os consumidores não têm possibilidade de escolha, o que se reflecte na qualidade dos serviços."
Já basta o grau de "escravidão" inevitável: a cumplicidade quase instintiva que temos com os bens/os preços, e a exigência constante de serviços e benefícios...
A aposta é de uma co-acção benéfica colectiva: liberdade individual + eficiência económica.
"Uma solução estruturalmente concorrencial é sempre melhor do que um mercado fortemente regulado."
Sobre a OPA Sonae/Pt, anunciada e estudada nos últimos meses, começo a convencer-me de que "se é verdade que concorrência e regulação são complementares, a 'mão invisível' do mercado é mais eficaz do que o 'braço' do regulador económico."
Veremos como se convence a AdC sobre esta OPA. A nossa é uma geração comunicativa por excelência: a definição das estruturas e condições deste mercado é, por isso mesmo, tão imprescindível quanto decisiva.
Citações de Paulo Marcelo in "A mão invisível da concorrência" no DE

Portugal / Holanda em imagens

Pura estratégia... ou talvez não

O jogo de ontem foi memorável e, apesar do que dizem alguns intelectuais acerca dos malefícios da bola, a verdade é que o sucesso que temos tido nos faz bem, muito bem aliás.
Adiante, fui criticado por muitos pelo meu pessimismo da semana passada, quando vaticinei a derrota da selecção portuguesa. Esclareço aqui que não passou de estratégia. Como alguns saberão este blogue é visitado diariamente por centenas de holandeses. Acresce que, na quinta-feira, fui advertido por um "amigo" que o adjunto de Van Basten (não acham que o rapaz anda um bocado afeminado com aquelas camisas ridiculas!?) andava a ler o blogue na esperança de eu revelar algum segredo de mon ami Scolari. Assim, e em conjugação com o Felipão, lancei aquele post pessimista, dando a entender que Portugal não estaria muito confiante na vitória...
Bem, deixemo-nos de tretas sem piadinha nenhuma, quem me conhece sabe que sou um pessimista incurável e no sábado vou ter a minha paga. Às 16:00 (de sábado) tenho um casamento na Figueira da Foz! Vá, agora digam lá que não é castigo suficiente! Por mim, já chega de pessimismos; no sábado, enquanto eu estiver engravatado a suar as "estopinhas", enfiado dentro de uma igreja, de telemóvel na mão à espera de anúncios de golos lusos, Portugal irá, mais uma vez, ensinar os inventores da bola a metê-la lá dentro (da baliza, óbvio!). Estamos conversados.

sexta-feira, junho 23, 2006

Regresso ao trabalho

Na segunda-feira, com muita pena minha, e após a derrota com a Holanda, suspeito que o mundial arrefeça e muito por estas bandas. O Governo terá de voltar a fingir que governa e a oposição a fingir que se opõe. As bandeiras serão recolhidas e os plasmas devolvidos (pode ser que ainda não tenham decorrido 15 dias sobre a sua compra e que ainda se consiga receber o dinheiro de volta!)

Importa-se de repetir?

Ana Gomes, num dos seus últimos textos, assina o seu nome e por baixo auto declara-se como "Amiga do Povo de Timor Leste". Sem querer pôr em causa a sua legítima preocupação com um povo que acompanhou (e bem) em parte da sua vida profissional, parece-me que se trata de uma expressão extremamente infeliz, a qual faz lembrar tácticas de persuassão e convencimento mais próprias de ditadores ou de líderes políticos menos democráticos. Todos sabemos que a Dra. Ana Gomes tem alguma dificuldade em lidar com opiniões contrárias às suas e frequentemente reage de forma inusitada a quem se atreva a contradizê-la. Ainda assim, seria mais prudente da sua parte tentar impôr o seu raciocínio e as suas soluções sem recurso a técnicas populistas e demagógicas como esta. Já para não falar do paternalismo que a expressão encerra em si mesmo, o que não é nada abonatória relativamente aos timorenses.

Timor

Já aqui manifestei a minha surpresa e completa ignorância acerca do que se passa em Timor, apesar das insistentes explicações que a "especialista" Ana Gomes tem dado. Ao que parece, e de acordo com a nossa comunicação social e demais comentadores, Alkatiri é um malandro e Xanana o herói nacional que quer salvar o país de uma guerra civil.
Xanana diz agora que se Alkatiri não se demite ele próprio renuncia à Presidência. Este conceito de democracia de Xanana não deixa de ser curioso, principalmente depois das ameaças públicas que a sua mulher já tinha feito neste sentido. Acresce que, não deixa de ser curioso que Xanana invoque um programa de televisão australiana para dizer que perdeu a confiança em Alkatiri. Por fim, resta referir que a demissão de Xanana mergulhará o país numa guerra civil sem fim à vista.
Continuo na minha de que esta história está muito mal contada e que o envio da GNR nas condições em que ocorreu foi de uma imprudência e amadorismo muito grandes.
Timor tem pés de barro e está a pôr-se a jeito para se tornar em mais uma província australiana. Uma pena.

TSF em grande

Vinha de manhã a tentar ouvir notícias na TSF quando percebi que estava a dar o programa especial da manhã sobre o mundial de futebol. O nível do programa era elevadíssimo e o assunto que suscitou a curiosidade do jornalista e ocupou a emissão durante a minha viagem tinha a ver com uma emigrante portuguesa de 37 anos nos EUA que jogava futebol em 3 clubes e que tinha saído de Portugal por ter sido discriminada. Ao que parece, o pai não a deixava jogar futebol pois lá na aldeia dizia-se que quem jogava futebol ficava com músculos e que era feio ver uma mulher com tais atributos. Acresce que a sabedoria popular afirmava que mulheres com músculos não podiam ter filhos. Durante, pelo menos, 10 minutos não se falou de outra coisa, com direito a entrevistas e tudo. Confesso que fiquei desarmado. Não esperava da TSF uma preocupação por um assunto de tamanha eloquência. O país agradece.

XXX

O prémio da melhor entrada no blogue vai para o leitor que entrou aqui a pesquisar "raparigas nuas"! Lamento desiludi-lo. Por aqui pode haver muita conversa mas a acção é pouca.

terça-feira, junho 20, 2006

O bom do tintol

"Uma equipa de cientistas de Universidade de Milão afirma ter descoberto que as uvas utilizadas no fabrico de alguns dos mais populares vinhos tintos contêm altos níveis de melatonina, uma hormona naturalmente produzida pelo nosso organismo ao fim do dia e que induz o sono.
Marcello Iriti e os seus colegas, que publicam os seus resultados na revista "Journal of the Science of Food and Agriculture", detectaram a presença da hormona do sono na pele das uvas das castas Nebbiolo, Merlot, Cabernet-Sauvignon, Sangiovese e Croatina.“O teor de melatonina no vinho poderá ajudar a regular os padrões de sono-vigília, tal como acontece com a própria melatonina produzida pela glândula pineal nos mamíferos”, afirma Iriti num comunicado.Não é a primeira vez que o vinho tinto – e as uvas que lhe dão origem – são apontados como benéficos para a saúde. Estudos anteriores já tinham indicado que o consumo moderado de vinho tinto poderia diminuir a taxa de “mau colesterol” no organismo e até ajudar a prevenir a doença de Alzheimer.O mesmo documento cita também um especialista mais céptico – Richard Wurtman, do MIT – que acha que serão precisos mais estudos para confirmar que a substância agora detectada é mesmo melatonina."

In Público

Bolas não é preciso ser bruxo e muito menos cientista para perceber que quando se bebe vinho tinto a mais se fica com sono.

SIC Mulher

Li no Público que o Canal da TV Cabo SIC Mulher vai acabar no final do ano ao que parece por causa da falta de audiências e a programação "não estar à altura das expectativas", de acordo com os responsáveis da TV Cabo. Associo o surgimento deste canal com os tempos que fiquei em casa em licença de parto da minha filha mais velha. Na altura fiquei fã. Adorava ver as séries que por lá passavam. Tenho pena que este canal acabe até porque das poucas vezes que consigo ver televisão para além das notícias é na SIC Mulher.

Candidato

O Ministro da Saúde não gostou do relatório apresentado pelo Observatório Português dos Sistemas de Saúde que conclui que os medicamentos vendidos fora das farmácias são mais caros, contrariando assim um dos pressupostos estabelecido pelo Governo aquando do anúncio da medida. Vai daí, o Ministro desanca o Observatório acusando-o de falta de rigor e de credibilidade.
Depois dos "azares" das mortes dos 2 recém-nascidos de Elvas, o Ministro dá mais um tiro no pé e torna-se num sério candidato à sua substituição aquando da primeira remodelação governativa. Cá para mim, o Ministro nem precisava de se queimar prestando-se a este triste espectáculo, pois quem assumiu a responsabilidade por este dossier das farmácias foi o PM himself quando decidiu no discurso de tomada de posse fazer deste um dos seus principais cavalos de batalha.

Breves

Algumas (breves) notas:
Fecho maternidades: as mortes de 2 bebés constituem um duro revés nas intenções governativas, cujos efeitos estão ainda por apurar. Não fosse o Mundial de futebol e teríamos as televisões acampadas em Elvas a explorar o triste acontecimento e a contribuir para a "morte" política do Ministro da Saúde.
"Me Cago en Dios": este é o nome de uma peça de teatro espanhola que ridiculariza (algumas) religiões. E digo algumas, pois há que ter atenção às licenciosidades. O autor teve o cuidado de, pelo menos no poster publicitário, deixar de fora os símbolos maiores do Islão. Não vá o Diabo tecê-las! Quanto a esta questão, limito-me a registar os subsídios atribuídos à peça, nomeadamente pelo Governo, que pelos vistos se dedica agora a fomentar o ódio religioso. O Governo anda a dar tiros no pé e arrisca-se a transformar um Estado laico num Estado laicista.
Os elogios de Cavaco: o Governo anda muito satisfeito (e alguns comentadores desiludidos) com os elogios de Cavaco. Dêem algum crédito ao homem. Para já, Cavaco tem demonstrado apoio institucional e elogiado pontualmente esta ou aquela medida. Penso que desta forma Cavaco aumenta o grau de responsabilização do Governo nas medidas que apoiou. Acresce que, quando tiver que criticar outras medidas ou reformas do Governo já ninguém vai poder dizer que Cavaco pretende ser força de bloqueio. Aguardemos.
Mundial de futebol: tem sido uma desilusão. Os favoritos (de muitos) Brasil e França não têm jogado futebol. Os africanos (com excepção do Gana) não têm surpreendido. Quanto a Portugal, mais não fez que a sua obrigação de ganhar a 2 das equipas mais fracas de todo o Mundial. Nos oitavos, com a Holanda ou Argentina, veremos o que vale a selecção.

Regresso


Chegados de umas curtas férias no Portugal (profundo) apercebemo-nos que a solidariedade dos restantes co-bloggers vai ao ponto de nada escreverem durante a nossa ausência. A maledicência será retomada dentro em breve.

sexta-feira, junho 09, 2006

Depeche Mode - Stripped live @ Rock Am Ring, Alemanha 6-04-06

Al-Zarqawi

O regozijo pela morte de um homem, seja ele quem for, é desnecessário e animalesco. Al-Zarqawi era uma besta humana e deveria ter sido julgado por todas as atrocidades cometidas. A alegria pela sua morte, porém, revela um desprezo pela vida que nos aproxima do defunto.

História capilar do Mundial

Rubén Ayala, Mundial 74, Alemanha

Carlos Valderrama, Mundial 98, França

Paul Breitner, Mundial 74, Alemanha

Leonardo Cuellar, Mundial 78, Argentina

quinta-feira, junho 08, 2006

Há pessoas estúpidas

Daaaaaaaa

"...this violent man will never murder again."

Presidente George W. Bush reagindo às notícias da morte do líder da Al-Qaeda no Iraque

Big brother is watching you II

Decreto-Lei n.º 98/2006, de 6 de Junho: Cria o registo de infracções de não condutores.

100 melhores cartazes de cinema

Para ouvir

Via corta-fitas descubro uma preciosidade: uma das 3 melhores bandas do mundo (a melhor que já vi actuar ao vivo) - REM - acompanhada pelo melhor solo-rocker ainda no activo - The Boss (aka Bruce Springsteen) - a cantar Man on the Moon. Para ouvir (repetidamente).

Para que serve?

O João Miranda pergunta para que serve uma autoridade da concorrência se pode ser vetada por um ministro. O AAA insiste na pergunta.
Parece-me que desta feita não têm razão. Caso contrário, apraz-me perguntar:
- Para que servem os tribunais de 1.ª instância cujas decisões podem ser alteradas pelos tribunais de recurso?
- Para que serve o Governo ou a AR cujos diplomas legislativos podem ser vetados pelo Presidente?
- Para que servem as autoridades administrativas cujas decisões podem ser revogadas ou alteradas pelos superiores hierárquicos ou pelos tribunais?
- (...)
Sem entrar no mérito da questão, parece-me que a autoridade da concorrência faz um juízo puramente técnico acerca deste tipo de questões. Já o Governo, mal ou bem, acrescenta um juízo político que aquela entidade administrativa não pode ponderar.
Ainda assim, parece-me que neste caso mal não iria Abel Mateus se pedisse a sua demissão (o que é diferente de questionar a necessidade ou não da entindade a que preside)

Certeiro

Este comentário de António Torres (aka faccioso).

A ler

A actualização permanente que Paulo Gorjão tem vindo a fazer da questão timorense.

Parabéns FJV

O Francisco José Viegas venceu o Grande Prémio de Romance e Novela da Associação Portuguesa de Escritores (APE) 2005, com o livro "Longe De Manaus". O prémio monetário ascende a 15.000,00 euros e é mais do que merecido.

GNR em Timor

Os incidentes de ontem em Timor entre a GNR e as tropas australianas revelam a ambiguidade da intervenção portuguesa. Seria importante que Freitas, que proferiu um discurso nacionalista bacouco e irresponsável (como aliás se comprova através dos mais recentes incidentes!) a propósito do comando da GNR em Timor, viesse agora explicar o que pretende fazer quanto à coordenação com os australianos.
Já agora vinha também o António Costa explicar-nos como é que é possível a GNR ainda não dispor de material que lhes permita cumprir a sua missão.

(des)coordenação das forças de segurança

já agora:
Talvez fosse importante esclarecer qual (ou quais) o(s) ministro(s) que tutelam estas forças de segurança e interpelá-lo no sentido de pereber as causas de tamanha descoordenação.
Bem sei que o PS se tem aproximado do centro, para uma área tradicionalmente ocupada pelo PSD. Ainda assim, é neste tipo de situações que o PSD pode e deve fazer oposição capaz. Até agora Marques Mendes tem mantido um (quase) silêncio ensurdecedor.

quarta-feira, junho 07, 2006

O que é realmente importante

Para recordar o Euro 2004, pressione com o botão do lado direito do rato aqui.

Argumento decisivo contra as quotas III

este post da mesma Ana Gomes revela a sua total falta de bom senso, revelando o pouco espírito democrático que vai naquela cabecinha. No fundo, a citada demonstra um profundo desprezo por Portugal e pelos portugueses, apelidando-nos (implicitamente) de burros quando diz que há coisas que não mudam naturalmente, devendo haver uma imposição legislativa.
Salazar e outros ditadores não iriam tão longe. Ana Gomes não aceita as escolhas que resultam de eleições livres e democráticas.
Ana Gomes, apesar da livre associação e da possibilidade de todos constituirem partidos políticos, de se candidatarem a cargos públicos (nos quais incluo os políticos), de criarem associações e movimentos cívicos, ainda assim pensa que a escolha dos eleitorado deve ser moldada em função da sua definição de democracia.
No fundo, Ana Gomes não aceita que as mulheres, elas próprias, não estejam interessadas em estar na política e em concorrer a cargos políticos. Aliás, é evidente o afastamento e desinteresse de muitas mulheres relativamente à política. Basta ver, por exemplo, a proporção de homens e de mulheres que escrevem em blogues sobre política. Ou será que Ana Gomes também gostaria de impor quotas femininas nos blogues políticos?
Ana Gomes dá depois um argumento que, em minha opinião, vai no sentido contrário do seu raciocínio:
"ninguém pede quotas para a entrada de mulheres nas ordens dos médicos, dos advogados ou nas carreiras das magistraturas e da diplomacia (onde o acesso a mulheres estava vedado apenas há trinta anos atrás) porque nesses contextos existem claros critérios de mérito, testados e testáveis, iguais para todos. E por isso mulheres não faltam nessas profissões. Quem lá chega, chega por mérito. A política, pelo contrário, é uma área onde redes de contactos informais, amizades, fidelidades a lideranças jogam um papel determinante. Esta informalidade determina opacidade nos processos de escolha de indivíduos, sobretudo na elaboração de listas eleitorais. Opacidade que neutraliza o princípio do mérito. E que deixa tradicionalmente de fora as mulheres - não é por acaso que se fala nas 'old boys networks' e nos 'jobs for the boys'."
Nas carreiras que Ana Gomes evidenciou, até há bem pouco tempo dominadas pelos homens, nada nem ninguém impôs quotas para inverter a situação. Foi a vontade das mulheres e o próprio mercado que inverteu a situação.
Parece-me evidente que, se há uma carreira em que as mulheres se podem afirmar sem complexos e pondo em evidência o seu mérito é exactamente a política, de forma ainda mais vincada que nas carreiras mencionadas. Ou será que ela se esqueceu que o eleitorado é quem decide através das eleições quem são os seus representantes!?
Quanto às escolhas partidárias, tem bom remédio, ela que funde um novo partido ou movimento cívico em que possa defender as suas ideias sem qualquer tipo de constrangimento machista.
Já aqui o disse, que o problema (se é que é um problema!) está nas mentalidades. E não se mudam mentalidades com leis ou imposições estatais.

Argumento decisivo contra as quotas II

Este post de Ana Gomes, sob o título bombástico e ultra-demagógico "Quem veta a paridade, veta a democracia - II", revela a podridão que vai dentro dos partidos, nomeadamente no PS. O que a citada acaba por dizer é que no PS, se Ferro Rodrigues não tivesse instituído o sistema de quotas, a escolha dos candidatos teria sido efectuada com base na amizade e no compadrio em detrimento da qualidade e do mérito. Deste modo, a deputada Ana Gomes passa um atestado de incompetência e descrédito aos seus colegas de partido, pondo em causa as escolhas feitas pelo partido até à instituição do sistema das quotas.

Argumento decisivo contra as quotas

"Alguém tem dúvidas de que eu - caída de paraquedas na política em 2002 - alguma vez teria sido integrada na lista europeia do PS, em 2004, se não fosse a determinação do então Secretário-Geral Ferro Rodrigues de me incluir e de se valer do sistema de quotas que, pela primeira vez, fez aplicar no Partido para me colocar no lugar elegível na lista em que fui apresentada ao voto do eleitorado?" (Ana Gomes, in Causa Nossa)

Evolução

Importa-se de repetir?

Afinal, se não há provas incriminatórias porque razão estão presos? E o PM iraquiano ainda lhe chama "gesto de reconciliação nacional"! Deve ser para rir.

Filhos e enteados

Não percebo a indignação demonstrada a propósito da participação de alguns membros do partido de extrema-direita PNR nos protestos das forças de segurança.
Quando a extrema-esquerda se junta a manifestações, sejam elas quais forem, ninguém se chateia e até acham piada a ver o Anacleto e seus muchachos com um ar compungido a gritar palavras de ordem.
Quer parecer-me que ainda temos muito para trilhar, de forma a ultrapassar os complexos abrilistas de 74.

terça-feira, junho 06, 2006

Antepassados

"O homem de Neandertal era um parente afastado e não o antepassado do homem moderno (Homo Sapiens sapiens), indica um estudo baseado na análise genética de um fóssil de criança com 100.000 anos."
De acordo com a notícia não deixaram descendência e por isso despareceram da face da terra. Cá para mim é um sério aviso ao decaimento da natalidade. Mais um motivo para dar incentivos aos pais com 3 ou mais filhos.
Nota: o facto de eu estar à espera do 3.º em nada influencia a minha opinião nesta matéria.

Pedro Sousa nos quartos de Roland Garros

no torneio de juniores.

O erro timorense

Tenho cada vez mais dúvidas acerca da intervenção da GNR em Timor. Para todos os efeitos, estamos a falar de um país independente, com órgãos de soberania próprios, os quais foram eleitos democraticamente.
Na sequência de uma muito mal contada rebelião militar liderada por um tal de Reinado, têm ocorrido saques, pilhagens e muitas casas queimadas. Ao que parece o actual Primeiro-Ministro, eleito democraticamente, não agrada a alguns, nomeadamente ao Presidente Xanana Gusmão.
Ainda hoje, numa manifestação autorizada por Ramos Horta, o qual viu os seus poderes reforçados ao assumir a pasta da Defesa, alguns milhares de pessoas reuniram-se em frente ao palácio presidencial gritando por Xanana e pedindo a demissão de Alkatiri.
Bem sei que Timor ainda agora se fez país, mas as regras democráticas são (ou deviam ser) iguais em todo o lado. Se Alkatiri foi eleito democraticamente e a maioria (será a maioria!?) deixa de gostar do Primeiro Ministro terá de aguardar por eleições para mostrar o seu descontentamento nas urnas.
Ao mandar a GNR para Timor, Portugal está a imiscuir-se nos assuntos internos timorenses. E ainda que a intervenção se tenha dado a pedido do Presidente e do PM (terá sido!?), estamos a abrir um precedente perigoso.
O que está a acontecer em Timor resulta de quezílias internas que deverão ser os timorenses a resolver. Não o fazendo arriscam a tornar-se num território sob o domínio militar e económico australiano.
Quanto a Portugal, seria mais avisado ponderar bem as implicações de intervenções deste género, nomeadamente no que respeita ao custo das mesmas e também quanto ao seu âmbito de intervenção (as mais recentes notícias acerca da incapacidade da GNR para intervir em deterimento dos militares australianos têm sido confrangedoras e reveladoras do ridiculo do discurso de cariz nacionalista que Freitas fez há dias).

Parabéns Pai

"Dia do Cão"?!? Dia do Diabo?!?
Hoje se não se importam é o dia de anos do meu Pai! Parabéns Pai!

Chávez "O Imperador"

Chávez revê-se nos grandes imperadores romanos e gostaria de estender a sua influência política para fora das fronteiras venezuelanas. Estou curioso para ver se a esquerda intelectual e moderna continua a idolatrar este verdadeiro "democrata".

Exílio

6-6-6

A confiar no que dizem alguns profetas dos nossos dias este será o último post...

segunda-feira, junho 05, 2006

Daniel Oliveira, mais uma vez!

O Daniel Oliveira, como eu já havia referido na semana passada, tem uma dificuldade imensa em lidar com a democracia. Já disse e repito, o Daniel acha-se o máximo e considera todos os outros, principalmente os que se atrevem a não pensar como ele, uns idiotas chapados. Já para não referir o facto de, por vezes, não passar de um simples ordinário, como por exemplo aqui:
Mas regressando à ideia inicial, o que eu queria mesmo dizer é que o Daniel Oliveira, que acusa com frequência outros de desvios ditatoriais e pidescos, é ele próprio herdeiro de tiques fascistas e muito pouco democráticos. Vejamos uma das mais recentes pérolas do sujeito:
"O Perú elegeu mais um corrupto. Até na vitória Alan Garcia teve de pedir perdão aos peruanos e agradecer-lhes esta "segunda oportunidade".
A primeira experiência de Garcia como Presidente foi económica e socialmente catastrófica. Esteve recheada de casos de corrupção e de violações dos direitos humanos. Durante o seu mandato o número de peruanos a viver abaixo do limiar de pobreza aumentou 23%, a inflação atingiu níveis inimagináveis e há fortes suspeitas de cumplicidade e responsabilidade directa do Presidente em assassinatos políticos e no desaparecimento de centenas opositores.
Claro que os Estados Unidos e a Europa respiram de alívio com este resultado eleitoral. Não queriam um “populista” no governo. Populista, para quem não saiba, é o nome que se dá a qualquer político latino-americano que seja ou possa ser eleito à revelia da Casa Branca.
Com o talento que se lhe conhece, envolvendo-se nas eleições peruanas num estilo imperialista que critica, com razão, aos outros, Chavez deu uma boa ajuda à eleição da Garcia. Perdeu uma boa oportunidade para ficar calado."
Pois é Daniel, a democracia tem destas coisas. Bem sei que preferia um clone do Morales ou do Chávez que se divertisse a perseguir os malandros dos capitalistas, mas infelizmente (ou felizmente) os eleitores peruanos não têm a sua clarividência que lhes permita descobrir a verdade!
Quanto ao facto de ter dito que ele era corrupto e de haver suspeitas de que terá estado envolvido nisto ou naquilo, deixe-me que lhe diga que a partir do momento em que escreveu o que escreveu se tornou pior que o tal jornalista do Correio da Manhã que tanto criticou.
Desconfio que a sua experiência juvenil nos "pioneiros" tenha sido traumatizante.
Alegre-se homem.

Onde está Scolari?

Aqui podem ser vistos diversos "filmes" sobre os bastidores da selecção nacional. Ao que parece os vídeos foram feitos pela Nike e autorizados pela federação. Como não podia deixar de ser o Cristiano Ronaldo é um dos mais filmados. Fiquei, porém, intrigado com o facto de Scolari não aparecer (pelo menos nos 4 que vi!).

Sinais dos tempos

O aborto, a eutanásia, a legalização das drogas e da prostituição e o casamento homossexual foram só alguns dos sinais de uma Europa cada vez mais decadente. A Holanda, como farol desde descalabro, prepara-se para a apresentação de um novo partido, o NVD - Amor ao próximo, Liberdade e Diversidade. Partido que tem como principal objectivo permitir a pornografia infantil e as relações sexuais entre adultos e crianças. Van den Berg, o líder do NVD, argumenta que as crianças devem se acostumar ao sexo e que a imagem dos pedófilos foi afectada e desonrada com o escândalo belga.

Cães

Alguns deputados do PSD propuseram à Assembleia da República instituir para 6 de Junho como o "Dia do Cão", acho uma óptima ideia. Afinal, o cão é o melhor amigo do homem!

Chávez "nacionaliza" o cinema

Chávez aposta na propaganda. Os tiques de ditador estão lá (quase) todos. Só falta aguardar pelas eleições (se é que vão existir) para confirmar o enorme espírito democrático do Presidente Venezuelano.

sexta-feira, junho 02, 2006

Luta fratricida na paridade

Ainda a propósito do veto presidencial, Daniel Oliveira aproveita para desancar o PCP por ter aceite os motivos que determinaram o veto de Cavaco. A luta pelos 10/15% que a extrema-esquerda representa em Portugal é mais que muita e justifica estas quezílias.
Cá para mim, e apesar do comentário que o Daniel Oliveira ou um impostor qualquer fez aqui, mantenho que o BE tem uma grande dificuldade em lidar com a democracia.
Esta questão da paridade, impondo quotas femininas nas listas candidatas às eleições, é um limite indesejável e injustificável à escolha dos eleitores. Desde logo, e de acordo com os números que o próprio Daniel fornece, há partidos como sejam os Verdes e o BE que têm uma representatividade feminina idêntica à dos homens, não tendo sido necessário qualquer imposição legal para que tal acontecesse.
Se o eleitorado é efectivamente isso que pretende então poderá votar nos partidos que assumem essa representatividade como fundamental.
Pode o Daniel ou outros dizer que há outros limites legais que condicionam as eleições. Pois há, mas nenhum discrimina sexualmente como a lei da paridade.
A mudança ao nível da representatividade das mulheres na política ou noutros sectores da sociedade tem de verificar-se ao nível das mentalidades e não por imposição legislativa artificial. E insistir neste erro é pretender de forma injustificada condicionar as escolhas dos eleitores, isto sim muito grave e atentatório da democracia.

Rock in Rio Lisboa

Hoje é, sem dúvida, um dos melhores dias do Rock in Rio, o qual "vive" mais do marketing criado à sua volta do que propriamente da qualidade dos seus cabeças de cartaz. Aqui fica a lista dos que vão actuar hoje no Palco Mundo:
Roger Waters + Carlos Santana + Rui Veloso + Jota Quest

Consequências do veto presidencial?

A propósito dos GNR que partem hoje para Timor: "A missão, que não integra mulheres por questões de alojamento, será comandada pelo capitão Carvalho, que já chefiou missões da GNR no Iraque e em Timor-Leste."

Discriminação! A culpa é do Cavaco. Razão tem o BE. Tudo isto não passa de uma cabala para tramar as mulheres.

Sindicatos sedentários

Irresponsáveis! Então não sabem que o sedentarismo é uma das principais causas da obesidade!?

Sugestão de fim-de-semana (alargado) II - Nova Caledónia e Polinésia Francesa





Hoje Rui amanhã Maria

Alguns iluminados chamam-lhe evolução. Prefiro não comentar.

Camisola 12

Caro João, a simbiose entre os 2 é tão grande que até partilham a mesma camisola.
Nota: o veto da lei da paridade lixou-me a piada, mas enfim!

Cavaco "alive and kicking" III

O Daniel Oliveira não podia deixar de comentar o veto de Cavaco. E fá-lo de forma irritada e inconsequente.
A cada argumento de Cavaco, Daniel faz uma pergunta convencido que desta forma consegue desmontar a bondade da decisão presidencial.
A posição oficial do BE foi também negativa:
O BE tem dificuldade em viver neste Mundo em que a maioria discorda das suas posições. O BE despreza-nos (a quase todos) e odeia a democracia. Na perspectiva dos bloquistas, todos tão cultos e inteligentes, um país governado pelo BE, poderia não ser uma democracia, mas seria certamente melhor que aquele em que vivemos.

Cavaco "alive and kicking" II

No último post esqueci-me de referir o óbvio: a reacção do BE será naturalmente mais violenta do que a do PS, aproveitando para encostar Cavaco e a sua decisão à direita. E já começou com a Joana Amaral Dias no bichos carpinteiros: "É evidente que as mulheres não fazem parte do “roteiro para a inclusão” do Presidente da República." Demagogia e mais demagogia. É pena que haja ainda quem alinhe nestas desonestidades intelectuais.

Cavaco "alive and kicking"

Quem achava que Cavaco estava "morto" politicamente e que o Governo ia ter vida fácil desengane-se.
Aguardemos pela resposta do Governo. Suspeito que será branda, referindo que se trata de uma situação normal e que o diploma será novamente apreciado para corrigir eventuais falhas. Tenho, no entanto, a certeza que o ataque ao Presidente existirá da parte de quem não tem responsabilidades governativas ou mesmo partidárias, como sejam o Vital Moreira, Ana Gomes, Medeiros Ferreira...
O texto da Presidência pode ser lido integralmente aqui.

Orientações para os hooligans

E ainda dizem que somos um povo pessimista!

quinta-feira, junho 01, 2006

Gato fedorento

Todos os simpatizantes dos Gato Fedorento podem ver por aqui alguns dos seus melhores sketches. Já agora, quem puder, não deixe de ler a mais recente "crónica" do Ricardo Pereira na Visão. Para não variar está um "mimo".

Um bom Homem


Xanana conforta 2 vítimas dos confrontos em Dili
Xanana Gusmão é um bom Homem. É alguém que se emociona de forma sentida, que parece preocupar-se com o que os outros sentem. Capaz de esquecer as atrocidades cometidas pelos indonésios, não só contra o seu povo mas também contra si próprio. Benfiquista confesso, o que aliás faz de si um excelente pai de família. Aparenta também ser um marido estremoso e pai dedicado.
Acontece que, nos tempos que correm, ser bom Homem não faz de Xanana um bom Presidente de Timor, bem pelo contrário.
Já deu para perceber que as aspirações políticas da mulher de Xanana são bem mais vincadas que as do próprio marido. E sem querer ser acusado de xenofobia, no caso da 1.ª dama timorense não podemos omitir nem esquecermos que se trata de uma australiana.
Parece-me que Xanana está condenado. Não tem força política, a médio e longo prazo, para tomar as rédeas do país.
Xanana não passa de um bom Homem, o que nos tempos que correm não é atributo bastante para estar à frente dos destinos de um país como Timor.

Saramago: A queda de um anjo

José Saramago integra a Comissão de Honra do Plano Nacional de Leitura. Que eu saiba aceitou tal nomeação de livre e espontânea vontade.
Ora, não pude deixar de ficar surpreendido com uma notícia que acabei de ouvir na TSF. Ao que parece Saramago entende que este Plano Nacional de Leitura, que tinha como objectivo incentivar a leitura e aumentar os indices da mesma em Portugal, não irá produzir quaisquer resultados, pois a leitura há-de ser sempre de uma minoria. Revela desde logo uma arrogância intelectual e um profundo desprezo por Portugal, que possui uma das mais baixas taxas de leitura dos países europeus.
Bem sei que Saramago está há vários anos desterrado numa ilha despida de qualquer vegetação em que não se fala português. Bem sei que a insularidade tem efeitos ainda por estudar.
De qualquer das formas, o disparate tem limites. Saramago já tinha demonstrado que a coerência não era o seu forte (não, não vou falar dos tempos em que dirigia o DN e fazia censura). Lembram-se das eleições em que aparecia nas listas da CDU como candidato (em lugar não elegível) e veio apelar ao voto em branco!? Mais recentemente prestou-se a participar dos devaneios de Carrilho escrevendo um pequeno texto no livro do político.
É uma pena que o nosso único Nobel da literatura tenha "descarrilhado" e esteja a esgotar a credibilidade que amealhou (mesmo junto daqueles que nunca o apreciaram) aquando do agraciamento com o Nobel.
BlogBlogs.Com.Br