terça-feira, abril 29, 2008

É já a seguir!!

O nosso Nuno Pombo vai estar daqui a nada, mais precisamente às 10h, no Rádio Clube Português (104.3 FM) a debater "a moda dos grupos de reflexão dentro dos partidos políticos", na companhia de José Bracinha Vieira (pelo PSD), Jorge Bateira (pelo PS) e Manuel Meirinho Martins (na qualidade de politólogo).
Desconfio que vai ser bem interessante.

Enquanto há vida, há esperança



Rapto da Europa (34)

A oposição ao Tratado de Lisboa na Irlanda cresceu fortemente nas últimas semanas, provocando pela primeira vez um risco real de voto negativo no referendo de 12 de Junho. Na última sondagem, o número de opositores ao tratado cresceu para 31 por cento.

in Público, 29/4/2008

Etiquetas:

Pensamentos do Dalai Lima 0000000000000


Aguiar lebre de Leite.
Santana cágado de Jardim.

sábado, abril 26, 2008

É preciso acabar de vez com a tortura!

34 anos depois do 25 de Abril ainda temos que gramar ritualmente com cantautores obscuros, as suas barbas e boinas, os seus arremedos e palavras de ordem, os seus filhos e sobrinhos, as suas guitarras e gaitas, os seus pífaros e adufes, os seus guinchinhos, trinados e onomatopeias, o seu bucolismo campesino e o seu reaccionarismo vanguardista, a sua má música e pior voz.

Valha-nos a televisão pública que entendeu oferecer um momento burlesco para aliviar o choque estético decorrente destas cruéis aparições: Otelo Saraiva de Carvalho a falar de democracia e de respeito.

boas notícias?

Não te precipites, Nuno. Para a semana ainda temos o 1 de Maio.

Boas notícias...

... hoje, já é 26 de Abril.

sexta-feira, abril 25, 2008

ainda a propósito da blogosfera


O porco é um animal curioso. Chafurda com deleite na lama e no que o seu corpo vai expelindo. É sujo mas não tem consciência disso. E alguns, a acreditar em Orwell, podem ser muito impositivos, convivendo mal com a crítica e com a diversidade de opiniões.

Cromos da Blogosfera

Abril também é Recordação

GLOSAS A ROSAS - A Esquerda amnésica e o 25 de Abril
resposta a A Direita Lusitana e o 25 de Abril de Fernando Rosas

Publicado a 4 de Fevereiro de 2004 no NQdI

Há que reconhecer que já criaram uma imagem de marca, a aversão parola à gravata, a camisinha Façonnable em tons escuros, o cabelo cuidadosamente em desalinho (e, nalguns casos, o cachimbo incensando a insensatez). Muito sabedores e pretensiosos nesse estilo de compromisso entre o empregado de galeria de arte de terceira categoria e o revolucionário aburguesado, com o seu progressismo postiço, esse verniz que não tapa o caceteirismo instintivo e à flor da pele, eles são os herdeiros políticos e culturais da extrema-esquerda portuguesa de sempre. Emblematicamente escondidos, por acerto da história, no meio de partidos travestidos e fundidos em “movimento”, apostados em fazer esquecer a sua própria história feita do combate activo contra a democracia parlamentar. Essa é a esquerda na moda: o campo ideológico dos que não esqueceram nada e só aprenderam marketing. E que também reconhecemos, na empáfia intelectualeira de Fernando Rosas, o mentor menor da pandilha; em versão “hard” no excesso histriónico e nas pregações hipócritas do “Grande Educador” Louçã; ou, em versão “soft” de revista cor-de-rosa, no registo gauchochic de Miguel Portas. São eles que comandam a actual Oposição.
---
São eles, juntamente com outros dirigentes do PCP e PS em registo mais discreto, que, neste 30.º aniversário do 25 de Abril de 1974, querem ajustar contas com a história. Pessoalmente, acho que têm boas razões para o fazer. O processo revolucionário originado no “25 de Abril” foi um momento histórico singular no século XX português: ele fez tremer e abalou nos seus fundamentos a arrogância dos arrivistas jacobinos, apostados na sovietização, cubanização, maoização e albanização do país, rapidamente apegados ao privilégio, ao saque, ao abuso e à prepotência impunes, antevendo a vida próspera e plácida à sombra do regime totalitário que queriam criar para os servir. O 25 de Abril deixou antever um mundo virado do avesso, que os portugueses recusaram de forma firme e pronta. E os aspirantes a déspotas de ontem ainda não esqueceram, nem esquecerão tão cedo, o susto de verem o povo - de que se arrogaram donos e representantes - a repudiar, enojado, as suas “soluções” - para Portugal.

Essa esquerda, que não esquece nem aprende nada, escorada em alguma historiografia marxista não muito recente, vem contar-nos a lenda de uma efémera idade de ouro, um momento fugaz de contacto com o “céu”, que, nos idos de 74 e 75, floria frondosamente num processo de “convergência real” com os outros povos socialistas libertados (para o que a instauração de um regime totalitário seria vantajosa), até suceder a “tragédia” da consolidação da democracia, interrompendo essa senda virtuosa. Escamoteiam o essencial: quem foi que, então, defendeu, de facto, a democracia, quem foram os partidos que se bateram pela institucionalização de um sistema político de modelo ocidental (apesar das retóricas constitucionais).

A esquerda que vai cautelosamente destilando o discurso da reabilitação do seu próprio passado e da demonização do antes e do depois da revolução, essa mesma que serviu ditaduras e procurou instalar uma em Portugal, sem estados de alma nem angústias democráticas, em lugares de responsabilidade política e advogando o sistema de partido único, descobriu recentemente que só existiu verdadeira democracia em Portugal no período de 1974/75 quando pôde dar vazão aos seus ímpetos revanchistas e sabáticos. Opondo essa sua “democracia” de projecto revolucionário à democracia de facto e de direito, reconhecida e aceite como tal em todos os países civilizados, espécie de epílogo burguês e capitalista das novas “auroras cantantes”.

Esquecem que não há liberdade sem justiça, e a “desordem” pós-25 de Abril acarretou, necessariamente, muitas e graves violações a estes dois princípios. A manipulação grosseira que então fizeram das, disfemisticamente chamadas, “massas” - grupos ultra-minoritários, como as eleições se encarregaram de demonstrar - condicionaram de forma séria e, nalguns casos irreversível, o movimento militar, composto por gente de todos os quadrantes políticos, e a evolução do próprio país.

No decurso do processo revolucionário, é sabido que as liberdades, mesmo as mais elementares, estiveram, por vezes, sob a mira de tentações várias desta esquerda que ameaçariam a própria sobrevivência e unidade de Portugal. O cerco à Assembleia Constituinte que protagonizaram e/ou apoiaram demonstra à saciedade a sua fundada crença no sistema em que vivemos e a fé inabalável no tal povo que tanto alardeiam e nos princípios e liberdades que dizem defender. Mas foi porque elas, em todas as circunstâncias, foram mais fortes e prevaleceram como conquistas inabaláveis, isto é, como realidades políticas civicamente conquistadas e não toleradas pela generosidade de um poder tutelar previdente, que foi possível fazer o 25 de Novembro, aprovar a Constituição e institucionalizar a democracia em 1976. E, já agora, que foi possível permitir a esta esquerda anti-sistémica e anti-democrática que aceitasse as regras e se integrasse no sistema político, revelando uma magnanimidade que, se o desfecho tivesse sido outro, nunca teria existido. É por isso que se pode perceber que o PREC seja visto hoje como um grosseiro e anacrónico atentado contra a liberdade individual, a propriedade privada e a economia nacional, responsável em grande medida pela crise que se seguiu, mercê da manipulação multiforme da chamada iniciativa popular, que, com óbvia instigação dos directórios partidários e militares que lhes prometeram a conquista do céu, (sem sentir as cordas do bonecreiro) ocupou de forma atrabiliária, quase sempre caótica e violenta e, em muitos casos, criminosa, as ruas, as casas, estivessem devolutas ou habitadas, as terras de latifúndio e minifúndio, estivessem ou não a ser bem exploradas, as empresas abandonadas e viáveis (desde que não fossem estrangeiras). Foi na rejeição desse modelo e de todos os outro modelos ditatoriais que se fundou o que de melhor vive da Revolução de 1974/75 e foi essa a génese específica e distintiva da democracia portuguesa. E é contra esse património genético que hoje se afadigam os próceres desta esquerda portuguesa.

Mas talvez uma das bandeiras mais brandidas desta esquerda amnésica e nostálgica da gesta dos comandantes e timoneiros seja a do anti-colonialismo e da falta de respeito pelos que viveram no Ultramar e aí combateram por obrigação ou por convicção numa ideia de Portugal que nem foi sempre minoritária, nem foi sempre inviável, mas que acabou. Esquece as suas responsabilidades na entrega vergonhosa e irresponsável do poder sem qualquer processo de autodeterminação aos grupos combatentes, na instigação continuada da deserção do nosso exército, a sua contribuição activa para a afirmação de dirigentes corruptos e criminosos educados nas escolas soviética e chinesa (e americana), para a eclosão das guerras civis, para o destroçar de sociedades e economias e para a contabilização de milhões de mortos. Esta esquerda aplaudiu ruidosamente o alijar irresponsável da “carga” por parte de Portugal, enquanto caucionou e saudou as intervenções, essas sim, colonialistas de Moscovo e Cuba por todo o continente africano. O resultado das “libertações” que promoveram está hoje à vista de todos.

E é intolerável que 30 anos depois, apesar de tudo em democracia, face à miséria, degradação e corrupção que assolam a África, haja forças políticas que se permitam o discurso serôdio da apologia pura e simples das descolonizações e dos “movimentos de libertação nacional” com pouco mais do que o propósito rasteiro de arrebanhar alguns votos entre o mesmo pacifismo suburbano que, no tempo da guerra fria, bramava contra os americanos.
A esquerda de que vos falo não é uma abstracção retórica ou uma figura de estilo. Ela não só condiciona tentacularmente o poder mediático, como, com os seus dois e pouco por cento que lhe deram as urnas, tem refém toda a oposição, dependente do apoio da extrema-esquerda para apresentar propostas ou tentar fazer a diferença. Ela é a cara da tolerância face ao terrorismo, da imposição da ditadura das minorias, do igualitarismo cego, do despesismo como solução para todos os problemas, da desconsideração pelo papel e importância das forças armadas, da retórica da preocupação social mas do desconhecimento profundo da realidade, da desconsideração dos direitos das crianças por nascer, tratando-os como massa de células irrelevante, como vida putativa apenas e só “se a dona da barriga” a quiser, da desconsideração e desrespeito pelas tradições, hábitos, costumes e crenças do seu próprio povo, do facilitismo desculpante, do absoluto relativismo, do ataque reiterado ao papel das polícias, da sobranceria pseudo-intelectual de pacotilha, do revisionismo da sua própria (e triste) história.

Esta minoria radical, populista e trauliteira puxou para a esquerda a já esquerdeada esquerda portuguesa. Uns e outros querem levar o país, o país que trabalha, que estuda, que ensina, que cria, a uma das piores crises da sua história recente.

Oxalá a convocatória ao debate cívico deste 30.º aniversário do 25 de Abril possa contribuir para desmontar a pressão para o endeusamento ritual e acrítico da efeméride e, assim, para a sua negação, implícitos nos propósitos ideológicos desta esquerda assente no quarto poder. Também com esse debate, e trinta anos depois, estaremos a discutir os destinos da democracia portuguesa.

Pensamentos do Dalai Lima



25 de Abril - Dia Mundial da Voz

25 de Abril, Sempre

Renovar Abril

Trinta e quatro anos volvidos continua a ser pertinente falar de Abril.

A “revolução dos cravos” como viria a ser conhecida a nossa revolução, foi indiscutivelmente a porta para uma época de modernidade e desenvolvimento económico e social sem par no nosso pais.

O pais mudou, encurtou distancias, para a Europa e para o Mundo. Portugal tornou-se um parceiro internacional credível.

A democracia, ultrapassados os momentos de conturbação inicial típicos do momento revolucionário, concedeu aos portugueses direitos e liberdades politicas, proclamou o direito de todos a um trabalho, a uma habitação, ao ensino publico tendencialmente gratuito e a um sistema nacional de saúde.

Sobram, pois, razoes para saudarmos o 25 de Abril e aqueles que o fizeram, independentemente da especulação em torno das suas causas mais próximas. Sobram motivos para recordar e não deixar esquecer os tempos de ditadura, em que cidadãos como nos, cerceados de um espaço de liberdade individual e de livre pensamento, eram presos e humilhados em prisões do Estado as mãos de uma Policia Politica e viam as suas opiniões censuradas por um lápis azul subserviente aos interesses do regime. Sobram pois razões para saudar estes tempos de Abril que nos permitem também discutir e expressar opiniões em liberdade.

Fale-se pois de Abril. Abril do passado mas também Abril do presente. Obviamente que um pais não muda de um dia para o outro apenas porque muda a constituição. O desenvolvimento económico e social não se decreta. Trinta e quarto anos volvidos, não obstante as nítidas melhorias e progressos (muitos dos quais se devem a entrada de Portugal para a então Comunidade Económica Europeia), continuam por atingir muitos dos desígnios que Abril então se propôs.

Alternaram os partidos no poder, mudaram as politicas, recuperaram-se paixões para logo a seguir as deixar morrer. Só houve uma coisa que permaneceu no mesmo lugar: uma geração.

Abril foi a oportunidade de ouro de uma geração. Uma geração, genericamente, pouco preparada para o exercício das funções publicas que lhe foram acometidas pela mudança do regime., mas que ainda assim, à falta de alternativa, tomou conta do aparelho de Estado de cima abaixo e a ele permanece agarrada com unhas e dentes. Esta geração, envelhecida pelo passar dos últimos 34 anos, muitas vezes esqueceu-se que Abril é oportunidade, modernidade competência e meritocracia e permanece agarrada a um tacho que circula mas que não se parte nunca porque forte é a mão que o segura e vigilantes são todas as outras mãos prontas para o segurar um pouco mais.

É tempo de completar Abril. Tempo de dar aos filhos de Abril a oportunidade de comandar os desígnios de Portugal num século de desenvolvimento prosperidade, justiça e equidade social. 

Tempo de se aliviar o Estado dos clientelismos enclaustrados no imobilismo geracional que se cristalizou no poder. Tempo de fazer deste pais uma verdadeira meritocracia em que todos acedam às mesmas condições e em que os melhores triunfem.

É tempo, pois, de renovar Abril e dizer que chegou a hora de novos intervenientes abraçarem o desígnio de fazer de Portugal a imagem do ideal nascido a 25 de Abril de 1974 e ainda não totalmente concretizado.

34 anos de democracia e liberdade!

quinta-feira, abril 24, 2008

Finalmente a imprensa portuguesa não esconde a verdade

Rapto da Europa (33)

Detectadas fraudes na contratação de assistentes e serviços por parte dos eurodeputados
in Público online, 24.04.2008

Uma investigação confidencial publicada internamente em Fevereiro último conclui que há irregularidades na gestão do orçamento destinado à contratação de assistentes e serviços por parte dos eurodeputados. O documento de 92 páginas, que demorou 14 meses a ficar concluído, foi parcialmente revelado na Internet, no blogue do deputado Paul van Buitenen (Verdes), membro do comité responsável pela investigação. Não são avançados nomes de eurodeputados transgressores, apenas algumas das irregularidades detectadas. Cada membro do Parlamento dispõe de uma soma de 15.500 euros por mês para pagar serviços ou a assessores que os ajudem a realizar as suas tarefas.

A auditoria conclui igualmente que 79 por cento dos pagamentos auditados não contabilizava correctamente os impostos e que em 90 por cento dos contratos não se pagava segurança social , bem como que 83 por cento das pessoas ou serviços contratados não constava dos arquivos belgas de empresas que forneceriam este tipo de serviços. Chega a haver um caso flagrante de um eurodeputado que era o próprio dono da empresa contratada. Outro eurodeputado contratou a própria mulher para ser sua assistente.

Etiquetas:

Europa

Anti-europeísta me confesso. Nacionalista bacoca e primária, se alguns preferirem. Com todos os defeitos deste rectângulo à beira-mar plantado, há algo que me faz pertencer-lhe tão naturalmente como estar viva. Sinto Portugal como meu. Não o Portugal que nos impingem hoje em dia, vazio, tecnocrata, saloio e provinciano, que apenas sabe copiar - e mal - o que existe lá fora. Mas o Portugal que se construiu com a coragem de muitos e a ousadia de outros tantos. O Portugal que é único nas suas raízes e genuíno nos seus costumes. Custa-me, por isso, e custa-me muito, o abastardamento da sua essência, o abdicar de tudo em nome de um politicamente correcto imposto por Bruxelas. Custa-me assistir impávida e serena à doação em tranches da nossa soberania, como se outros caminhos não houvesse e outras soluções não fossem possíveis. Custa-me ver que inexiste um desígnio nacional, para lá da famigerada redução do deficit.
Para que tudo não seja negro, faço-me acompanhar da esperança de que esta Europa rebente, tal como foi pensada pelos senhores do pensamento único, herdeiros directos do iluminismo e jacobinismo.
Até lá, gostava de ver estas questões tratadas com a seriedade exigível. E gostava porque, longe de sentimentalismos, há quem encontre na Europa e na adesão ao euro a raiz próxima dos males actuais de Portugal e aponte como via de solução a nossa saída da união. Gostava ainda porque uma promessa eleitoral é – ou devia ser – digna de respeito e fazê-la para ganhar votos, dando o dito pelo não dito, é gravemente atentatório do sentido de responsabilidade de um estadista. Nada a que não nos tenhamos já habituado, é certo, mas ainda assim passível de crítica. Gostava, por fim, porque aqueles que manejam a palavra democracia ao melhor jeito de bordão linguístico não deviam ter medo de dar a eco ao sentir do povo e seriam mais sérios – se o soubessem ser – se lançassem mão da figura do referendo para lá das situações em que a vitória é certa. Ainda que de uma vitória de Pirro se tratasse, porquanto não tenham dúvidas que Portugal só perde enquanto se continuar a vergar aos mandos e desmandos daqueles que não hesitam em olhar para o seu bem-estar nacional.
Abdicámos de ser nós próprios faz amanhã alguns anos. Perdemo-nos nesse fatídico dia e não soubemos encontrar-nos, mas sim moldar-nos. Sucedâneos de outros, não passamos de farsantes. Nessa Europa que segue alegre e contente para sítio nenhum.

Deputados europeus somam e seguem

Rapto da Europa (32)

Os deputados do Parlamento Europeu aprovaram, no passado dia 22, que o relatório denunciando a apresentação irregular de despesas, no valor anual de 125 milhões de euros, fosse mantido em segredo. Os nomes dos deputados envolvidos também não serão revelados.

Para comemorar este momento histórico da integração europeia, em que Portugal orgulhosamente se insere, os mesmos deputados aprovaram o aumento dos seus salários a partir de 2009. E aprovaram ainda o orçamento da UE para 2006, com três anos de atraso, apesar do próprio Tribunal de Contas Europeu o ter "chumbado" (o que acontece há 13 anos seguidos, note-se bem).

Mais uma notícia para o Miguel Cortez Pimentel rejubilar com a integração europeia.

Pensamentos do Dalai Lima 2441974

Foi uma revolução de 360º.

Bachelard e o PPM

Gaston Bachelard não negligenciava a importância do erro para a evolução do conhecimento. E os erros do PPM são tantos e tão saborosos que seria uma pena não aproveitar alguns.
Perante o desaire da Ala Liberal, o PPM não se interroga sobre as razões últimas do revés da iniciativa. Prefere, com uma habilidade intelectual assinalável, confessar o receio de que o CDS se deixe acantonar, feliz e contente, no seu nicho dos 5/6%. Este desabafo vem, note-se, de quem não consegue sequer convencer 200 militantes do seu próprio partido. Adiante.
Mais interessante, posto que muito mais grave, é porém a concessão pragmática que o PPM parece autorizar. Para ele, muito mais importante do que a mensagem será o mercado. Ou os seus nichos. Não interessa a essência do produto. O que releva é a aceitação que o mercado faz dele. Ora, este é o juízo, simples, de quem se afadiga a vender detergentes. E a tese do PPM, se alguma, não é diferente desta.
Quem está habituado a pensar pela sua própria cabeça e a defender ideias que são suas centrará os seus esforços na tentativa de convencer os outros da bondade intrínseca daquilo em que acredita (e há entre os liberais quem o faça - o Adolfo, por exemplo). Não admitirá jamais a hipótese de defender coisa diferente daquilo que advoga para se acomodar ao último estudo de mercado.
Sugiro, portanto, que o PPM seja coerente consigo próprio. Como a proposta da Ala Liberal não foi bem recebida pelo mercado relevante, procure lançar outra petição, eventualmente com o mesmo nome, oferecendo aos signatários uma colectânea dos seus próprios textos. E, para não correr riscos desnecessários, que junte ao pacote uma cerveja fresquinha e um pratinho de alcagoitas. O calor do verão está a chegar.

Diazepan

O meu caro amigo JV ainda nao percebeu (certamente porque nao quis) que ninguem o rotulou de coisa nenhuma e que apenas procurei denunciar a falta de seriedade dos que se agarram a uma promessa eleitoral para, qual cavalo de troia, entricheirarem o seu desacordo profundo relativamente ao processo de integracao europeia. O debate de ideias e saudavel e recomenda-se; o recurso a expedientes deste genero nem tanto. Foi isso que quis dizer e mais nada.

Por outro lado, nao disse, nem poderia dizer, que quem e a favor de um referendo sobre o Tratado de Lisboa e necessariamete anti-europeu e muito menos afirmei que o JV e anti-europeu (com ou sem Guronsan). Para que fique claro e possamos encerrar este assunto...  

PS: Mal esteve o Partido Socialista, na minha opiniao, ao incluir tal promessa no seu programa eleitoral. Mal esteve tambem o Ministro Luis Amado ao justificar a ratificacao por via parlamentar com a "crise mundial". Concordo, pois, neste aspecto com o RPA o que nao deixa de ser extraordinario!

Venha ele, venha ele

Santana Lopes: "Estou aqui mais uma vez disponível para o combate"
in Público, 23/4/2008

Pela clarificação da direita e o fim da aberração que é o PSD, que venha Santana Lopes. Ainda é melhor do que Menezes.

Quando a hipocrisia atinge o sublime

Rapto da Europa (31)

Luís Amado: "Crise mundial ditou ratificação rápida e por via parlamentar" do Tratado de Lisboa

in Público, 23/4/2008

Mais um que compreende o Miguel Cortez Pimentel.

Guronsan

Para que conste, MCP, não é a questão do referendo ao Tratado que é vazia de conteúdo. Muito pelo contrário, ela é interessante e amplamente reveladora. Vazio de conteúdo é o debate maniqueísta sobre quem é ou não antieuropeu, sobretudo quando se usa para o efeito generalizações, essas sim, pouco sérias. Lamento aborrecer o MCP mas vai ter que "engolir" que exista quem não concorde consigo e, já agora, quem não aprecie ser rotulado por causa dessa discordância. É melhor guardar parte do Alka-Seltzer.

Alka-Seltzer

O JV, no seu último post, revelou estar farto de certos debates blogosféricos vazios de conteúdo, nos quais talvez inclua a questão do referendo ao Tratado de Lisboa. Só para o esclarecer, não procurei fazer quaisquer elaborações sobre a Europa, mas apenas enunciar em poucas linhas que não é serio esconder anti-europeísmo sob o pretexto de que o Tratado deveria ser sujeito a referendo.

Em Portugal afinal os cravos têm espinhos...

Começo por me desculpar pela "ausência de postagens" bem como pela extensão do texto que transcrevo. Todavia não resisto a incluir esta "pérola" de uma personalidade verdadeiramente insuspeita (e de esquerda), cuja leitura de acontecimento sobrescrevo. Quase trinta anos volvidos, com trinta e quatro de democracia (em miníscula intencionalmente) ainda estamos longe de ser uma sociedade avançada. Penso até que a distância perante o terceiro mundo se encurtou...
Espero que um dia (em breve) se faça "história" em vez de "estórias" sobre um "obscuro período" que procurou terminar com o obscurantismo do Estado Novo.
Talvez o 25 de Abril tenha apenas sido uma (r)evolução... Este ano as festividades valem pelo fim-de-semana prolongado. Podem uns maduros andar com um cravos na lapela mas já pouco mais sobra para celebrar se não um certo quixotismo bacoco de uma pseudo-esquerda que se arroga dona e senhora dos valores da civilização.
A ler com a atenção (e reflexão) que merece. Bom feriado!
"O 25 DE ABRIL E A HISTÓRIA
Se alguém quisesse acusar os portugueses de cobardes, destituídos de dignidade ou de qualquer forma de brio, de inconscientes e de rufias, encontraria um bom argumento nos acontecimentos desencadeados pelo 25 de Abril. Na perspectiva de então havia dois problemas principais a resolver com urgência. Eram eles a descolonização e a liquidação do antigo regime. Quanto à descolonização havia trunfos para a realizar em boa ordem e com a vantagem para ambas as partes: o exército português não fora batido em campo de batalha; não havia ódio generalizado das populações nativas contra os colonos; os chefes dos movimentos de guerrilha eram em grande parte homens de cultura portuguesa; havia uma doutrina, a exposta no livro Portugal e o Futuro do general Spínola, que tivera a aceitação nacional, e poderia servir de ponto de partida para uma base maleável de negociações. As possibilidades eram ou um acordo entre as duas partes, ou, no caso de este não se concretizar, uma retirada em boa ordem, isto é, escalonada e honrosa. Todavia, o acordo não se realizou, e retirada não houve, mas sim uma debandada em pânico, um salve-se-quem-puder. Os militares portugueses, sem nenhum motivo para isso, fugiram como pardais, largando armas e calçado, abandonando os portugueses e africanos que confiavam neles. Foi a maior vergonha de que há memória desde Alcácer Quibir. Pelo que agora se conhece, este comportamento inesquecível e inqualificável deve-se a duas causas. Uma foi que o PCP, infiltrado no exército, não estava interessado num acordo nem numa retirada em ordem, mas num colapso imediato que fizesse cair esta parte da África na zona soviética. O essencial era não dar tempo de resposta às potências ocidentais. De facto, o que aconteceu nas antigas colónias portuguesas insere-se na estratégia africana da URSS, como os acontecimentos subsequentes vieram mostrar. Outra causa foi a desintegração da hierarquia militar a que a insurreição dos capitães deu início e que o MFA explorou ao máximo, quer por cálculo partidário, quer por demagogia, para recrutar adeptos no interior das Forças Armadas. Era natural que os capitães quisessem voltar depressa para casa. Os agentes do MFA exploraram e deram cobertura ideológica a esse instinto das tripas, justificaram honrosamente a cobardia que se lhe seguiu. Um bando de lebres espantadas recebeu o nome respeitável de «revolucionários». E nisso foram ajudados por homens políticos altamente responsáveis, que lançaram palavras de ordem de capitulação e desmobilização num momento em que era indispensável manter a coesão e o moral do exército para que a retirada em ordem ou o acordo fossem possíveis. A operação militar mais difícil é a retirada; exige em grau elevadíssimo o moral da tropa. Neste caso a tropa foi atraiçoada pelo seu próprio comando e por um certo número de políticos inconscientes ou fanáticos, e em qualquer caso destituídos de sentimento nacional. Não é ao soldadinho que se deve imputar esta fuga vergonhosa, mas dos que desorganizaram conscientemente a cadeia de comando, aos que lançaram palavras de ordem que nas circunstâncias do momento eram puramente criminosas. Isto quanto à descolonização, que na realidade não houve. O outro problema era da liquidação do regime deposto. Os políticos aceitaram e aplaudiram a insurreição dos capitães, que vinha derrubar um governo, que segundo eles, era um pântano de corrupção e que se mantinha graças ao terror policial: impunha-se, portanto, fazer o seu julgamento, determinar as responsabilidades, discriminar entre o são e o podre, para que a nação pudesse começar uma vida nova. Julgamento dentro das normas justas, segundo um critério rigoroso e valores definidos. Quanto aos escândalos da corrupção, de que tanto se falava, o julgamento simplesmente não foi feito. O povo português ficou sem saber se as acusações que se faziam nos comícios e nos jornais correspondiam a factos ou eram simplesmente atoardas. O princípio da corrupção não foi responsavelmente denunciado, nem na consciência pública se instituiu o seu repúdio. Não admira por isso que alguns homens políticos se sentissem encorajados a seguir pelo mesmo caminho, como se a corrupção impune tivesse tido a consagração oficial. Em qualquer caso já hoje não é possível fazer a condenação dos escândalos do antigo regime, porque outras talvez piores os vieram desculpar. Quanto ao terror policial, estabeleceu-se uma confusão total. Durante longos meses, esperou-se uma lei que permitisse levar a tribunal a PIDE-DGS. Ela chegou, enfim, quando uma parte dos eventuais acusados tinha desaparecido e estabelecia um número surpreendentemente longo de atenuantes, que se aplicavam praticamente a todos os casos. A maior parte dos julgados saiu em liberdade. O público não chegou a saber, claramente; as responsabilidades que cabiam a cada um. Nem os acusadores ficaram livres da suspeita de conluio com os acusados, antes e depois do 25 de Abril. Havia, também, um malefício imputado ao antigo regímen, que era o dos crimes de guerra, cometidos nas operações militares do Ultramar. Sobre isto lançou-se um véu de esquecimento. As Forças Armadas Portuguesas foram alvo de suspeitas que ninguém quis esclarecer e que, por isso, se transformaram em pensamentos recalcados. Em resumo, não se fez a liquidação do antigo regímen, como não se fez a descolonização. Uns homens substituíram outros, quando os homens não substituíram os mesmos; a um regímen monopartidário substituiu-se um regímen pluripartidário. Mas não se estabeleceu uma fronteira entre o passado e o presente. Os nossos homens públicos contentaram-se com uma figura de retórica: «a longa noite fascista». Com estes começos e fundamentos, falta ao regime que nasceu do 25 de Abril um mínimo de credibilidade moral. A cobardia, a traição, a irresponsabilidade, a confusão, foram as taras que presidiram ao seu parto e, com esses fundamentos, nada é possível edificar. O actual estado de coisas, em Portugal, nasceu podre nas suas raízes. Herdou todos os podres da anterior; mais a vergonha da deserção. E com este começo tudo foi possível depois, como num exército em debandada: vieram as passagens administrativas, sob capa de democratização do ensino; vieram «saneamentos» oportunistas e iníquios, a substituir o julgamento das responsabilidades; vieram os bandos militares, resultado da traição do comando, no campo das operações; vieram os contrabandistas e os falsificadores de moeda em lugares de confiança política ou administrativa; veio o compadrio quase declarado, nos partidos e no Governo; veio o controlo da Imprensa e da Radiotelevisão, pelo Governo e pelos partidos, depois de se ter declarado a abolição da censura; veio a impossibilidade de se distinguir o interesse geral dos interesses dos grupos de pressão, chamados partidos, a impossibilidade de esclarecer um critério que joeirasse os patriotas e os oportunistas, a verdade e a mentira; veio o considerar-se o endividamento como um meio honesto de viver. Os cravos do 25 de Abril, que muitos, candidamente, tomaram por símbolo de uma primavera, fanaram-se sobre um monte de esterco. Ao contrário das esperanças de alguns, não se começou vida nova, mas rasgou-se um véu que encubra uma realidade insuportável. Para começar, escreveu-se na nossa história uma página ignominiosa de cobardia e irresponsabilidade, página que, se não for resgatada, anula, por si só todo o heroísmo e altura moral que possa ter havido noutros momentos da nossa história e que nos classifica como um bando de rufias indignos do nome de nação. Está escrita e não pode ser arrancada do livro. É preciso lê-la com lágrimas de raiva e tirar dela as conclusões, por mais que nos custe. Começa por aí o nosso resgate. Portugal está hipotecado por esse débito moral, enquanto não demonstrar que não é aquilo que o 25 de Abril revelou. As nossas dificuldades presentes, que vão agravar-se no futuro próximo, merecemo-las, moralmente Mas elas são uma prova e uma oportunidade. Se formos capazes do sacrifício necessário para as superar, então poderemos considerar-nos desipotecados e dignos do nome de povo livre e de nação independente."
António José Saraiva In o “Diário de Notícias” de 26 Janeiro 1979

quarta-feira, abril 23, 2008

Feitios

O MCP rejubilou (mas pouco) aqui em baixo. De caminho, procurou insultar todos os que não rejubilaram com ele. Bacocos e mesquinhos, todos eles. Toldados pelo inevitável e deprimente orgulho nacional, é o que é. Uns básicos.
Confesso que ando com pouca paciência para a blogosfera e para alguns dos seus mais recentes debates sobre coisa nenhuma. Pode ser que me passe.
Ainda assim, e para não desmerecer o tom empregado pelo Miguel na sua apreciação do que levou alguns quadrúpedes como eu (será do nome, dirão alguns) a colocar reservas à forma de ratificação do Tratado escolhida pelo governo da República, diria apenas que conheço elaborações mais conseguidas sobre o mesmo tema e sobre a mesma posição. Mas, tinha-me esquecido, eu sou um demagogo anti-Europa vazio de conteúdo, a minha opinião não conta. Resta-me apenas vergar-me, temeroso, reverente e reconhecido, ante tamanha lucidez e pragmatismo.

O Tratado de Lisboa, o rapto da Europa ou outra sequela de "Chamem a polícia"

Serenamente, é hora de nos congratularmos por mais um passo seguro e responsável dado por Portugal no sentido da integração europeia. Não é necessário recordar os benefícios deste processo porque os portugueses sabem, aliás, os portugueses sentem-no nas suas vidas.

 

Congratulemo-nos, sim, mas pouco enquanto a Europa viver agrilhoada por esta silenciosa ditadura minoritária que ainda hoje impoe que aspectos tão relevantes para a eficiência do mercado interno (política fiscal, por exemplo) ou para a projecção internacional da Europa e das nações que a compõem (política externa e de segurança) estejam dependentes de bacocos e feridos orgulhos nacionais sequiosos de mesquinha unanimidade.


A demagogia anti-Europa, aquela que se esconde atrás de um putativo anseio de participação popular directa, tão vazia de conteúdo como de pragmatismo só me faz lembrar Luís Filipe Vieira nas reuniões da Liga de Clubes. É caso para dizer: chamem a polícia!

Portugal navega à vista na UE

Rapto da Europa (30)



6 perguntas a:
Manuel Lobo Antunes, Secretário de Estado dos Assuntos Europeus

Realizadas em 23/4/2008

O Dr. Manuel Lobo Antunes é o Secretário de Estado dos Assuntos Europeus, responsável directo pela nossa política face á Europa. Nesta sequência de perguntas e respostas, realizadas no “site” do Expresso (http://aeiou.expresso.pt/gen.pl) e respondidas on-line, podemos confirmar até que ponto é que Portugal não tem política alternativa à posição “seguidista” relativamente aos ditames da União Europeia. A falta de qualquer estratégia fica demonstrada quando o Dr. Lobo Antunes refere que o defunto Tratado Constitucional visava uma federação europeia, o que não é novidade mas foi sempre explicitamente negado pelos sucessivos governos portugueses, quando afirma convictamente que não há qualquer transferência de soberania com o Tratado de Lisboa e quando revela desconhecer os custos e benefícios para o nossos país da sua assinatura.
---
Ricardo Pinheiro Alves: Porque é que os portugueses não se podem pronunciar sobre o processo de integração europeia em que Portugal participa?
Resposta: O Senhor Primeiro-ministro, no Parlamento, explicou longamente e em detalhe (do meu ponto de vista, claro) os motivos pelos quais o governo decidiu não propor um referendo ao tratado de Lisboa. Ao facto não foram alheias as nossas responsabilidades europeias e as consequências das nossas decisões no todo europeu.
Aproveito a sua pergunta - que compreendo - para dizer que, ao contrário do que muita gente diz o Trado de Lisboa é realmente diferente do tratado constitucional. Este pressupunha uma "refundação da Europa, um projecto político, um caminho verdadeiramente supra-nacional de tipo federal para a Europa. Só os Estados têm constituições. Por isso o tratado constitucional supunha (ou pré-supunha a formação de um Estado europeu). Nada disso com o Tratado de Lisboa, que é um tratado de "reforma" ao que existe e não aponta qualquer caminho definitivo em termos de construção política à "nossa" Europa.
Comentário: Porque é que só agora, quando a constituição já foi abandonada, é que o Governo admite que estava em causa um projecto federal para a UE quando nunca o admitiu durante as discussões para a dita constituição? Esta atitude confirma a falta de transparência e de honestidade com que os governos europeus, incluindo o português, têm abordado as questões europeias.

RPA: Qual a legitimidade real do Tratado de Lisboa se os povos europeus não se podem pronunciar?
Resposta: Os povos europeus pronunciar-se-ão a nível nacional conforme as suas escolhas constitucionais e políticas. O tratado será ratificado por cada estado membro de acordo com a opção concreta que fizer. Os portugueses fá-lo-ão por intermédio dos seus deputados à AR democraticamente eleitos em eleições gerais e livres.
Comentário: A promessa de referendar o tratado constitucional pelo actual primeiro-ministro, antes de os portugueses o elegerem, é simplesmente ignorada pelo Dr. Lobo Antunes. Porquê? Porque não interessa recordar coisas tristes.

RPA: Porque é que o Governo não indica aos portugueses quais as áreas em que transferimos soberania com a assinatura do Tratado de Lisboa?
Resposta: O tratado de Lisboa - e esta é uma das inovações - lista claramente as competências que são exclusivas dos estados, as que são partilhadas com a União e aquelas que são exclusivas da União. As chamadas competências em matéria de política externa, defesa, segurança, finanças mantêm-se no domínio intergovernamental.
Às vezes é necessário partilhar poderes com outros porque essa partilha só nos beneficia. O "orgulhosamente sós" não tem definitivamente lugar no mundo da globalização. Não há, no meu entender, novas transferências de soberania com o tratado de Lisboa. Mas sei que alguns entendem o contrário e respeito essas opiniões.
Comentário: O Dr. Lobo Antunes opta explicitamente por ignorar transferências de soberania em 105 novas competências, que foram atribuídas á UE com este tratado, e em 68 novas áreas, que passam a ser objecto de maioria qualificada. Para além disso, Portugal perde as presidências rotativas do Conselho, perde um comissário europeu em permanência. Mas nada disto “comove” o Dr. Lobo Antunes, para quem as transferências de soberania são inexistentes.

RPA: Porque é que as respostas habitualmente dadas pelo Governo sobre o Tratado de Lisboa se centram sempre nas supostas virtudes do processo de integração europeia e nunca abordam directamente os custos e os benefícios da entrada em vigor do referido tratado?
Resposta: Porventura tem razão. Se for esse o caso, penitencio-me desse mal. Haverá certamente algumas contrapartidas (prefiro a custos), mas como em tudo terão que ser avaliadas em função dos benefícios. E no prato da balança julgo, estou convicto (mas de novo, aceito obviamente ponto de vista contrário) que aquele pende claramente a favor das vantagens.
Comentário: Apesar de admitir que posso ter razão o Dr. Lobo Antunes limita-se a reproduzir o já estafado discurso dos Governos portugueses. Factos, não apresenta nenhum.

RPA: Porque é que o Governo não apresenta publicamente os custos que Portugal vai ter de suportar com a assinatura do Tratado de Lisboa?
Resposta: Não sei exactamente de que custos fala (materiais? políticos?). Em todo o caso, e qualquer deles, serão divulgados quando forem conhecidos e se os houver (sinceramente, em termos políticos acho que vamos ter, em vez de custos, lucros).
Comentário: Esta resposta só vem reforçar a convicção da falta de estratégias política do governo português. Temos de fazer o que os europeus querem, para sermos “bem vistos”. Se há custos não interessa. Quando vierem, se os houver, serão então divulgados. Há muito que não lia a admissão de tamanha irresponsabilidade.

RPA: Porque é que o Governo prometeu consultar os portugueses sobre o Tratado de Lisboa e não o fez?
Resposta: Julgo que já respondi anteriormente a esta pergunta. Julgo que não é por não haver referendo que o debate intenso, livre, contraditório, amplo, sobre o tratado de Lisboa não será possível.
Comentário: Quando não se conhecem detalhadamente os custos e os benefícios de uma opção política que nos afecta a todos e se decide com base na boa impressão que tem de se causar lá fora, não há debate sério possível.

Continuo à espera...

... que o PPM tente responder às perguntas formuladas, há um tempo, a propósito da doutrina liberal no CDS. É que, agora que a Atlântico fechou as portas, o "fecho" da edição da revista deixa de ser desculpa bastante e o silêncio torna-se por demais eloquente!

Cromos da blogosfera

Chicken Little

Nado morto

Há quem ande muito deprimido com a morte prematura da Ala Liberal do CDS. Entendem, não sem graça, que ela é sinal de que o partido, afinal, não gosta de ver afirmada uma “fonte de atracção de novas gerações para o debate de ideias”. Não me revejo nas águas que jorram dessa fonte, mas não vejo mal nenhum que dela alguém possa beber. E nem me parece, em homenagem aos sacros princípios que enformam o dito liberalismo, que os liberais precisem de ver institucionalizada uma “tendência”. Será, a meu ver, um paradoxo. Essa corrente de pensamento não ficará impedida de ser perfilhada e defendida, apesar de o partido a ela não ter aderido. Quando digo “partido”, falo dos militantes. De pessoas. É óbvio que os militantes não se deixaram seduzir pela bondade dos princípios hasteados pelos seus promotores. Claro que não terá ajudado, por ter turvado as águas do debate de ideias, a trapalhada de dizerem, primeiro, que não põem em causa a essência do Estado Social, para, logo depois, defenderem, pura e simplesmente, a sua substituição. Melhor teria sido que o dito debate de ideias tivesse começado entre eles.
Posso compreender o desânimo de quem vê os outros ignorarem propostas que consideram boas, mas pasma-me o autismo com que lidam com ele. Já foi dito que, o mais provável, é o CDS não ser um partido liberal. Ou, dito de outra maneira, o mais certo é que os militantes do CDS não se revejam, como eu não me revejo, nos postulados da Ala Liberal. Mas dizer isto não altera a essência do pressuposto liberal nem significa que não possa ser dado espaço, no próprio CDS, às suas propostas.
Se compreendo o desânimo, como disse, acho desconcertantes algumas reacções. Basta ler o programa do partido (texto que talvez os militantes mais recentes têm mais fresco na memória) para perceber que o CDS não é (ou não é só nem principalmente) um partido liberal. O que não faz dos militantes do CDS (todos menos os cerca 200 que aderiram à Ala Liberal) defensores do partido acantonado a nichos de mercado ou “agarrado à bíblia da democracia-cristã”, senhores de verdades únicas e definitivas. Este argumentário é de um maniqueísmo confrangedor e, julgava eu, património exclusivo de democratas do mesmo quilate que o dos ululantes dirigentes do Bloco de Esquerda. Não é, infelizmente. Há mais quem não aprecie ser confrontado com opiniões diversas e seja muito lépido na rotulagem dos seus opositores. Mas esses, pensava eu, não costumam dizer-se liberais.

Tratado de Lisboa hoje na Assembleia da República

Rapto da Europa (29)


Negro Luto

Negra de luto vai a gente
Nesta pobreza lusitana
Noite negra e profana
Neste andar descontente.

Negro luto tem o povo
Nesta pobreza portuguesa
E mais negro é certeza
No futuro que se quer novo

Negra noite deste inverno
Luto negro português
Quem terá a sensatez

De mandar para o inferno
Num condenar para o eterno
Quem este negro nos fez


Paulo César

Etiquetas:

terça-feira, abril 22, 2008

Para o Tiago Machado da Graça

Para o nosso Amigo Tiago Machado da Graça, com um forte abraço.


(…)

As mães são as mais altas coisas
que os filhos criam, porque se colocam
na combustão dos filhos, porque
os filhos estão como invasores dentes-de-leão
no terreno das mães.
E as mães são poços de petróleo nas palavras dos filhos,
e atiram-se, através deles, como jactos
para fora da terra.
E os filhos mergulham em escafandros no interior
de muitas águas,
e trazem as mães como polvos embrulhados nas mãos
e na agudeza de toda a sua vida.
E o filho senta-se com a sua mãe à cabeceira da mesa,
e através dele a mãe mexe aqui e ali,
nas chávenas e nos garfos.
E através da mãe o filho pensa
que nenhuma morte é possível e as águas
estão ligadas entre si
por meio da mão dele que toca a cara louca
da mãe que toca a mão pressentida do filho.
E por dentro do amor, até somente ser possível
amar tudo,
e ser possível tudo ser reencontrado por dentro do amor.

Herberto Helder

Tendências no CDS

A diferenciação de produtos, na teoria microeconómica, tem como objectivo convencer os consumidores de que os produtos oferecidos por um determinado agente económico não têm substituto ou sucedâneo, razão que torna justificável a cobrança de um preço superior ao que seria praticado se esta não fosse a convicção do consumidor. Por exemplo, o mercado do sabão é muito padronizado, logo as empresas produtoras deste higiénico produto dispõem-se a investir rios de dinheiro em campanhas de publicidade e informação, visando a diferenciação do seu produto face ao que é produzido pelos concorrentes (o nosso cheira melhor; o nosso é mais macio, etc.). Por vezes, esta estratégia de comunicação é complementada por outra: a antecipação da concorrência, evitando que ela, de facto, surja. Foi isso, por exemplo, que pretendeu o Arq. Saraiva quando apresentou ao Dr. Balsemão o projecto do SOL. Se há espaço para um outro jornal, que seja nosso também.
Também no sistema partidário isto sucede. A ideia de criar movimentos ou partidos satélites não é novidade. Nem mesmo em Portugal. "Álvaro Cunhal sempre gostou de inventar partidos. Partidos que se aliassem ao PCP e partidos que dividissem o PS. Sempre gostou de inventar movimentos unitários, completa e totalmente constituídos por militantes comunistas. Apoiámos militantemente todos os movimentos ou personalidades que de qualquer forma pudessem corresponder a esse desígnio. " (Zita Seabra em Foi Assim).
O projecto de institucionalização das tendências no CDS tem, porém, uma originalidade. O PCP promove a criação de partidos e movimentos exteriores ao PCP, sem que a essência deste seja adulterada. Permite esta estratégia, a da diferenciação de produtos, afirmar o PCP como uma organização federadora de interesses diversos, mas convergentes, esperando este ser remunerado com uma maior expressão eleitoral. Já o CDS incentiva a implementação do mesmo raciocínio sem a vantagem da vocação federadora do PCP. Fingimos que somos muitos, e bem diferentes, para podermos penetrar em vários e distintos nichos de mercado. Eu sou liberal, e, por isso, voto no CDS, já tu, que és conservador, podes votar também no CDS. Eles, que são outra coisa qualquer, terão também no CDS o seu cantinho. Esta diferenciação interna de produtos, em política, toma muitas vezes a mais prosaica denominação de “albergue espanhol”.

Proclamações, Práticas e Discursos (13)

Quando Cezar desembarcou em Africa, deu uma quéda; isto que podia ser olhado pelo seu exercito como mau presagio, elle o preveniu abraçando a terra, e dizendo. " Africa, és minha!"
Capitão Bento José da Cunha Vianna em Guia do Orador Militar, 1848

Etiquetas:

Da miopia à cegueira

Concordo com a tese de Rui A.: no CDS tudo quanto procura mexer é visto como uma ameaça aos donos do partido. Concordo ainda com a ideia de que os ditos donos do partido se assenhorearam das estruturas locais, que transformaram em propriedade sua, e donde não saem nem deixam entrar ninguém. Com a conivência, diz o Rui A., ou com o patrocínio, diria eu, da Direcção nacional. Ora, concordando eu com as evidências que o Rui A. apresenta não pude deixar de estranhar que o PPM com elas também concordasse. E o meu espanto vem da circunstância de ir acompanhando os escritos do PPM sobre o assunto e deles nunca ter resultado que ele acreditasse na existência de “donos do CDS” ou que entendesse que as estruturas locais do partido estavam tomadas por pessoas que delas não saem, por óbvias razões, nem pretendem que outros entrem. O PPM, que afinal até concorda com o que há algum tempo alguns militantes vêm denunciando, é o mesmo que, depois, lamenta o facto de haver quem discuta concelhias em Santarém ou distritais em Lisboa. Esse lamento não revela apenas miopia. Escancara uma incurável cegueira.

segunda-feira, abril 21, 2008

Júdice apela à clarificação da direita

Nem a propósito, José Miguel Júdice, na entrevista de ontem publicada pelo DN, faz um apelo para que o que há de melhor (e de direita) no PSD e CDS se juntem para criar um novo partido. Quanto mais a criação deste partido for atrasada mais o PS beneficia.

sexta-feira, abril 18, 2008

Deixem ficar o Menezes

O PSD fervilha. Mas a grande questão é se alguma coisa vai mudar com tanta fervura. Interessa clarificar a direita em Portugal e o PSD é o principal obstáculo a que essa clarificação se faça.

Se Menezes se recandidatar e ficar como líder, fica quase tudo na mesma. A oposição não existe, Sócrates ganha com maioria absoluta. Mas pode ser que a direita se clarifique. Para isso era necessário partir o PSD entre os sociais-democratas e os que realmente são de direita, e a dupla Menezes-Santana é a melhor para o conseguir.

Se ganhar outro candidato, Ferreira Leite ou Aguiar Branco, também fica quase tudo na mesma. Sócrates ganha com maioria absoluta e a direita não mexe. Muda apenas a oposição, que passa a ser mais responsável, apesar de "queimar" mais um candidato sério.

O preço da clarificação da direita é muito baixo, é apenas a derrota de Menezes. Deixem ficar o Menezes.

Vai-se fazendo...

E disse mais:
"O 25 de Abril «valeu a pena» já que foram concretizados os três ‘Dês’, - Democracia, Descolonização e Desenvolvimento -, que nortearam o programa do Movimento das Forças Armadas (MFA). «A democracia está aí, a descolonização foi realizada e o desenvolvimento vai-se fazendo»".
Se experimentarmos adjectivar objectivamente a democracia, a descolonização e o desenvolvimento atingidos, talvez as conclusões quanto à revolução não sejam tão ... evidentes.

Ler para crer...

Otelo Saraiva de Carvalho dixit (aqui):

«A Europa e os Estados Unidos têm de se unir e cooperar para fazer face à concorrência asiática», a qual - frisou - «põe em causa não só a sua economia e as suas empresas, como o seu modelo social de bem-estar».

Unirmo-nos com esses vilões dos americanos????

IPA 31


Uma achega para o debate sobre o casamento e o dívórcio

"Eliminar" a culpa do divórcio é eliminar a responsabilidade com consequências noutras áreas sociais

Isílda Pegado
in Público, 17/4/2008

O país está a assistir ao debate sobre mais uma das chamadas questões fracturantes: Família, Casamento e Divórcio.
O casamento enquanto fonte e forma da relação estável, entre um homem e uma mulher, com vista à comunhão de vida, à procriação e educação dos filhos, não é uma invenção da sociedade ocidental de inspiração judaico-cristã. Em todos os tempos e civilizações encontramos formas legais que protegem esta relação entre homem e mulher. Qual o interesse da lei, da sociedade que dita normas para, de forma especial, tutelar o que parece ser uma questão do foro íntimo de cada um? A resposta é meramente ideológica ou religiosa?
A conclusão é apenas esta: a sociedade precisa do casamento e de famílias estáveis. E por isso cria um corpo de leis que dão aos cidadãos esta informação: a família é um bem. "A família é o elemento natural e fundamental da sociedade e tem direito à protecção desta e do Estado" (Declaração Universal dos Direitos do Homem).
A família é um bem porque, em primeiro lugar, é a única célula-base da sociedade que permite naturalmente fazer organização social, aprendizagem, subsistência, autoridade e ordem.
Em segundo lugar, a família é um bem porque é naturalmente o lugar próprio à procriação - e a sociedade precisa de novas pessoas, de se renovar para subsistir. É no casamento onde, de uma forma mais plena de satisfação, emergem novas vidas. Porque há uma partilha natural de esforços que colhe protecção social (no casamento), pela estabilidade e protecção que cada um dos progenitores reciprocamente dá ao outro e pela economia de meios que a vida em comum proporciona.
Por isso, uma política de natalidade não tem sentido se não for simultaneamente "amiga" do casamento. A procriação resulta mais facilmente do casamento do que de um subsídio. O casamento gera filhos. O subsídio não procria. Porém, o primeiro instinto do indivíduo é o da sobrevivência. É inútil falar de família se ela for, através do divórcio, um atentado ao indivíduo e assim destruídos direitos individuais. "Eliminar" a culpa é eliminar a responsabilidade com consequências noutras áreas sociais. A precariedade das relações facilitadas pelo divórcio, a ausência de uma lei protectora do património familiar ou um laxismo na regulação do poder paternal são atentados à família e ao casamento que, em última instância, no tempo, afastam o indivíduo desta prática (casar). Alguns países têm já experimentado legislações que desvalorizam o casamento. Aquilo a que assistimos, alguns anos após, é a baixa de natalidade, com níveis alarmantes que exigem recursos políticos de enorme esforço financeiro (com pouco sucesso).
Por fim, lembrar que o casamento foi regulado na lei civil para proteger os mais fracos (as mulheres e os filhos). Destruir o instituto do casamento é deixar os mais fracos desprotegidos, sejam eles quem forem. Os ricos teriam sempre grandes contratos antenupciais estudados por bons juristas (é o que vemos em alguns estados dos EUA). Na violação desses contratos terá sempre de ser apreciada a culpa. Os pobres, sem culpa, ficam cada vez mais pobres e desprotegidos. Para os ricos, continuará a haver culpa e casamento. Os pobres serão cada vez mais descartáveis. Ex-deputada pelo PSD

Etiquetas:

Propaganda ao Metro de Lisboa

Vá de Metro, Satanás

Alexandre O´Neill

quinta-feira, abril 17, 2008

Quem casa quer casa (ou Casamento, apartamento!)

Quem casa?

João César das Neves

O poder vem ensaiando a medo um ataque à Igreja. «Para sustentar a tese da 'secularização', o PS avança com números: em 1960, 90,7% dos casamentos em Portugal eram católicos. Em 1981, baixaram para 74,6% e para 52% em 2006 (Expresso, 12 de Abril). A coisa até é mais dramática que isso: no ano 2000 os casamentos católicos eram 64,8% e desde então caíram para os referidos 52,1%. A descida tornou-se derrocada. Como explicar que a Igreja perca um quinto da sua influência em seis anos?

Poucas coisas são mais perigosas que números nas mãos de quem não os entende. O que está a acontecer nos casamentos tem pouco a ver com a Igreja. Na última década entraram em Portugal quase meio milhão de imigrantes. A maior parte deles são jovens e em idade de casar. Como os portugueses deixaram-se disso, o que acontece simplesmente é que uma percentagem crescente (ninguém sabe qual) de casamentos são de estrangeiros que, embora religiosos, não são católicos.

Este ano o INE procurou incluir esse elemento. Mas como, de 2000 a 2006, só conseguiu detectar 12 casamentos religiosos não-católicos, a estimativa está longe de ser segura. A verdade é que nas comunidades estrangeiras, cabo-verdianas, ucranianas, chinesas, etc, as pessoas casam sem ligar ao Estado e ao INE.

Assim, os números citados não mostram uma secularização. Mostram uma derrocada da família portuguesa. Isso é um problema estrutural gravíssimo, que devia merecer a atenção do Governo. Este toma medidas: facilita o divórcio! Poucas coisas são mais perigosas que o poder nas mãos de quem não o entende.

O Sporting deu 5

"Com colchões Lusoespuma não se dá só uma"

Alexandre O'Neill

Pensamentos do Dalai Lima %%%%%%%%%

Governo estende crédito
bonificado até aos 50 anos.
Importador da Audi satisfeito.

É mais forte do que eu!


Um grande abraço a todos!

quarta-feira, abril 16, 2008

Sobre o 11 de Março de 1975

- Então e agora a iniciativa privada?
- Privada de iniciativa!

Alexandre O'Neill

terça-feira, abril 15, 2008

Mais uns que não se calam

Rapto da Europa (28)

IDEIAS CLARAS NOS ANTÍPODAS

Numa entrevista a propósito do seu 10º aniversário como PM australiano, John Howard defendeu o seu povo como muito eu gostaria de ver ser feito aqui nos antípodas!
Deixo alguns excertos da entrevista, numa tradução livre (pouco feliz...), e um link para maior detalhe.
"Os imigrantes não-australianos devem adaptar-se. É pegar ou largar! Estou cansado de saber que esta nação se inquieta ao 'ofendermos' certos indivíduos ou a sua cultura. Desde os ataques terroristas em Bali, assistimos a uma subida de patriotismo na maioria dos Australianos".
"A nossa língua oficial é o Inglês; não é o Espanhol, o Libanês, o Árabe, o Chinês, o Japonês, ou qualquer outra língua. Por conseguinte, se desejam fazer parte da nossa sociedade, aprendam a nossa língua!"
"A maior parte dos Australianos crê em Deus. Não se trata de uma obrigação cristã, de influência da direita ou pressão política, mas é um facto, porque homens e mulheres fundaram esta nação sobre princípios cristãos, e isso é ensinado oficialmente. É perfeitamente adequado afixá-lo sobre os muros das nossas escolas. Se Deus vos ofende, sugiro-vos então que encarem outra parte do mundo como o vosso país de acolhimento, porque Deus faz parte da nossa cultura".
"Nós aceitaremos as vossas crenças sem fazer perguntas. Tudo o que vos pedimos é que aceitem as nossas e vivam em harmonia e em paz connosco. Este é o nosso país, a nossa terra e o nosso estilo de vida. E oferecemos-vos a oportunidade de aproveitar tudo isto. Mas se vocês têm muitas razões de queixa, se estão fartos da nossa bandeira, do nosso compromisso, das nossas crenças cristãs, ou do nosso estilo de vida, incentivo-os fortemente a tirarem partido de uma outra grande liberdade autraliana: o direito de partir. Se não são felizes aqui, então partam. Não vos forçámos a vir para aqui. Vocês pediram para vir para cá. Então, aceitem o país que vos aceitou".

Quando o crime compensa

Rapto da Europa (27)

Quando o crime compensa ... pelo menos em termos materiais e de egocentrismo


Barroso perto da presidência do Conselho Europeu

in Público, 15/4/2008

Etiquetas: ,

Acerca das mortes na praia

"Passem um Verão desafogado"

Alexandre O'Neill

segunda-feira, abril 14, 2008

Contra o facilitismo do divórcio

por Matilde Sousa Franco

Pedi superiormente autorização para votar, na Assembleia da República,
contra o Projecto de Lei nº 485/X do Bloco de Esquerda que «Cria o
Regime Jurídico do divórcio a pedido de um dos cônjuges». Tendo sido a única
deputada do PS a votar contra, julgo dever explicar melhor a minha posição,
através desta Declaração de Voto.
---
Os deputados do BE vêm insistindo há anos no divórcio unilateral. Em Maio de
2007, como lembram agora no Projecto de Lei acima referido, «não faltaram
acusações ao Bloco de Esquerda – que queria liberalizar o casamento ou mesmo
acabar com ele, que propunha «o divórcio na hora». Afirmaram eles também,
por exemplo, que se trata «da mais importante proposta de modernização do
direito de família desde 1975».

Entretanto, foi criada na Assembleia da República, com a reforma do
Parlamento, a Subcomissão da Igualdade de Oportunidades e Família, à qual
pertenço, e estranho este assunto não ter sido aí presente.

1 – Divórcio como prémio para o infractor

Por outro lado, no aspecto jurídico do actual Projecto de Lei, cito o juiz
Pedro Vaz Patto no artigo: «O Divórcio Unilateral e a Sociedade sem
Vínculos» …«não se trata de qualquer progresso. Será, antes, o culminar de
uma progressiva descaracterização do próprio casamento e do próprio direito
da família… O casamento passará a ser, talvez, o mais instável e precário
dos contratos, mais do que um contrato de trabalho ou de arrendamento… Daqui
à abolição do próprio casamento, à sua irrelevância jurídica, o passo é
muito pequeno. O divórcio começou por ser encarado como uma sanção contra o
cônjuge que violou gravemente os seus deveres conjugais… Com o divórcio
unilateral, aquilo que começou por ser uma sanção contra quem viola os
deveres conjugais acaba por ser um prémio para o infractor. Sempre se
considerou um progresso civilizacional, reflexo da influência cultural do
cristianismo, a abolição da figura do repúdio, que permitia ao marido a
desvinculação imotivada dos seus compromissos conjugais. Com o divórcio
unilateral, pode dizer-se que renasce das cinzas tal figura. Dir-se-á que se
trata, agora, de um direito de qualquer dos cônjuges, e já não apenas do
marido. Mas, di-lo a experiência e também vários estudos, é, na maior parte
dos casos a mulher a sofrer as consequências nefastas (no plano económico,
psicológico e afectivo) da ausência de vínculos e do abandono conjugal. Nas
famílias monoparentais, o progenitor ausente é sempre o pai. Nunca houve
tantas mulheres sós e pobres…»

2 – Essencial estabilidade familiar

Como historiadora, verifico que os proponentes têm uma visão histórica muito
restrita no documento em questão e em outras declarações. Sobre o aspecto
histórico, cinjo-me agora à obra laica e abrangente (em 2 volumes) «Histoire
de la Famille», sob a direcção de André Burguière, Christiane
Klapisch-Zuber, Martine Segalen, Françoise Zonabend, edição Armand Colin,
Paris, 1986, com prefácio de Claude Lévi-Strauss. Este antropólogo social
escreve aqui (pág. 11): «La tendance générale est aujourd'hui d'admettre que
la «vie de famille», au sens que nous-mêmes donnons à cette locution, existe
dans l'ensemble des sociétés humaines. La famille, fondée sur l'union plus
ou moins durable mais toujours socialement approuvée d'un home et d'une
femme qui se mettent en ménage, procréent et elèvent des enfants, serait,
affirme-t-on souvent, présente dans tous les types de sociétés.» Havendo
excepções, escreve na pág. 12 que: «la famille conjugale y semble três
frequente et que, partout où sa forme s'altère, on a affaire à des sociétés
dont l'évolution sociale, politique, économique ou religieuse à suivi un
cours particulier.» A «Histoire de la Famille» abrange desde a Pré-História
à época actual, referindo numerosas civilizações e diferentes continentes.
Por exemplo, a propósito da antiga civilização egípcia, onde era prática o
repúdio por parte do homem e da mulher, são já largamente admitidos os
sentimentos pessoais de ambos.

Jock Goody, prefaciador do 2º volume da «Histoire de la Famille», que trata
da modernidade, escreve na pág. 12 «… en Chine rouge ou en Union Soviétique,
les assouplissements apportés aux législations familiales dans les débuts du
régime ont été ensuite modifiés, en partie pour des raisons politiques, en
partie pour répondre à des aspirations populaires généralement partagées;
des rituels laïcs se sont développés autour du mariage, et le divorce comme
l'avortement ont rencontré de plus en plus de difficultés.» Na pág. 13
escreve o mesmo autor: «Des gouvernementes du monde occidental ont adopté
une ligne différente en vue de maintenir une stabilité relative de leur
population et on même offert des allocations spéciales aux familles
nombreuses.»

Quando se invocam o repúdio, o divórcio, o aborto, como sendo modernos e de
esquerda, é interessante vermos a antiguidade milenar destas práticas e as
flutuações recentes que diversos condicionalismos lhes imprimiram, como, por
exemplo, a «Histoire de la Famille» objectivamente refere, e conforme
transcrevi. Acentue-se também o enfoque que, perante a «bomba de relógio
demográfica» actual, neste livro se dá ao apoio dos governos à criação de
famílias numerosas, para o que é essencial estabilidade familiar, não
bastando incentivos financeiros.

3 – Cristianismo aboliu Repúdio, protegendo as mulheres

É amplamente reconhecido ser corrente o repúdio também noutras épocas e
civilizações, como a judaica, a muçulmana, etc.

Sobre o repúdio judaico leia-se o Evangelho de S. Marcos, 10 – Jesus e o
divórcio - «Aproximaram-se uns fariseus e perguntaram-lhe, para o
experimentar, se era lícito ao marido divorciar-se da mulher. Ele
respondeu-lhes: «Que vos ordenou Moisés?». Disseram-lhe: «Moisés mandou
escrever um documento de repúdio e divorciar-se dela.» Jesus retorquiu:
«Devido à dureza do vosso coração é que ele vos deixou esse preceito. Mas,
desde o princípio da criação, Deus fê-los homem e mulher. Por isso, o homem
deixará seu pai e sua mãe para se unir à sua mulher, e serão os dois um só.
Portanto, já não são dois, mas um só. Pois bem, o que Deus uniu, não o
separe o homem.»

Anote-se, a propósito, o que quase nunca é mencionado: a declaração de
nulidade dos matrimónios que a Igreja Católica tem feito ao longo dos
séculos, quer a pedido de mulheres ou de homens, sem grandes custos
materiais e muitas vezes demorando menos tempo e envolvendo menores
conflitos do que os processos civis de divórcio, e tendo-se as declarações
de nulidade continuado naturalmente a realizar mesmo quando não havia
permissão de divórcio civil.

É claro que sou a favor do divórcio civil e penso que este sempre devia ter
existido, mas não deve tornar-se agora numa espécie de novo repúdio,
qualquer que seja a forma adoptada, pois o divórcio envolve sempre tristeza
e dor.

4 – Política deve utilizar moderna ciência da felicidade

Sublinhe-se que no séc. XXI há inovadoras formas científicas de lidar com a
inteligência emocional e social, que poderosamente ajudam à realização
individual e interpessoal, à felicidade, e inclusivamente a evitar
divórcios. Portanto, é esta a terceira via que eu advogo, na sequência de
anteriores tomadas de posição.

O Projecto de Lei nº 485/X do BE começa por citar: «O tema do divórcio…
sugere mal-estar, sofrimento… os processos de ruptura conjugal são
emocionalmente dolorosos» (in Anália Cardoso Torres, «Divórcio em Portugal,
Ditos e Interditos – Uma análise sociológica», Celsa Editora, 1996, p.1)

Também quero evitar o imenso sofrimento causado por choques emocionais, e
igualmente concordo com o Projecto de Lei do BE, quando refere a «exigência
da afectividade» e a necessidade da «sentimentalização da família». No
entanto, temos de ser realistas e acompanhar os estudos universitários
recentes sobre felicidade científica, não podendo sentimentalizar
excessivamente o amor, pois este é uma construção permanente, que implica
esforço. O divórcio de qualquer tipo (ou divórcios sucessivos), ou meras
ligações sentimentais múltiplas não trazem a verdadeira felicidade, como
estudos científicos comprovam.

Permita-se-me referir a Declaração de Voto que apresentei em 6 de Junho de
2007 (Diário da Assembleia da República, I série, 8 de Junho de 2007, pp. 49
a 51) sobre a necessidade de se criar uma disciplina obrigatória do 1º ao
12º ano de escolaridade de «Educação para a Felicidade», com base nos
conceitos científicos de inteligência emocional, o que me têm dito ser uma
urgência. As teorias complementares e ainda mais actuais da inteligência
social podem-se aplicar já por exemplo ao divórcio.

Cito Daniel Goleman «Social Intelligence. The Revolutionary new Science of
Human Relationships»,* *Bantam* *Dell, New York, 2007 (livro que tem os
subtítulos «Beyond IQ, beyond Emotional Intelligence»). A propósito desta
nova ciência, a «social neuroscience», ela tornou-se um assunto científico
de topo para o séc. XXI e prova que: «we are hardwired to connect, we are
programmed for kindness, and we can use our social intelligence to make the
world a better place»; «good relationships nourish us and support our
health, while toxic relationaships can poison us. And our success and
happiness on the job, in our marriages and families, even our ability to
live in peace, depend crucially on the emotional radar and specific skills».
Daniel Goleman nesta obra cita por exemplo John Gottman, um psicólogo da
Universidade de Washington que se tornou um perito no que faz os casamentos
terem sucesso ou falharem: «In dating couples, the most important predictor
of whether the relationship will last is how many good feelings the couple
shares. In marriages, it's how well the couple can handle their conflicts.
And in the later years of a long marriage, it's again how many good feelings
the couple shares» (pág. 219).

5 – Portugal pioneiro do humanismo do séc. XXI

Com a Ciência a apontar-nos cada vez mais certeiramente o caminho para a
felicidade, através da inteligência emocional, desde há décadas, e agora
também através da inteligência social, parece-me um inexplicável
desfasamento que a nível das cruciais decisões políticas estes conhecimentos
científicos ainda não sejam tidos em conta e aplicados. Portugal, no seu
multissecular vanguardismo humanista, deveria, na minha opinião, desempenhar
também aqui um vanguardismo descomplexado e até orgulhoso de ir contra a
corrente divorcista em moda, evitando a dor e lutando pela alegria que o
humanismo implica.

Não são os divórcios unilaterais, na hora, etc., que trazem a felicidade.
Luto por uma sociedade profundamente mais feliz, baseada nos afectos.
Acredito na comprovada felicidade científica, que passa pela inteligência
emocional e pela inteligência social. Urge criar estes princípios e estas
práticas na disciplina escolar de Educação para a Felicidade, mas também na
legislação que trata da Felicidade dos Indivíduos e das Famílias.

6 – Marco civilizacional: declaração universal dos direitos humanos

Lembro a Declaração Universal dos Direitos Humanos, que este ano comemora 60
anos, e no seu Artigo 16º estipula: «1 – A partir da idade núbil, o homem e
a mulher têm o direito de casar e de constituir família…; 3 – A família é o
elemento natural e fundamental da sociedade e tem direito à protecção desta
e do Estado».

1994 foi o Ano Internacional da Família (AIF) e a simbologia que acompanhou
esse ano foi: «Família: A mais Pequena Democracia no Coração da Sociedade».
O tema que a ONU propôs a todos foi: «Família: Capacidades e
Responsabilidades num Mundo em Transformação».

A Família, que é a mais Pequena Democracia, deve ter o maior apoio da maior
Democracia.

Palácio de S. Bento, 27 de Março de 2008

Pensamentos do Dalai Lima toctoctoctoc


Eram cinco irmãs:

Arlete, Elisabete, Lisete, Rosete

e Gillette, a preferida do pai.

ensaio sobre a loucura

A propósito da ida de Cavaco Silva à Madeira, é obrigatório ouvir o que Alberto João Jardim disse relativamente à não realização de sessão na Assembleia Legislativa na Madeira. Uma delícia. Imagino que Jaime Gama ainda se esteja a rir do humor de Jardim. Tentem ouvir aqui (como não consigo link directo, depois de abrirem página com notícia têm de carregar no registo áudio na coluna da direita onde se diz "Alberto João Jardim concordando na não realização da sessão solene").

muito aconselhável

"(...) Pode perguntar-se a origem desta tolice. A resposta, como sempre, está no facto de estes pobres deputados acreditarem nos seus próprios estudos. Aquelas análises que há cem anos lhes diziam que a religião ia acabar e há 50 asseguravam que a empresa e o mercado estavam condenados agora sugerem-lhes que promovam uniões de facto, divórcio e promiscuidade. O problema destes socialistas não é o socialismo. É a miopia." (João César das Neves)

domingo, abril 13, 2008

Sinais dos tempos



Ouvir o meu sogro chamar leitor de vinil ao velhinho gira-discos.

sexta-feira, abril 11, 2008

Em resposta à falta de jeito

Cara Beatriz,

1) A Beatriz não apoiou qualquer atropelo estatutário e o processo que conduziu à eleição do Dr. Paulo Portas foi, à época, julgado como estatutariamente adequado e possível pelo Conselho Nacional de Jurisdição. E não é que isto releve, porque acredito que quem aplica os estatutos o faz por análise jurídica séria e independente, mas relembro que este órgão tinha sido eleito em lista afecta ao Dr. Ribeiro e Castro por oposição a uma lista, à época, encabeçada pelo Dr. João Rebelo.

Depois da presunção, a Beatriz optou por recorrer ao humor. Só mesmo o humor pode justificar a classificação de “Análise jurídica séria e independente” ao aborto que saiu do Conselho Nacional de Jurisdição cuja manipulação, se bem me lembro, foi pronta e publicamente denunciada por vários dos seus membros. Para reforçar a sua lúcida interpretação a Beatriz recorre, uma vez mais, aos argumentos formais escamoteando a realidade. É pouco. É poucochinho.
---


2) Não me parece, de todo, má fé optar por antecipar as eleições em um mês ao invés de as protelar 4 meses, numa época em que, como sabemos, o calendário eleitoral é muito apertado e é fundamental que as distritais e concelhias se preparem para os actos eleitorais que aí vêm. Foi esta a explicação que foi dada em Assembleia Distrital e eu tomo-a por boa.

A Beatriz toma por boa as explicações que lhe dão mesmo quando estas resistem mal ao teste da realidade. Ah, e quando lhe convêm.

3) Eu não acho, meu caro MSN, mas ouvi ontem que a forma de dar as boas vindas aos novos militantes era deixá-los votar e que seria muito difícil de lhes explicar porque não o poderiam fazer. Confesso que eu já me filiei no CDS há uns anos, mas não me lembro de na altura estar muito interessada em votar. Queria aprender, participar, intervir, e votar não era, de todo, a minha prioridade. Estes 100 novos militantes terão todo o tempo de votar para as suas concelhias, distritais e até no líder, em eleições directas.

Uma vez mais, revestida de púdica aura, a Beatriz revela à blogosfera que, mais do que votar, queria aprender, participar, intervir. É bonito, chega até a comover, mas a verdade é que a aprendizagem, a participação e a intervenção dos militantes dos partidos que não tenha em conta a existência de eleições ou que lhes coarcte a possibilidade de votar é não só fútil como estéril. É inevitável constatar que a idealista Beatriz que não estava interessada em votar deu lugar a uma outra que está interessada em que os outros não votem. Há quem lhe chame evolução.

4) Como disse, e mesmo podendo desmascarar o facto de já ter alguns anos, eu filiei-me no CDS com 18 anos, há 8 anos. Nessa altura era Presidente o Dr. Paulo Portas. Sempre ajudei o partido no que me foi pedido. Sempre dei o que de melhor tinha pelas causas em que acreditava. Há 8 anos. Não me iria, naturalmente, desfiliar só porque a liderança tinha mudado. Fiquei e continuei a defender o projecto em que acredito, sempre de forma clara, aberta e frontal. Nunca escondi que votei no Dr. Telmo Correia no Congresso de Lisboa, que fiz parte do projecto Fazer Futuro que foi ao Congresso da Batalha e, naturalmente, estive ao lado do Dr. Paulo Portas desde o 1.º dia em que ele manifestou ao país a sua vontade de regressar à liderança do CDS. Podem dizer que sou um nadinha obstinada e demasiado “fiel” ao Dr. Paulo Portas. É verdade! E já agora, e para que conste, gosto bastante mais dele que do George Clooney!

A Beatriz pode descansar que não será a sua idade que mais sai desmascarada desta discussão, nem a sua fidelidade a quem quer que seja. Não sei se é o George aguentará semelhante subalternização.

5) A Beatriz não gosta, de facto de transferências. Podia tê-las usado, mas nunca usei. A Beatriz também não gosta de golpadas. Também as podia ter feito e não quis. Por isso sei o que é ganhar eleições, mas também sei o que é perder. Já estive num lado e no outro! Podia ter ganho eleições na secretaria com esquemas processuais ou outros. Mas preferi sempre o jogo claro. Por ganhei e perdi. É naturalíssimo!

Pergunto-me se esta Beatriz que confirma ter podido ganhar eleições na secretaria com esquemas processuais ou outros, mas que o não quis fazer, será a mesma que agora cauciona um esquema processual porque lho explicaram numa qualquer Assembleia Distrital?

6) No CDS as sondagens nunca são de fiar. Sabemos que muitas vezes somos mais penalizados por elas que pelo voto efectivo. Por isso não serão as sondagens que me vão fazer dispersar ou desmoralizar! Acredito no CDS e acredito no líder do nosso partido. Acredito que ele ainda tem muito a dar a Portugal e que pode fazer um incrível trabalho em muitas áreas. A verdade é que nos últimos tempos o CDS tem marcado pontos em diversos assuntos: Fiscalidade, Educação, Segurança, Saúde, Economia, e são apenas exemplos!

Já se percebeu no que a Beatriz acredita. Aquilo que ainda não está claro é que mais será preciso acontecer para que a Beatriz perceba o descrédito que se abateu sobre o CDS. Fruto da acção do seu Presidente e de alguns dos dirigentes que dele dependem. Concedo que a fé, em alguém ou em alguma coisa, seja um fenómeno digno de respeito mas duvido que a crendice o seja da mesma forma. E é de mera crendice do que aqui se trata. É que a marcação de pontos de que fala a Beatriz consubstancia-se em valores pouco mais que residuais nas sondagens - os piores dos últimos três anos - e na unanimidade de apreciação negativa junto da comunicação social. Mais do que pontos, o CDS é um nó.

7) Agradeço-lhe a correcção! Felizmente ainda não existe um acordo ortográfico português/espanhol exclusivo da Beatriz!

Aproveite para corrigir as “boas vindas” (a isto gosto de chamar crítica construtiva).

8) A Moção Fazer Futuro sempre se assumiu como um projecto geracional. Não é da JP mas essa geração estava na JP e representa o que é, e sempre foi, o espírito da JP: Autonomia, Liberdade, Irreverência, Dinamismo, Coragem e Frontalidade! Esse é o nosso espírito e a JP não se deixa, nem deixou nunca, instrumentalizar, por mais respeito e consideração que nos mereçam os dirigentes do partido.

Este é o meu parágrafo preferido, confesso. Ao abdicar de ter uma moção própria e ao prestar-se à parte gaga, a JP sossobrou enquanto estrutura autónoma e voltou a transformar-se num joguete nas mãos de alguns.

Apesar de estar há oito anos no CDS, a Beatriz conhece mal a sua história e a da JP. Só assim se compreende a forma enfática como declara a sua não instrumentalização. É obviamente casual que dois dos presidentes da JP (e um seu ex-secretário-geral) tenham sido eleitos secretários-gerais em listas de Paulo Portas depois de usarem a estrutura da JP em contendas internas. É obviamente irrelevante que o candidato a secretário-geral de Telmo Correia não se tenha demitido da liderança da JP e a tenha usado durante dois anos como trincheira até que não precisou mais dela. É certamente coincidência que, das duas vezes que assumiu a liderança do CDS, Paulo Portas tenha usado a mesma estratégia de “manipulação” da juventude.

9) Quanto ao tema das transferências assumo o meu perfeito espanto face ao seu comentário e ao pedido de prova da afirmação que faço, na medida em que foi ontem dito, por um representante do AR, durante uma Assembleia Distrital, que existiam 30 transferências. Assumi a informação por verdadeira. Terei feito mal?

Fez mal, mas eu não a recrimino. Imagino que a emoção de participar na Assembleia Distrital possa ser impeditiva de perceber muito do que lá se passou. Quanto a este ponto, posso dizer-lhe que não há efectivamente 30 transferências. Se alguém o disse, o que eu duvido, não corresponde à realidade. Posso assegurar-lhe que transferências não são mais do que 6, todas justificadas. O AR apresentou efectivamente 100 novas filiações, mais até. Para o confirmar sugiro que se informe junto dos órgãos competentes.

Para finalizar, um conselho. Mais do que preocupada em erguer bem alto a bandeira do CDS, a preocupação maior deveria ser em levantar a bandeira de Portugal.

AR II

1) O CDS tem regras que têm que ser respeitadas por todos, quer antigos quer novos militantes. Uma dessas regras é a de que só podem votar pessoas filiadas há mais de 3 meses. Pretende esta regra evitar, exactamente, o que o movimento AR pretendia fazer: filiar pessoas especificamente para votar. Note-se, além do mais, que estas regras não são de agora, aprovadas de propósito para impedir que os 100 novos militantes AR votem. São já antigas e eram perfeitamente conhecidas. Talvez o movimento devesse ter começado a trabalhar mais cedo… fica a sugestão, e de borla!

A Beatriz não é a pessoa mais adequada para falar de regras quando apoiou o atropelo estatutário também conhecido por regresso do actual Presidente do Partido. Ela escamoteia o essencial: existem novos militantes que se verão privados de votar por se ter antecipado injustificadamente o fim do mandato da presente distrital, o qual, relembra-se, terminava no final de Junho.

A questão não tem que ver com regras mas com o uso da discricionariedade de modo a, objectivamente, prejudicar uma das candidaturas. A sugestão a fazer à Beatriz Soares Carneiro é que seja menos petulante e que perceba que o positivismo jurídico já foi chão que deu uvas. A questão não é de regras, é de boa fé.
---

2) Ninguém se deve filiar num partido única e exclusivamente para votar numas eleições. O acto de filiação parte de uma convicção e de uma vontade de contribuir para um projecto comum. Qualquer militante a sério não deserta nem desaparece só porque, de acordo com as regras da casa, não pode votar em determinada eleição. Além do mais, quem acredita no CDS, como eu acredito, filia-se no Partido e não num qualquer movimento de alternativa ou de renovação!

Com uma arrogância que roça a má criação, a Beatriz acha que os militantes que se filiaram agora o fizeram só para votar nestas eleições. Esquece-se a Beatriz que é precisamente nos períodos anteriores às eleições (internas e externas) que os partidos filiam mais gente. Seja como for, a Beatriz conhece o sentir profundo dos militantes em questão e sabe, de fonte segura, que estes são do género descartável. Filiar, votar e desfiliar. Pergunte-se à Beatriz como o sabe e talvez obtenhamos como resposta que desconfia que assim será. Ora, citando a preclara Beatriz, o CDS tem regras que têm que ser respeitadas por todos. Eleger e ser eleito fazem parte dessas regras. Outro direito que têm os militantes é o de não eleger e de não querer ser eleito. Não serão menos militantes por causa disso.
A conduta da Beatriz Soares Carneiro relativamente à anterior direcção do CDS desmascara a sua interpretação beatífica do acto de filiação num partido político. Pelos vistos, só se pode filiar no CDS quem sufragar um projecto comum nos exactos moldes em que a Beatriz o faz. Mais do que isso ou ser diferente disso é não ser militante a sério. A séria e pedagógica Beatriz leva o atrevimento e a farsa a alturas inesperadas. É divertido perceber como julga e quem se julga.

3) Considero, além do mais, fabuloso que o senhor responsável pelo movimento diga, e cito «Há muito tempo que não entravam para o partido mais de uma centena de militantes num mês». Devia talvez fazer as contas e saber um bocadinho mais de qual tem sido o trabalho das concelhias e ver, por exemplo, o número de pessoas que se filiou na sequência do regresso, (en ora buena), de Paulo Portas à direcção do CDS. E já nem vou chamar a atenção para o facto de 30% desses militantes de que o senhor tanto fala serem transferências para o distrito de Lisboa e o que esse processo significa em termos práticos (falava de manobras o Senhor, não era?!

A Beatriz não gosta de transferências de militantes. A Beatriz não gosta de militantes falsos. A Beatriz não gosta de golpadas. A Beatriz gosta de regras. A Beatriz gosta de gritar em Conselhos Nacionais. A Beatriz também não gosta de falar de Lisboa e do estado miserável a que chegou o CDS. A Beatriz aceita com fair play o facto do CDS não ter qualquer vereador na CML, não retirando daí quaisquer consequências políticas. E fá-lo sem interesse, pois é sabido que a Beatriz nada tem a ver com a JP em Lisboa. A Beatriz acha que tudo está bem desde que estejamos do seu lado. O que é uma impossibilidade lógica. A Beatriz venera o Presidente do Partido e faz pouco caso do facto de, a avaliar pelas sondagens, o seu regresso ter significado um claro retrocesso para o partido. A Beatriz gosta tanto, tanto, tanto, do Dr. Paulo Portas (quase tanto como de George Clooney, que lhe povoa os entusiasmos) que ainda não percebeu que o país já não lhe reconhece os méritos que em tempos chegou a ter.

By the way, ora buena tem "h". Mesmo para a Beatriz.


4) Por fim, quer-me parecer que se os propósitos do movimento eram apresentar uma alternativa e assumir uma responsabilidade, ficava-lhes bem aproveitar o período eleitoral que se avizinha para se assumirem como tal e dar conta das suas ideias e projectos e discuti-los de forma frontal e construtiva, isto porque às vezes não nos candidatamos para ganhar mas apenas para abrir espaço ao diálogo e à construção de alguma coisa melhor (pensem, por exemplo, no caso da Moção Fazer Futuro da JP, em 2006). Mas lá está… eu penso assim porque gosto mais do CDS do que de qualquer lugar nos seus órgãos mas, pelos vistos, nem todos são assim!

Fazendo uma confissão involuntária da sua maneira de estar na política, a pobre Beatriz invocou em sua defesa a Moção Fazer Futuro "da JP". Sem querer, a Beatriz dos altos ideais e visões puras , deixou cair a máscara que, a custo, estampara na própria cara. Os subscritores da dita moção sempre disseram que esta não era uma moção da JP. Era, antes, uma iniciativa de um grupo de militantes jovens que se destinava a reflectir, a discutir ideias, etc... conhecemos a ladainha e a que é que ela se destinou. Todos nos recordamos da instrumentalização soez a que se sujeitou a JP, tão bem recompensada por quem dela beneficiou. A verdade é que a moção a que a Beatriz se refere consubstancia um dos momentos mais rasteiros e deploráveis da história da JP. A Beatriz Soares Carneiro é só mais um ponto triste nessa história decadente.

Quanto a transferências de militantes e outras insinuações que resultam do seu texto, seria bom, em abono da decência que a Beatriz as concretizasse. Com provas, de preferência. Deixo ainda uma nota à Beatriz, para que não se apoquente. Estamos aqui para ficar e não é uma qualquer golpada que vai desmobilizar quem já não aguenta a mentira.
BlogBlogs.Com.Br