quinta-feira, abril 24, 2008

Em Portugal afinal os cravos têm espinhos...

Começo por me desculpar pela "ausência de postagens" bem como pela extensão do texto que transcrevo. Todavia não resisto a incluir esta "pérola" de uma personalidade verdadeiramente insuspeita (e de esquerda), cuja leitura de acontecimento sobrescrevo. Quase trinta anos volvidos, com trinta e quatro de democracia (em miníscula intencionalmente) ainda estamos longe de ser uma sociedade avançada. Penso até que a distância perante o terceiro mundo se encurtou...
Espero que um dia (em breve) se faça "história" em vez de "estórias" sobre um "obscuro período" que procurou terminar com o obscurantismo do Estado Novo.
Talvez o 25 de Abril tenha apenas sido uma (r)evolução... Este ano as festividades valem pelo fim-de-semana prolongado. Podem uns maduros andar com um cravos na lapela mas já pouco mais sobra para celebrar se não um certo quixotismo bacoco de uma pseudo-esquerda que se arroga dona e senhora dos valores da civilização.
A ler com a atenção (e reflexão) que merece. Bom feriado!
"O 25 DE ABRIL E A HISTÓRIA
Se alguém quisesse acusar os portugueses de cobardes, destituídos de dignidade ou de qualquer forma de brio, de inconscientes e de rufias, encontraria um bom argumento nos acontecimentos desencadeados pelo 25 de Abril. Na perspectiva de então havia dois problemas principais a resolver com urgência. Eram eles a descolonização e a liquidação do antigo regime. Quanto à descolonização havia trunfos para a realizar em boa ordem e com a vantagem para ambas as partes: o exército português não fora batido em campo de batalha; não havia ódio generalizado das populações nativas contra os colonos; os chefes dos movimentos de guerrilha eram em grande parte homens de cultura portuguesa; havia uma doutrina, a exposta no livro Portugal e o Futuro do general Spínola, que tivera a aceitação nacional, e poderia servir de ponto de partida para uma base maleável de negociações. As possibilidades eram ou um acordo entre as duas partes, ou, no caso de este não se concretizar, uma retirada em boa ordem, isto é, escalonada e honrosa. Todavia, o acordo não se realizou, e retirada não houve, mas sim uma debandada em pânico, um salve-se-quem-puder. Os militares portugueses, sem nenhum motivo para isso, fugiram como pardais, largando armas e calçado, abandonando os portugueses e africanos que confiavam neles. Foi a maior vergonha de que há memória desde Alcácer Quibir. Pelo que agora se conhece, este comportamento inesquecível e inqualificável deve-se a duas causas. Uma foi que o PCP, infiltrado no exército, não estava interessado num acordo nem numa retirada em ordem, mas num colapso imediato que fizesse cair esta parte da África na zona soviética. O essencial era não dar tempo de resposta às potências ocidentais. De facto, o que aconteceu nas antigas colónias portuguesas insere-se na estratégia africana da URSS, como os acontecimentos subsequentes vieram mostrar. Outra causa foi a desintegração da hierarquia militar a que a insurreição dos capitães deu início e que o MFA explorou ao máximo, quer por cálculo partidário, quer por demagogia, para recrutar adeptos no interior das Forças Armadas. Era natural que os capitães quisessem voltar depressa para casa. Os agentes do MFA exploraram e deram cobertura ideológica a esse instinto das tripas, justificaram honrosamente a cobardia que se lhe seguiu. Um bando de lebres espantadas recebeu o nome respeitável de «revolucionários». E nisso foram ajudados por homens políticos altamente responsáveis, que lançaram palavras de ordem de capitulação e desmobilização num momento em que era indispensável manter a coesão e o moral do exército para que a retirada em ordem ou o acordo fossem possíveis. A operação militar mais difícil é a retirada; exige em grau elevadíssimo o moral da tropa. Neste caso a tropa foi atraiçoada pelo seu próprio comando e por um certo número de políticos inconscientes ou fanáticos, e em qualquer caso destituídos de sentimento nacional. Não é ao soldadinho que se deve imputar esta fuga vergonhosa, mas dos que desorganizaram conscientemente a cadeia de comando, aos que lançaram palavras de ordem que nas circunstâncias do momento eram puramente criminosas. Isto quanto à descolonização, que na realidade não houve. O outro problema era da liquidação do regime deposto. Os políticos aceitaram e aplaudiram a insurreição dos capitães, que vinha derrubar um governo, que segundo eles, era um pântano de corrupção e que se mantinha graças ao terror policial: impunha-se, portanto, fazer o seu julgamento, determinar as responsabilidades, discriminar entre o são e o podre, para que a nação pudesse começar uma vida nova. Julgamento dentro das normas justas, segundo um critério rigoroso e valores definidos. Quanto aos escândalos da corrupção, de que tanto se falava, o julgamento simplesmente não foi feito. O povo português ficou sem saber se as acusações que se faziam nos comícios e nos jornais correspondiam a factos ou eram simplesmente atoardas. O princípio da corrupção não foi responsavelmente denunciado, nem na consciência pública se instituiu o seu repúdio. Não admira por isso que alguns homens políticos se sentissem encorajados a seguir pelo mesmo caminho, como se a corrupção impune tivesse tido a consagração oficial. Em qualquer caso já hoje não é possível fazer a condenação dos escândalos do antigo regime, porque outras talvez piores os vieram desculpar. Quanto ao terror policial, estabeleceu-se uma confusão total. Durante longos meses, esperou-se uma lei que permitisse levar a tribunal a PIDE-DGS. Ela chegou, enfim, quando uma parte dos eventuais acusados tinha desaparecido e estabelecia um número surpreendentemente longo de atenuantes, que se aplicavam praticamente a todos os casos. A maior parte dos julgados saiu em liberdade. O público não chegou a saber, claramente; as responsabilidades que cabiam a cada um. Nem os acusadores ficaram livres da suspeita de conluio com os acusados, antes e depois do 25 de Abril. Havia, também, um malefício imputado ao antigo regímen, que era o dos crimes de guerra, cometidos nas operações militares do Ultramar. Sobre isto lançou-se um véu de esquecimento. As Forças Armadas Portuguesas foram alvo de suspeitas que ninguém quis esclarecer e que, por isso, se transformaram em pensamentos recalcados. Em resumo, não se fez a liquidação do antigo regímen, como não se fez a descolonização. Uns homens substituíram outros, quando os homens não substituíram os mesmos; a um regímen monopartidário substituiu-se um regímen pluripartidário. Mas não se estabeleceu uma fronteira entre o passado e o presente. Os nossos homens públicos contentaram-se com uma figura de retórica: «a longa noite fascista». Com estes começos e fundamentos, falta ao regime que nasceu do 25 de Abril um mínimo de credibilidade moral. A cobardia, a traição, a irresponsabilidade, a confusão, foram as taras que presidiram ao seu parto e, com esses fundamentos, nada é possível edificar. O actual estado de coisas, em Portugal, nasceu podre nas suas raízes. Herdou todos os podres da anterior; mais a vergonha da deserção. E com este começo tudo foi possível depois, como num exército em debandada: vieram as passagens administrativas, sob capa de democratização do ensino; vieram «saneamentos» oportunistas e iníquios, a substituir o julgamento das responsabilidades; vieram os bandos militares, resultado da traição do comando, no campo das operações; vieram os contrabandistas e os falsificadores de moeda em lugares de confiança política ou administrativa; veio o compadrio quase declarado, nos partidos e no Governo; veio o controlo da Imprensa e da Radiotelevisão, pelo Governo e pelos partidos, depois de se ter declarado a abolição da censura; veio a impossibilidade de se distinguir o interesse geral dos interesses dos grupos de pressão, chamados partidos, a impossibilidade de esclarecer um critério que joeirasse os patriotas e os oportunistas, a verdade e a mentira; veio o considerar-se o endividamento como um meio honesto de viver. Os cravos do 25 de Abril, que muitos, candidamente, tomaram por símbolo de uma primavera, fanaram-se sobre um monte de esterco. Ao contrário das esperanças de alguns, não se começou vida nova, mas rasgou-se um véu que encubra uma realidade insuportável. Para começar, escreveu-se na nossa história uma página ignominiosa de cobardia e irresponsabilidade, página que, se não for resgatada, anula, por si só todo o heroísmo e altura moral que possa ter havido noutros momentos da nossa história e que nos classifica como um bando de rufias indignos do nome de nação. Está escrita e não pode ser arrancada do livro. É preciso lê-la com lágrimas de raiva e tirar dela as conclusões, por mais que nos custe. Começa por aí o nosso resgate. Portugal está hipotecado por esse débito moral, enquanto não demonstrar que não é aquilo que o 25 de Abril revelou. As nossas dificuldades presentes, que vão agravar-se no futuro próximo, merecemo-las, moralmente Mas elas são uma prova e uma oportunidade. Se formos capazes do sacrifício necessário para as superar, então poderemos considerar-nos desipotecados e dignos do nome de povo livre e de nação independente."
António José Saraiva In o “Diário de Notícias” de 26 Janeiro 1979

4 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Não faço ideia de quem é o autor e qual é a sua qualidade.
O artigo é bem intencionado e está relativamente bem escrito mas peca, e muito, por ser incompleto.
Poderia escrever muito até que a alma se cansasse mas vou começar pelo mais simples e, talvez, evidente.
Diz ele: "...havia uma doutrina, a exposta no livro Portugal e o Futuro do general Spínola, que tivera a aceitação nacional."
Erro. Para se considerar "nacional" seria preciso que todo o Povo o conhecesse, ao Spinola e ao seu livro. A questão é que não conhecia - nem mesmo em muitos escalões melhor informados.

Quando refere, e é verdade, que "...se as acusações que se faziam nos comícios e nos jornais correspondiam a factos ou eram simplesmente atoardas" deveria continuar esclarecendo que o mesmo, exactamente o mesmo, se passa hoje com os jornalistas a publicar o que lhes dá na gana e sem terem a menor noção do que mandam imprimir, o que nos leva a confirmar que essa classe impregnada de comunistas e socialistas - depois... - sempre se ateve na desinformação para atingir os fins que se propunham.
Há uma diferença: antes, os jornalistas eram tidos por gente de alguma cultura, agora, na sua maioria, são ignorantes.
Hoje, sabemos bem quanto a imprensa mentia e como continua a mentir.
Quando menciona Alcácer Quibir esquece-se de esclarecer que, tendo sido tudo um erro e um logro - o que a História ensina e pouca gente sabe -, as forças Portuguesas lutaram até ao fim mas foram derrotadas sem perder a honra. Ficou lá, caido, o nosso Rei.
Depois, acrescenta: "E nisso foram ajudados por homens políticos altamente responsáveis, que lançaram palavras de ordem de capitulação e desmobilização num momento em que era indispensável manter a coesão e o moral do exército para que a retirada em ordem ou o acordo fossem possíveis."
Seria conveniente esclarecer quem eram esses homens políticos altamente responsáveis dado que ninguém de senso comum reconhece nos intervenientes qualquer qualidade de excelência para a condução política daquele momento. Seria quem? O Cunhal? O Soares? O Almeida Santos? Os labregos da tropa?
Cumprimentos,
Nuno

4/24/2008 8:07 da manhã  
Blogger Jacinto said...

Não sabe quem É, appesar de já falecido, António José Saraiva?...

4/24/2008 12:28 da tarde  
Anonymous valete de paus said...

Um texto que devia andar nos compêndios escolares. Apenas uma ressalva:em Alcácer Quibir perdeu-se tudo menos a honra,que para muitos é tudo

4/24/2008 1:35 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Não fazia nem faço ideia de quem foi o autor do texto apresntado.
O meu comentário mantém-se.
Era um "jornalista"?
Faleceu? Que Deus o tenha junto a si e em descanso.
RIP

Nuno

5/04/2008 5:48 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home

BlogBlogs.Com.Br