segunda-feira, julho 16, 2007

Rescaldo no Caldas

Depois de se terem deleitado os pirómanos com os estragos que a noite eleitoral de ontem provocou no centro-direita, urge deitar água na fervura. No que ao CDS respeita parecem-me claras as razões deste resultado: a candidatura não era suficientemente boa. Ponto final. Nem sequer, desta vez, o CDS foi vítima do proverbial "voto útil". A pulverização de propostas e a certeza da atomização de eleitos tornava menos apetecível, em tese, a tranfuga de votos. E a sangria deu-se, como de resto se esperava. E a candidatura não era boa, como se viu, por vários motivos:
- Telmo Correia, apesar de inegáveis méritos, é passado. É um homem que representa o que já foi. Depois do discurso da renovação, o que foi oferecido na primeira refrega eleitoral foi tudo menos isso.
- Ninguém acredita já nos amores agudos que os crónicos candidatos têm por tudo aquilo a que se candidatam. Ele é cabeça de lista, ele é líder parlamentar, ele é vice-presidente da AR, ele Ministro, ele é o mais que for preciso.
- Depois do que se viveu há pouco tempo no partido, não houve o menor esforço de lançar uma candidatura capaz de mobilizar todos os militantes. Não seria aconselhável que no primeiro acto eleitoral fosse escolhido um dos principais responsáveis pelo que se passou. Não foi, nesse sentido, uma proposta prudente.
- Mas o desaire não se explica pela eventual desmobilização de quantos se não reviram, como eu, na nova Direcção e, sobretudo, nos procedimentos que a entronizaram. Nas directas para a presidência do partido, em Lisboa, o candidato derrotado, creio, não teve mais do que 30%. O desastre tem, infelizmente, uma dimensão muito maior. Muito maior, mesmo. O eleitorado não reconheceu, pura e simplesmente, a excelência de quem pensa ser senhor dela. E quem sofre desses males raramente entende a mensagem de quem vota.
- O eleitorado tradicional do CDS (já não falo naquele que não sendo costumeiro, tem de ser conquistado) não acreditou na proposta que o partido ofereceu porque, muito provavelmente, está magoado e não acredita nas pessoas que a protagonizam. Como se pode confiar em quem desbarata, com consequências duradouras, penso eu, todo um capital de credibilidade, de respeito pelas instituições, de serenidade, de diferença? Não pode, responderam os lisboetas. Esbanjámos, e tão brevemente não recuperaremos, o nosso principal activo eleitoral.
Agora, o candidato demitiu-se de todos os cargos partidários. Que responsabilidade teve o líder parlamentar na estratégia suicida de Lisboa? Estas demissões seriam apenas ridículas se não fossem, elas próprias, mais uma das evidências do sinistro: o serôdio narcisismo. Por sua vez, o líder do partido anunciou pungido o seu encerramento num solilóquio reflexivo que se aguarda riquíssimo. Quem ainda não percebeu já o que se passou não é à custa de horas de introspecção que lá vai chegar. O presidente do partido, em 2005, chorou não ter mais de um por cento do que os trotskistas. Agora, em Lisboa, pode esfregar as mãos: os trotskistas não chegam a ter o dobro dos nossos votos e os maoistas ainda têm de reunir mais meia dúzia deles para chegarem a ter metade. Temos de mudar a bitola se quisermos continuar felizes.

1 Comments:

Anonymous libertas said...

Assino por baixo.

Só falta uma pergunta: onde anda aquela luminária que nos colocou na mesma cama dos srs e das sras da ILGA? onde anda Teresa Caiero? Andará pelas mesmas pocilgas de JAmaral Dias?

7/17/2007 12:15 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home

BlogBlogs.Com.Br