quarta-feira, julho 11, 2007

A Marcha dos Pinguins

Um dos fenómenos mais interessantes da vida natural da Grande Lisboa é a migração diária dos pinguins entre o Tagus Park e o Oeiras Parque. Todos os dias, entre as 13H e as 15H, centenas ou mesmo milhares de pinguins deslocam-se entre estes dois parques naturais, no cumprimento de um ritual ancestral, guiados pelo instinto de sobrevivência inscrito nos seus genes. Se no Tagus desenvolvem as tarefas que a sua organização social complexa determinou para cada um, no Oeiras Parque vão recobrar energias e entregar-se a pequenos prazeres que os fazem quase parecer seres humanos dotados de discernimento e livre arbítrio. Vale a pena ficar a observar. Estes simpáticos animais convivem extraordinariamente bem com a presença humana, pelo que não é sequer necessário construir abrigos de observação.
Tudo começa no restaurante. Os pinguins chegam habitualmente, embora nem sempre, separados por género. Os machos são muito mais fáceis de identificar pelas suas roupagens pretas e brancas, distinguindo-se apenas pela penugem sedosa do peito, a «gravata», que pode ser rosa, verde-alface ou azul-bébé. Esta penugem, curiosamente, vai sofrendo de década para década pequenas mutações genéticas ainda não explicadas pela ciência. É assim que, por exemplo, as cornucópias que ostentavam em tempos desapareceram quase por completo, bem como as bolinhas (pintas), e sendo as riscas cada vez menos observadas. As fêmeas, embora tenham um ar de espécie, variam muito mais na sua aparência física, ostentando cores muito vistosas e deslocando-se, também elas em grupos do mesmo sexo, menos numerosos, mas mais ruidosos.
Chegados portanto ao restaurante, os machos realizam diversos rituais característicos, como a escolha dos vinhos ou a discussão das duas migrações anuais de longo curso, a de Inverno, em direcção à Sierra Nevada, e a de Verão, para destinos paradisíacos nas Antilhas, como a Tailândia. Acabado o repasto, segue-se o ritual mais curioso, que é conhecido por Exploração de Gadgets. Percorrendo as montras das lojas das várias especialidades, em cujo reflexo aproveitam para ajeitar a penugem, analisam a oferta existente e adquirem telemóveis, charutos, iPods, máquinas fotográficas digitais, produtos de beleza masculina, etc. (Os pinguins de menor estatuto social limitam-se a ir ao hipermercado abastecer-se de DVDs.)
De seguida, regressam ao Tagus Park, onde se dedicam às exaltantes tarefas necessárias à sobrevivência do grupo, como por exemplo analisar os gráficos de vendas de telemóveis, charutos, iPods, máquinas fotográficas digitais, produtos de beleza masculina, etc, nos intervalos do Solitaire ou da consulta à carteira de acções. À noite, regressam aos ninhos, onde saúdam distraidamente as companheiras, antes de se dedicarem ao desfrute dos gadgets adquiridos à hora do almoço, na migração diária entre Parques. Este tempo de qualidade toma-lhes longas horas, razão que muitos apontam para as baixas taxas de reprodução da espécie, que se cifra ultimamente em um ou dois pintos por vida fértil. Se puder, desloque-se ao Oeiras Parque à hora da Grande Marcha dos Pinguins. Descobrirá que a sua viagem não será em vão.

29 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Este post é, antes de mais e nomeadamente, fabuloso

7/11/2007 4:34 da tarde  
Anonymous Pinguim said...

Esta vida de pinguim não é fácil...

7/11/2007 4:38 da tarde  
Blogger João Távora said...

Espectacular, caro Jorge! Todos temos um pouco de pinguins... Eu sou duma tribo das Amoreiras... Abraço,

7/11/2007 7:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

joão távora,
fala por ti...

7/11/2007 7:06 da tarde  
Blogger MissPearls said...

Sim, Jorge
Deve ser mais ou menos isso :)

7/11/2007 7:56 da tarde  
Blogger MT said...

Clap,clap, clap....muito bom!

7/11/2007 8:20 da tarde  
Anonymous j. gonçalves said...

fantástico, hilariante, na forma e no conteúdo!
Uma apresentação muito , sui generis de comparação!

7/11/2007 8:30 da tarde  
Anonymous Marta said...

Que criaturas peculiares são os pinguins. Felizmente nós, os humanos, somos completamente diferentes.

7/11/2007 8:38 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Marta disse... at 7/11/2007 8:38 PM

Ah somos?


hehehehe

Nuno

7/12/2007 8:07 da manhã  
Blogger jorge lima said...

Brigado a todos

7/12/2007 9:11 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Olha, o Nuno voltou.... que pena!

7/12/2007 11:36 da manhã  
Anonymous Nuno said...

Não voltei nada - é outro Nuno...

7/12/2007 12:43 da tarde  
Blogger Zenix said...

Sorte de quem não tem de viver a marcha dos pinguins. Mas há pinguins que gostam da sua marcha. O que vale é que há lugar para tudo e para todos.

7/12/2007 1:28 da tarde  
Blogger Paulo said...

Caro Jorge . Folgo em ver-te, de novo, na observação da Natureza, area em qué ès seguramente um dos "Richards Attendburgos" mais notáveis da nossa geração. Espero continuar a ver-te em trabalhos deste calibre. Sugestão:Que tal um artigo sobre a competição pelo Ninho da Sete Colinas, que tem atraido espécimes tão curiosos.Um abraço
PMR

7/12/2007 2:35 da tarde  
Blogger L. Rodrigues said...

No melhor espirito de correcção fraterna, acho que o Paulo confundiu os irmãos, Richard é o actor e cineasta, David o naturalista e homem de televisão.

7/12/2007 2:51 da tarde  
Blogger jorge lima said...

O Paulo confunde os irmãos, lactu sensu, com o esplendor do seu name-dropping. E sim, Paulo, estou a preparar um artigo com uma previsão dos resultados das eleições de domingo, que espero postar o mais tardar segunda-feira.

7/12/2007 3:02 da tarde  
Anonymous Marta said...

Será então um verdadeiro prognóstico!

7/12/2007 3:49 da tarde  
Blogger jorge lima said...

Não sei, Marta, sou agnóstico...

7/12/2007 3:52 da tarde  
Anonymous Marta said...

E a previsão de resultados não é uma questão de fé?

7/12/2007 3:59 da tarde  
Blogger jorge lima said...

«Marta, Marta, andas inquieta com muitas coisas, mas uma só é essencial!» Lc 10 qualquer coisa

7/12/2007 4:23 da tarde  
Anonymous Marta said...

"Mariazinha fui
Em Marta me tornei
Vou daquilo que fui
Para aquilo que serei"

José Mário Branco, Aqui dentro de casa

7/12/2007 4:47 da tarde  
Blogger jorge lima said...

Tinha graça responder com outra do Zé Mário Branco, com a mesma keyword...

7/12/2007 5:09 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Aparece por aqui um Nuno qualquer que não sou eu.
Parece que o sujeito é da "casa" e, sendo, que se identifique.
Por mim, continuo co o meu direito de ser só Nuno e tenho uma imensa vontade de o mandar pastar onde come a mãezinha.

7/13/2007 9:34 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Vai-te embora melga!

7/13/2007 10:36 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

olha parece que, agora sim, o nuno voltou... que pena.

7/13/2007 3:37 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Jorge,
Pontapé na língua é também esse o que deste: lactu sensu??? ou lato sensu?

7/13/2007 3:38 da tarde  
Blogger jorge lima said...

Lato sensu é, de facto a única entrada que encontro no meu velhinho Porto Editora, o que me deixa a única saída de me apresentar perante o meu amigo/a (tu? que m..., porquê o anonimato? Eu não sou inspector da DREN!) qual Egas Moniz de corda ao pescoço. Para Pontapé na Língua,por outro lado, também acho que não tem classe, considerando as pérolas que a Marta tem trazido. Resta-me a consolação de o Google dar vários lactu sensu. Haverá dupla grafia? Confesso: I don't give a s... Mas obrigado por me iluminar/es, lato sensu.

7/13/2007 5:21 da tarde  
Blogger fernanda said...

Também , o António Lobo Antunes , se tem dedicado ao estudo dos pinguins ( desde há longa data ) ,nas suas magnificas crónicas. Eu como sou provinciana , no meu " habitat natural " , ainda não existe " vida natural ".....Mas....não resisto a umas pequenas migrações , à capital. Enquanto " stôra " , tenho a obrigação de frequentar espaços , como a Bertrand , Fnac...nada mais me levaria , a um local desses!!! Obviamente.

7/13/2007 6:16 da tarde  
Anonymous Marta said...

Caro Jorge

Obrigada pelas palavras. Está na sua vez de dar mais um Pontapé na Língua... ou na gramática, se preferir.

7/13/2007 7:12 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

BlogBlogs.Com.Br